Netflix/Divulgação

Netflix lança minissérie sobre ‘O Poder Do Voto’

Os três episódios explicam vários aspetos do sistema eleitoral dos EUA

Resumindo: O Poder Do Voto (Explained: Whose Votes Count) é a nova minissérie documental da Netflix, lançada no dia 28 de setembro. A série analisa o sistema eleitoral dos Estados Unidos da América e as suas falhas, bem como o que pode ser feito para as corrigir.

A minissérie documental está dividida em três episódios, “O direito ao voto”, “É possível comprar uma eleição?” e “Que votos importam”, nos quais são analisados vários dados e estudos, bem como entrevistados vários especialistas, de ambos os lados do espectro político.

Os três episódios mostram o porquê da participação eleitoral nos Estados Unidos ser muito mais baixa do que na maioria dos países desenvolvidos, sendo uma das razões apresentadas pelos americanos o facto de não sentirem que o seu voto faça diferença.

São também analisados os financiamentos de campanhas eleitorais, dando a perceber como o sistema parece ser manipulado para dar a alguns grupos menos poderes do que a outros, sendo também propostas algumas soluções para que a democracia americana represente melhor todos os seus cidadãos. A maioria dos especialistas afirma que os americanos podem estar num ponto de inflexão, no qual uma consciência ampliada e uma vontade renovada podem levar a uma reforma significativa do sistema eleitoral.

Resumindo: O Poder Do Voto é uma produção da Netflix e Vox Media. Leonardo Di Caprio, Selena Gomez John Legend narram os três episódios da série.

A série da Netflix Resumindo tem por base a discussão de assuntos que relevantes na sociedade contemporânea. Desta vez, o tema escolhido para esta minissérie, que aprofunda o tema das eleições norte-americanas, não podia estar mais na ordem do dia. As eleições estado-unidenses são em novembro, e e acontecimentos recentes trouxeram à tona as tensões que existem no sistema eleitoral. No entanto, para além das falhas, o documentário em três partes pretende também mostrar como os cidadãos norte-americanos desejam que o sistema realmente funcione.

Mais Artigos
Dia Internacional dos Estudantes: como olham os jovens para o futuro depois da pandemia?