Carlão
Fotografia: Catarina Abrantes Alves / EF

Carlão participou em anúncio da DGS, mas não está satisfeito com resultado final

Carlão não se revê no anúncio televisivo da Direção Geral da Saúde (DGS) em que participou. O músico demostrou o seu desconforto através da publicação de um vídeo na sua página oficial de Instagram.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Carlão (@carlao_nabatalha) a 2 de Out, 2020 às 3:33 PDT

Segundo o ex-vocalista dos Da Weasel, as frases ditas no anúncio, dirigido à prevenção da Covid-19, já “não se coadunam com o que estamos a passar agora“. O vídeo promocional alerta para o perigo dos ajuntamentos de pessoas e foi publicado no passado mês de junho com a participação de vários músicos portugueses.

O contexto na altura era um contexto onde se estavam a fazer festas ilegais, onde muitas pessoas apanharam o vírus”, contextualiza o rapper antigamente conhecido como Pacman, que explica como decorreu o processo de realização do vídeo. “Cada um foi ler uma frase na boa fé. Do meu lado não foi aprovado o texto todo porque não sabíamos qual seria o resultado final nem as frases todas – a coisa ainda estava em construção. É uma situação meio complicada. É claro que se aquilo tem saído na altura em que era suposto sair, não estaria aqui agora a dizer-vos isto. E, na altura, ninguém estranharia. Agora sim“.

Carlão salienta que “é possível fazer concertos”

O músico salienta que neste momento, “é possível fazer concertos, de maneira diferente a que estávamos habituados, cumprindo as regras de segurança”, defende. O alerta do vídeo da autoridade nacional da saúde contraria os apelos dos artistas “de não conseguirmos fazer aquilo que queremos fazer, que é dar espetáculos, dar concertos”, salienta o cantor que afirma que, assim, “parecemos bipolares”. Carlão conclui, afirmando: “não somos chonés“.

De referir que a DGS também publicou outros vídeos com mensagens de artistas, como Pedro Abrunhosa.

Ver esta publicação no Instagram

 

“Os adolescentes, os mais novos, tiveram um papel fundamental no combate à propagação do coronavírus em Portugal e no mundo. Numa altura em que precisavam de se expandir e de explodir, de ir ter com os seus amigos e de socializar, de encontrar o namorado ou a namorada, souberam ficar em casa e, com isso, minimizar o impacto que este vírus poderia ter tido. Agora, é altura do desconfinamento. Porém, o vírus continua ativo. Portanto, é preciso que saibam ter as cautelas necessárias para não serem eles próprios portadores de vírus para casa, com isso podendo afetar os seus pais, os seus avós ou outros familiares. Este poderá não ser o verão do nosso contentamento, mas, uma vez passada a crise, todos os invernos vão saber a verão. Desconfina, mas desconfia”. Umconselho do @pedro.abrunhosa e é também #umconselhodaDGS.

Uma publicação partilhada por DGS – Conta Oficial (@direcao_geral_saude) a 23 de Jul, 2020 às 2:56 PDT

O cantor salienta que a DGS ainda não assentiu aos pedidos dos artistas para retirar o anúncio do ar. “Já muita gente que está no vídeo pediu para a publicidade ser retirada, mas ainda não foi.(…) Isto está a criar um mal estar na comunidade artística”, avisa Carlão que, conclui: “As pessoas não estão a perceber porque estamos a dizer aquilo nestes momento“.

O músico lançou uma nova música precisamente já em período em pandemia, quando as pessoas estavam em confinamento, durante o estado de emergência. Assobia para o lado foi lançado em março com o objetivo de “transmitir boa disposição e esperança a quem me ouve“, segundo Carlão no seu Instagram. O tema conta com videoclipe.

Lê também: Covid-19. Quais as expectativas e receios dos estudantes no regresso ao Ensino Superior?
Mais Artigos
Cristina Ferreira
Cristina Ferreira duas semanas sozinha, ‘Dia de Cristina’ suspenso