international booker prize
Fotografias: The Booker Prizes / Goodreads

‘The Discomfort of Evening’ vence o International Booker Prize de 2020

Marieke Lucas Rijneveld e Michele Hutchison dividem o prémio que distigue a melhor obra traduzida publicada no Reino Unido ou Irlanda

The Discomfort of Evening, escrito por Marieke Lucas Rijneveld e traduzido por Michele Hutchison, é o livro vencedor do International Booker Prize de 2020. O anúncio foi feito online na quarta-feira, 26 de agosto.

O International Booker Prize de 2020, que distingue anualmente o melhor livro traduzido para inglês e publicado no Reino Unido ou Irlanda, foi este ano atribuído a Marieke Lucas Rijneveld e a Michele Hutchison numa cerimónia singular online (disponível no canal do YouTube da Booker Prize Foundation).

The Discomfort of Evening foi originalmente publicado em neerlandês e é o romance de estreia de Marieke Lucas Rijneveld, um sucesso de vendas nos Países Baixos e traduzido para o inglês por Michele Hutchison para a editora Faber & Faber. Em declarações à agência Lusa, a editora Dom Quixote, do grupo Leya, anunciou que irá editar a obra em Portugal no início de 2021.

Fotografia: Facebook Oficial The Booker Prizes

A história passa-se numa quinta no interior dos Países Baixos, onde vivem Jas e a sua devota família, parte de uma austera comunidade cristã. Quando, num dia de inverno, o irmão mais velho de Jas parte numa viagem, ela fica invejosa e faz um pedido sinistro a Deus – e ele não regressa. O luto engole a família, e Jas assiste à desintegração da sua família enquanto caí num vórtice de fantasias cada vez mais estranhas.

Rijneveld, que cresceu no seio de uma família de agricultores protestantes do Brabante do Norte, vive agora em Utrecht e continua a trabalhar numa quinta de criação de gado leiteiro enquanto se dedica, em simultâneo, à escrita. Já venceu prémios tanto para o seu primeiro livro de poesia, Calfskin, como para a obra agora distinguida com o International Booker Prize.

Na atribuição do prémio, Ted Hudgkinson, que liderou o júri, justificou a escolha dizendo que The Discomfort of Evening é uma terna e visceral evocação de uma infância apanhada entre a vergonha e a salvação, e um vencedor profundamente merecedor do International Booker Prize de 2020″. O jornal The Guardian achou a obra “um estudo resoluto sobre uma família que se desintegra com a loucura do luto, tornado ainda mais perturbador pela forma infantilmente simples e sem dramas em que os seus comportamentos compulsivos são reportados”, e o The Financial Times considerou que “este livro tem uma beleza ousada… ao usar o mundo quotidiano de Jay como uma metáfora para a solidão e o medo, Rijneveld criou algo excecional”.

O grupo de cinco jurados escolheu esta obra de uma shorlist composta por cinco outros livrosThe Enlightment of the Greengage Tree, da autora iraniana Shokoofeh AzarThe Adventures of China Iron, da autora argentina Gabriela Cabezón CamaraTyll, do autor alemão Daniel Kehlmann; Hurricane Season, da mexicana Fernanda Melchor; e The Memory Police, da japonesa Yoko Ogawa.

O International Booker Prize é atribuído anualmente ao melhor livro traduzido para inglês e publicado no Reino Unido ou Irlanda nesse ano, que tanto pode ser um romance como uma colectânea de contos. Este ano, os jurados consideraram 124 livros, dos quais 13 semifinalistas foram apurados para a longlist; seis livros finalistas passaram depois para a shortlist. Daqui foi escolhida a obra vencedora, e o seu autor e tradutor dividem o prémio de cerca de 56 mil euros. O objetivo é encorajar o trabalho dos tradutores e impulsionar a publicação de obras de todo o mundo no mercado de língua inglesa.

No ano passado, o prémio foi atribuído a Celestial Bodies, da autora de Omã Jokha Alharthi e traduzido por Marilyn Booth, que está já editado em Portugal com o título Corpos Celestes, pela Relógio D’Água. Em 2018, a vitória foi de Olga Tokarczuk, Prémio Nobel da Literatura de 2018 (concedido em 2019), e de Jennifer Croft para a obra Flights, já publicado em Portugal pela Cavalo de Ferro com o título Viagens.

O Booker Prize de 2020, o maior prémio do mundo literário em língua inglesa (da família de prémios do International Booker Prize faz parte), teve os seus nomeados anunciados em julho. Os finalistas serão conhecidos em setembro e o vencedor em novembro. No ano passado, o prémio foi controversamente dividido entre The Testaments, de Margaret Atwood, e Girl, Woman, Other, de Bernardine Evaristo.

Mais Artigos
Spotify
Spotify visa lançamento do Apple One: “Práticas injustas e comportamento anticompetitivo”