Media Capital
Fotografia: Divulgação

Novos donos da Media Capital já são conhecidos

Já é conhecida a nova estrutura acionista da Media Capital. A informação foi divulgada pela revista Visão, que cita, entre outros documentos ,os comunicados enviados pela Media Capital à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Os ramos de negócios dos novos investidores da empresa de comunicação social abrangem um espectro de áreas alargado.

O dono da Douro Azul Mário Ferreira, é agora o maior acionista da empresa dona da TVI e da Rádio Comercial. A fatia detida pelo empresário através da Pluris Investments, empresa detida pelo empresário e pela sua esposa, é de 30,22%.

A Prisa, anterior detentora da maioria do capital na empresa de comunicação social, desfez-se dos 64,47% que detinha. O valor total desta operação cifrou-se em 36,85 milhões de euros. A maior fatia foi vendida à Triun SGPS. A holding com atividades centradas no imobiliário e na agricultura, acrescenta agora os meios de comunicação social ao seu portefólio. A empresa dirigida por Paulo Gaspar passa a deter 20% da Media Capital.

16% foram arrebatados pela Sociedade Zenithodyssey. O consórcio é composto por cinco investidores ligados desde à área imobiliária até à indústria têxtil e todas localizadas no Norte do país. 50% da sociedade pertence à CIN (Corporação Industrial do Norte), dona da marca das tintas com o mesmo nome.

Tony Carreira, Cristina Ferreira e até um ator da TVI como acionistas

A quarta maior posição também é de um consórcio de oito investidores. O cantor Tony Carreira integra a sociedade. 12% é o peso adquirido no capital social. Segue-se a Sociedade Fitas & Essências que fica 3% da Media Capital. A empresa de design e de inovação e de desenvolvimento na confeção de vestuário tem sede na Maia.

Dia de Cristina
Cristina Ferreira é dona de 2,5% da Media Capital, detentora da TVI

A intenção de Cristina Ferreira de ser acionista da empresa onde trabalha já era conhecida. A apresentadora adquiriu 2,5% da Media Capital através da Docasal Investimentos, sediada na Ericeira. Esta sociedade é detida em 89% pela comunicadora, enquanto o pai tem os restantes 11% da empresa. A operação terá custado à apresentadora um valor aproximado de 1,5 milhões de euros, tendo em conta o valor de venda de cada ação anunciado pela Prisa.

Comunica-se que a DoCasal Investimentos (DCI) é detida maioritariamente pela sua sócia Cristina Maria Jorge Ferreira, pelo que quaisquer direitos que sejam ou venham a ser imputáveis à DCI serão igualmente imputáveis à referida sócia, por conta de quem esta comunicação é igualmente efetuada”, pode ler-se em comunicado enviado à CMVM.

A CMVM só obriga a comunicar publicamente os detentores de mais de 2% do capital de uma empresa. Nos múltiplos negócios que culminaram com a saída da Prisa do capital da empresa de comunicação portuguesa, há vários investidores que adquiriram capital abaixo do limiar dos 2%. Segundo a Visão, o ator com contrato de exclusividade com a TVI, Lourenço Ortigão terá sido um deles, passando a deter 1% das ações da Media Capital.

Mais Artigos
Will Smith
Will Smith: os papéis que marcaram a carreira do ator