Papillon
Fotografia: Tiago Filipe

À Escuta. Papillon, Rapaz Ego e Júlio Resende entre as novidades da semana

Papillon, Rapaz Ego e Júlio Resende estão entre os destaques desta semana do À Escuta, a rúbrica semanal do Espalha-Factos que destaca os lançamentos mais recentes da música nacional. Para além deste trio, a semana contou ainda com novo disco de mema., uma compilação de demos dos Ganso e novas canções de degelo, Dispirited Spirits e Cristóvam. Esta semana fomos presenteados, ainda, uma cover da música “Rústica“, de Jafu’mega, pela voz da portuense Emmy Curl.

00 Fala Bonito“, o novo single de Papillon

O novo single de Papillon chega no início do outono, mas continua com um beat dançante e veraniço. Em “00 Fala Bonito“, o músico entrega-se às “relações verdadeiras uns com os outros, sem grandes expectativas”. Depois do lançamento duplo de “Chill” e “In‘”, o rapper continua imparável em 2020, cumprindo a promessa de fazer canções com “uma energia leve e que nos metem um sorriso na cara“.

00 Fala Bonito” conta com produção de Lhast e co-produção de Charlie Beats. Dodas Spencer acompanha na guitarra e o artwork ficou a cargo de Felipe Feio.

Rapaz Ego Canta Durante La Siesta mas não com canções de embalar

Rapaz Ego surpreende no novo EP composto por quatro canções cantadas em espanhol. A influência latina é notável através de guitarras flamencas, bongos e maracas. “Tan Suave” é o single desta empreitada e conta com um videoclipe de Gonçalo Perestrelo, com indumentária à maneira, guitarra em punho e uma vibe western inconfundível.

Rapaz Ego apresenta o disco no dia 17 de outubro em concerto na Casa do Capitão. Rapaz Ego Canta Durante La Siesta surge entre o primeiro single “Vida Dupla” e o seu primeiro longa-duração, que se viu adiado pelo contexto atual num ano que “veio assim como uma Siesta forçada” em que “os dias ganharam horas e a inquietude da vontade fez correr o verso latino.”

Vira Mais Cinco“, a homenagem de Júlio Resende a Zeca Afonso

Vira Mais Cinco (Para o Zeca)” é o mais recente single do pianista e compositor Júlio Resende. A canção faz parte do seu novo disco Fado Jazz Ensemble, que será editado a 30 de outubro. Piano clássico e os tons da música tradicional portuguesa andam lado a lado nesta canção:  “É música para o Mundo. É uma espécie de Vira, para virar a música ao contrário, de pernas para o ar, como quem faz o pino. E o Zeca também procurou virar a mesa, virar para o lado melhor o mundo que vivia” é o que nos diz Júlio Resende sobre esta canção que transpira música portuguesa.

Para além do piano, a canção é aprimorada com guitarra portuguesa, tocada por Bruno Chaveiro, contrabaixo (André Rosinha) e bateria (Alexandre Frazão).

Ganso celebra o aniversário de Não Tarda com a edição de demos

Um ano após a edição do disco Não Tarda, os Ganso regressam com a edição das demos que deram origem às canções nele retratadas. Em Não Tarda: Demos, os Ganso dão a conhecer os primeiros passos de canções como “O Teu Riso”, “Não Tarda” e outras canções inéditas. As canções são acompanhadas de videoclipes realizados por Gonçalo Perestrelo e Domingos Coimbra, baixista dos Capitão Fausto.

As canções editadas, e aquelas que ainda estão por editar, poderão ser ouvidas no festival radiofónico SBSR.FM Em Sintonia.

Emmy Curl dá voz a “Rústica“, de Jáfu’mega, em homenagem a Eugénio Barreiros

Em “Rústica“, Emmy Curl dá voz ao poema de Florbela Espanca, musicado por Eugénio Barreiros, teclista dos Jáfu’mega, no disco homónimo de 1990. A cover surge como uma homenagem a Eugénio, que faleceu no início de 2020. Na descrição do videoclipe, Emmy relembra o músico com carinho “Vinha muitas vezes aos meus concertos, presenteando-me com boas recomendações e pensamentos. Este é o meu tributo à sua alma.

