Herman José

Herman José não sairia da RTP “por nenhum dinheiro”

No meio da guerra de audiências entre a SIC e a TVI, Herman José, que atualmente apresenta o programa de late night Cá Por Casa, na RTP1, conta que “por nenhum dinheiro” sairia do canal. Em entrevista à TV7 Dias, o ator e humorista português comenta também o tempo em que trabalhou na estação de Paço de Arcos, bem como o fenómeno Cristina Ferreira.

Em 2000, Herman José trocou o primeiro canal pela SIC, o que, na altura, gerou uma controvérsia semelhante à transferência da nova diretora de entretenimento e ficção da TVI. Apesar de terem tido “uns anos absolutamente notáveis”, o humorista afirma ter sido maltratado e confessa que esteve “tempo demais fora”. “Não tenho mágoa nenhuma. Aqueles primeiros quatro, cinco anos foram de glória absoluta e depois talvez devesse ter recuperado a minha lógica RTP um bocadinho antes.”

Anos mais tarde, regressou à RTP, onde se mantém desde então. “Para mim era a única opção possível. Eu não podia fazer o trabalho em que acredito na lógica concorrencial das privadas.” Herman José diz ainda que o seu produto não é feito para estar em constante concorrência e a ver quem é que “chega à frente e quem não chega”.

Hoje, o humorista reforça que “não sairia da estação pública por nada”, uma vez que já tem uma idade em que “nenhum dinheiro paga o desconforto”. Além disso, Herman José tem um contrato com a RTP, que é renovado de dois em dois anos, e pretende continuar com o Cá por Casa.

Quanto à polémica com Cristina Ferreira, Herman assegura que não é por ser mulher, mas sim por estar no “epicentro de uma guerra entre dois canais”. “Já tive a minha fase Cristina Ferreira e não tenho saudades nem inveja, porque já não teria saúde para tão grandes responsabilidades. Por isso é que eu sou tão feliz na RTP”.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Crítica. “Beartown”: Uma história pesada, mas necessária