O Noivo É Que Sabe
Fotografia: SIC/Divulgação

Na estreia, ‘O Noivo é Que Sabe’ chega a marcar o dobro da audiência da TVI

O Noivo é Que Sabe, o novo programa das noites de domingo da SIC, chegou a marcar o dobro da audiência da TVI. O programa de Cláudia Vieira foi líder desde o primeiro minuto.

Depois da pandemia da Covid-19 atrasar vários casamentos este ano, a SIC decidiu realizar os sonhos matrimoniais de alguns casais, mas nem por isso lhes facilitou a vida. Adaptado do original Don’t Tell the Bride, O Noivo é Que Sabe coloca os noivos a organizarem todos os detalhes do seu casamento, incluindo a gestão do orçamento, sem que a noiva possa fazer outra coisa sem ser ser surpreendida no dia em que sobe ao altar.

O novo programa da SIC conquistou mais de 1 milhão e 389 mil telespectadores, liderando confortavelmente durante todos os segmentos. Com 14,6% de audiência média e 28,1% de share na primeira parte, O Noivo é Que Sabe abriu vantagem contra Quer o Destino (12,6% / 23,4%).

O Noivo é Que Sabe: A Cerimónia é que acabou por trocar as voltas à TVI. Após o final do episódio de Quer o Destino, o formato apresentado por Marco HorácioBoom! – ficou responsável pelo resto da noite da Quatro, caindo para o pior resultado desde a estreia e perdendo por mais do dobro para o novo formato da SIC. Com apenas 555 mil telespectadores, Boom! não foi além de 5,9% de audiência média e 14,3% de share, fazendo a TVI cair cerca de dez pontos percentuais entre as 22h e as 23h. Na SIC, A Cerimónia manteve os bons resultados e figurou no top 4 de programas mais vistos do dia, com 12,2% de rating e 31,9% de share – o maior valor de quota de mercado deste domingo (30).

Nos valores globais, compreendidos entre as 21h42 e 23h38 – o tempo de exibição de O Noivo é Que Sabe – a SIC liderou destacadamente com uma audiência de 13,3% e 28,8% de quota de mercado. Já a TVI, em vésperas de setembro, deixou-se ficar para trás com uma diferença de dez pontos percentuais: 8,5% de rating e 18,3% de share.

Na RTP1, I Love Portugal continua a não conseguir destacar-se nas audiências de forma global, mas conseguiu vencer o programa de Marco Horácio durante o confronto direto. Com 6,6% de rating e 12,7% de share, o programa de Filomena Cautela e Vasco Palmeirim superou as expectativas.

Nos totais diários, a SIC voltou às vitórias esclarecedoras, conseguindo uma vantagem de 6,7 pontos percentuais face à TVI. Com 20,5% de share médio, a estação de Daniel Oliveira continua a liderar os domingos e a não dar espaço à estação de Queluz que, no período compreendido entre as 08h da manhã e as 02h, liderou apenas cerca de 20 minutos com a Eucaristia Dominical (3,3% / 12,8%). No global diário, a TVI registou 13,8%, vendo a RTP1 mais próxima com 9,8%. No cabo, a CMTV liderou com 4,5%

Um Domingão estável num domingo para esquecer

Domingão
Foto: página oficial da SIC no Facebook

João Baião e Diana Chaves continuam a unir-se aos domingos à tarde. A nova dupla das manhãs da SIC conseguiu vencer a concorrência da TVI, com uma diferença de 210 mil telespectadores. Na Três, Domingão: Especial O Noivo é Que Sabe garantiu uma quota de 20,1%, mantendo as tardes da SIC nos valores que a permitiram vencer o dia de forma confortável. Na TVI, Somos Portugal ficou-se pelos 4,7% de rating e 13,6% de share. Domingão fez uma audiência média de 6,9%, sendo mais visto do que todos os programas da TVI menos dois: Jornal das 8 (9,0% / 18,4%) e Quer o Destino.

Outros destaques:

  • Não Há Crise: Especial Casamentos também conseguiu registar o dobro da audiência da TVI. O programa apresentado por Fernando Rocha fez 5,2% / 19,2%, enquanto a TVI caía para números abaixo dos 10% de share.
  • Na RTP Memória, a repetição de MacGyver marcou 1% de audiência e 3% de share ao início da tarde, tendo chegado a picos superiores a 5% de share. O canal do arquivo destacou-se ainda ao final da noite com o filme Emmanuelle (0,6% / 2,3%).
  • Olhó Baião (2,5% / 12,6%) perdeu a liderança matinal para a RTP1, com Bom Dia Portugal (2,1% / 17,1%) e Eucaristia Dominical (4,3% / 18,3%).
Mais Artigos
Cama máscara relações sexuais
Como a pandemia afeta as nossas relações sexuais?