Sempre o Diabo
Imagem: Sempre o Diabo

Crítica. ‘Sempre o Diabo’: O perigo do fanatismo e das adaptações literárias

Sempre o Diabo é o segundo grande filme da Netflix lançado este setembro. As páginas do livro The Devil All the Time, do autor Donald Ray Pollock, passaram para os ecrãs de streaming esta quinta-feira (16).

Tom Holland lidera um elenco de luxo que conta ainda com Robert Pattinson, Bill SkarsgårdRiley KeoughSebastian Stan. A adaptação é liderada por Antonio Campos — realizador e co-autor do argumento da produção.

Tal como a obra literária, Sempre o Diabo retrata almas torturadas no rescaldo do pós-Segunda Guerra Mundial e na antevisão da Guerra do Vietname. Conectadas por sangue e fé, as personagens insidiosas do filme parecem estar sempre a um passo de um destino violento e mortal.

Espalha-Factos analisa o mais recente original Netflix.

Em nome do Mal

Não são precisos muitos minutos para percebermos um dos temas principais do filme: Religião, mais concretamente, o fanatismo nutrido perante ela. Não havendo uma narrativa tradicional — no sentido de jornada com início, meio e fim — Sempre o Diabo opta por um retrato do dia-a-dia de três famílias influenciadas pela fé e o ambiente que as rodeia. O efeito destrutivo da devoção cega influencia a vida de todas as personagens principais. E não é inocente que os menos crentes acabem por ser os mais afortunados.

Há outras temáticas com mais ou menos predominância como, por exemplo, o trauma provocado pela Guerra tanto nos soldados que regressam quanto nas suas comunidades. Uma reflexão a partir da árvore genealógica dos protagonistas permite detetar uma ligação curiosa com o Naturalismo fatalista de Os Maias. As personagens parecem condenadas a repetir os pecados dos seus antepassados, por muito que tentem abandonar o passado.

Lê também: ‘Variações’ e ‘A Herdade’ são os grandes vencedores dos Prémios Sophia

Se a narrativa tem muito que se lhe diga, o mesmo pode ser dito do elenco. Bill Skarsgård transmite o desespero horripilante de um crente que não vê as preces atendidas. A sua tragédia no prólogo da história vai marcar a vida do protagonista de Tom Holland. O ator britânico pode ter-se popularizado com a interpretação como aranhiço da Marvel, contudo é em Sempre o Diago que recebe a aclamação merecida. Uma interpretação subtil, calculada e introvertida que evita exageros e espalhafato e, mesmo assim, absorve o espectador no ecrã. Fiquemos a aguardar as nomeações.

Robert Pattinson mantém a consistência de grandes atuações que tem marcado os últimos anos da carreira, enquanto um sacerdote carismático que é mais perigoso do que aparenta. E uma nota ainda para Kristin Griffith que interpreta a vítima mais injusta do fanatismo — a matriarca que vê a família desmoronar-se em tragédia sem forma de o impedir.

Robert Pattinson em Sempre o Diabo
Imagem: Netflix/Divulgação

Os pecados da adaptação

Se o conteúdo da escrita é muito bom, graças em parte à qualidade da obra original, a tradução do literário para o cinematográfico falha em alguns aspetos. Se Donald Ray Pollock a narrar o filme baseado no seu livro é um toque bonito, o uso do narrador enquanto engenho narrativo magoa Sempre o Diabo. As frases são muitas vezes repetições ou até spoilers do que acontece imediatamente a seguir. No campo do audiovisual, as imagens não precisam de exposição extra para contar tudo o que necessitamos de saber. Neste caso em particular, o narrador é uma inconveniência em vez de um benefício.

Outro problema da adaptação é a repetição de momentos e propósitos. Nos primeiros quinze minutos, uma cena repete-se depois de um curto e desnecessário salto ao passado que não acrescentou nada. Sempre o Diabo usa muito o in media res. Às vezes, resulta, noutras ocasiões é a mostrar-nos o que o narrador já nos disse ou vice-versa. Tudo isto acaba por atrasar o ritmo do filme, sendo este já mais pausado devido ao carácter da história.

E, num gesto de lealdade ao material original, Sempre o Diabo acaba por incluir cenas que se intrometem na fluidez natural da narrativa. Há histórias secundárias que podiam ser cortadas, três diferentes momentos que dizem o que já sabemos sobre uma dupla de personagens e, em geral, uma opção de jogar pelo seguro no que toca a transcrever as páginas para o ecrã. Ironicamente, é o oposto do que fez Charlie Kaufman em Tudo Acaba Agora também da Netflix. Com mais alguns cortes arrojados e uma seleção criteriosa de momentos, o filme podia ser mais leve no tempo sem deixar de pesar tematicamente.

Sempre o Diabo
Imagem: Netflix/Divulgação

Quando se dedica apenas a ser uma obra audiovisual, a película mostra o talento de quem está por trás da câmara. Os planos são ótimos — belos ou brutais. A banda sonora que mistura música tensa com canções da época transporta-nos para o cenário do filme. É um bom trabalho em todos os aspetos por parte de Antonio Campos e a sua equipa.

Sempre o Diabo é mais uma boa oferta da Netflix. Tematicamente rico, representado por um elenco talentoso e digno de prémios, porém com escolhas falhadas do ponto de vista da adaptação da obra original. Um bom filme que podia ser um ótimo filme, com apenas alguns ajustes.

Sempre o Diabo
Sempre o Diabo
7

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Dia de Cristina TVI
Cristina Ferreira em quarentena após contacto com Bárbara Bandeira