O teledisco foi feito pela própria Emmy Curl, que recorre à realidade virtual, atribuindo um brado futurista à canção. A compositora tem desenvolvido um projeto visual e musical através das plataformas de realidade aumentada, como podemos ver também no clipe da “Kept Me in the Storm.

Cidade de Sal, o novo disco de mema.

Depois da edição dos singles de antevisão, “Perdi o Norte” e “Outro Lado”, mema. lança agora o seu primeiro disco de originais, “Cidade de Sal“, onde mistura as sonoridades da música tradicional beirã com o pop, reencontrando as suas origens. Depois de anos no estrangeiro, entre Dublin e Berlim, Sofia Marques regressa à terra natal com uma homenagem ao lugar onde nasceu: “Eu já tinha uma grande curiosidade pela música tradicional portuguesa e comecei a escavar e a procurar muito mais. Vi no YouTube dezenas de vídeos de folclore, desde o minhoto ao das Beiras, cante alentejano, entre muitas outras coisas e, como sou de Aveiro, região centro, fui procurar os instrumentos típicos daqui.“, contou em entrevista ao Rimas & Batidas.

Em Cidade de Sal, mema. desconstrói os pré-conceitos da música pop com uma fusão deliciosa de tons e harmonias, que se vêem enriquecidas com instrumentos como a guitarra portuguesa, o adufe e a flauta. A sua lista de influências ronda o globo, contando com nomes desde Röyksopp a Baiuca, Björk a António Variações.

Dispirited Spirits estreiam-se com “Negatives of the Moon (on a Moonless Night)”

Dispirited Spirits estreiam-se com “Negatives of the Moon (on a Moonless Night)”, o primeiro single da banda. O tema é fortemente inspirado na astronomia, algo visível mesmo nas harmonias oníricas que soam da junção de instrumentos.

O psicadelismo presente na guitarra melancólica e mesmo no vídeo-clipe remontam a bandas como Tame Impala e The Flaming Lips. O single do quarteto Rodrigo Dias, Ryan Evans, Kelvin Evans e Gonçalo Feijão marca o início de uma promissora carreira para Dispirited Spirits, que já têm um primeiro disco “no forno”.

Setting Sun“, o single de antevisão do novo disco de Cristóvam

Setting Sun é o novo single de Cristóvam, o músico açoreano que lançou o disco Hopes & Dreams em 2018. Setting Sun é o primeiro passo do desvendar do novo álbum de originais, com edição marcada para 2021.

O disco novo, ainda sem título, foi gravado entre Lisboa (Estúdios Namouche) e a Ilha Terceira, no seu estúdio. Segundo o próprio compositor, a letra de “Setting Sun” fala de duas pessoas que estão de tal modo interligadas que, sem dar conta, atravessam a maior das tormentas como se só para eles o mundo fosse um lugar tranquilo e sereno”.

Nada” é o último single de degelo, completando assim o disco de estreia

Nada” foi o primeiro single a ser composto e o último a ser editado pelo músico degelo. Clara referência ao filósofo alemão Martin Heidegger, que cunhou a famosa frase “Ele, o nada, no seu nadificar, remete-nos justamente para o ente.”, este novo single apresenta a espiral de desconstrução metafórica e estrutural que representa o mundo como uma “constante ilusão, que pode a qualquer instante ser quebrada.

A estética eletrónica e o hip-hop marcam o tom desta canção, que completa, assim, o EP de estreia de Pedro Ruela Berga, responsável pelas letras e composição de todas as canções, com a colaboração de Pedro Simões (ESCUMALHA) e de Iuri Landolt (I had plans, Egbo) na masterização.

Lê também: Entrevista. Miguel Guerreiro já não é o miúdo de ‘Uma Canção Para Ti’
Mais Artigos
Tenet
Warner Bros garante que aposta em ‘Tenet’ durante a pandemia “não foi um sucesso”