Foto: página oficial da Festa do Jazz no Facebook

Centro Cultural de Belém recebe a 18.ª edição da Festa do Jazz

A Festa do Jazz deste ano já tem data marcada para os dias 12 e 13 de setembro. O Centro Cultural de Belém (CCB) vai receber pela primeira vez a iniciativa que se dedica a “apoiar, cuidar e incentivar a comunidade dos músicos de jazz, portugueses”.

Concertos, debates e encontros de escolas e artistas vão marcar a 18.ª edição do evento, anunciou hoje a organização em comunicado enviado às redações.

No primeiro dia, as atuações musicais vão homenagear o pianista Bernardo Sassetti, no ano em que celebraria 50 anos. O destaque é o concerto de Mali M’Mbuli Baaba com as participações de João Mortágua no saxofone alto, João Pedro Coelho no piano, e ainda de Carlos Barretto no contrabaixo e de Alexandre Frazão na bateria. Já a sessão de encerramento, no dia seguinte, com Maria João & Carlos Bica Quarteto.

No palco do Pequeno Auditório do CCB vão também acontecer, ao longo dos dois dias, vários encontros com grandes nomes do jazz português, entre os quais um primeiro com Carlos Martins, João Paulo Esteves da Silva, Carlos Bica e João Lobo e, um segundo, com Inês Proença, Maria Fonseca, Sofia Queiróz e Beatriz Félix. Tomás Marques Quarteto, Andy Sheppard Costa Oeste, Gabriel Ferrandini “Volúpias”, João Barradas (a solo), Ricardo Toscano “The Sound of Desire” também vão atuar neste palco.

O espaço que permite a novos talentos do jazz nacional mostrar o seu trabalho e talento volta a marcar espaço na 18.ª edição da Festa do Jazz no Encontro Nacional de Escolas. Curso Profissional de Instrumentista de Jazz da Bemposta, ESMAE – Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo, Universidade Lusíada de Lisboa e Universidade de Évora são algumas das instituições que vão ter alunos a mostrar o seu trabalho ao grande público.

Foto: divulgação

Concertos não são o único ingrediente do evento

Na 18.ª Festa do Jazz também vai haver espaço para as conversas e debates.

O primeiro dia vai contar com o lançamento de um livro dedicado à própria Festa do Jazz, que “em muitos pontos, se confunde com a história contemporânea do jazz em Portugal”, revela a organização.

No dia seguinte, a discussão toma lugar com o debate dedicado ao tema Portugal, Jazz e Racismo, com a presença de Mamadou Ba, dirigente da associação SOS Racismo, e das cantoras Maria João e Selma Uamusse.

O tema é justificado pelos organizadores: “o jazz tem na sua génese uma forte ligação às comunidades negras, aos seus ritmos e formas de interpretação musical. Neste debate pretende-se recuperar essas referências históricas, trazendo-as para a atualidade de forma a refletir sobre o momento que vivemos no que diz respeito às questões raciais que estão no mesmo patamar das questões de género e de igualdade”.

Todos os concertos do Festa do Jazz 2020 vão ser transmitidos em direto através da plataforma online RTP Palco.

Tal como nas edições anteriores, vão ainda ser atribuídos os Prémios RTP/Festa do Jazz, resultantes de uma parceria entre a organização do evento, a cargo da Associação Sons da Lusofonia, e a RTP, que “promove a música improvisada portuguesa” e dá a conhecer “os melhores músicos nacionais de cada ano”.

A edição de 2020 vai também acolher uma recolha de donativos a reverter para o Fundo de Solidariedade da Cultura, que pretende “apoiar individual e financeiramente o maior número de pessoas possível” em situação de carência devido a cancelamentos ou adiamentos de atividades culturais decorrentes da pandemia de Covid-19.

A organização do evento está a cargo da Associação Sons da Lusofonia, com o apoio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, da Direção-Geral das Artes, do CCB e do DST Group.

Depois de 15 edições no Teatro São Luiz (entre 2003 e 2017) e uma em vários espaços do Bairro Alto, em 2018, a edição do ano passado decorreu nos vários espaços do Capitólio, no Parque Mayer.

Mais Artigos
Amar Demais
Opinião. ‘Amar Demais’ é uma aposta estável numa TVI em mudança