Michael Jackson

Spike Lee lança nova versão de videoclipe de Michael Jackson

No novo vídeo, o cineasta juntou vídeos dos protestos contra o racismo, supremacia branca e brutalidade policial ao videoclipe original

O realizador americano, Spike Lee, lançou uma nova versão do videoclipe da música They Don’t Care About Us. O vídeo de 2020 serve para assinalar aquele que seria o 62º aniversário da lenda do Pop Michael Jackson.

O cineasta lançou o vídeo durante a celebração anual Brooklyn Loves Michael Jackson que ocorreu no sábado (29) e serve para celebrar o aniversário do cantor. A nova versão do vídeoclipe conta pequenos excertos de vídeos gravados durante os protestos contra o racismo, supremacia branca e brutalidade policial. Para além disso, é possível ver as imagens presentes no vídeo original gravado em 1999 no Brasil e numa prisão.

O realizador de BlacKkKlansman escreveu na descrição do vídeo que “Grandes canções de protesto não se podem tornar velhas, obsoletas ou irrelevantes, porque a luta continua”. Spike Lee afirmou ainda que a música é o hino do período “caótico e pandémico em que vivemos”. “Para celebrar o dia de nascimento de Michael Jackson, fizemos a curta-metragem They Don´t Care About Us 2020 para continuar a luta pela igualdade para todos”, acrescentou o cineasta à mensagem.

Ao longo do vídeo que acompanha uma das músicas que se veio a tornar num dos hinos contra o racismo e brutalidade por parte das forças de segurança, é possível ver imagens de protestos de todo o mundo. As marchas que ocorreram em Espanha, Londres e Estados Unidos têm uma aparição na nova versão do vídeoclipe.

No vídeo é possível ver protestantes a segurar cartazes com mensagens como “Vidas Negras Importam” e ainda vê-los a ajoelhar em honra daqueles que perderam as vidas devido à brutalidade policial. Jacob Blake, a vítima mais recente, tem também direito a homenagem na  nova versão do vídeo, tal como George Floyd e Breonna Taylor.

Vê aqui a versão de Spike Lee de They Don’t Care About Us:

Mais Artigos
samuel úria
Samuel Úria: “Quero ser um bardo de coisas bonitas e claras no meio da escuridão”