Fotografia: EF via D.R.

Podcast. O que está em causa na OPA da Cofina à Media Capital?

O Fita Isoladora, podcast semanal do Espalha-Factos, explica o que está em causa na OPA da Cofina à Media Capital. O negócio que nunca termina teve mais uma reviravolta esta semana.

Ouve aqui o episódio desta semana:

A empresa que é dona do Correio da Manhã deu sinais de querer voltar à mesa de negociações e avançou com uma oferta pública de aquisição da totalidade das ações. O negócio é avaliado em 35 milhões de euros, menos 170 milhões do que o último valor que a Cofina tinha oferecido. 

Diogo Cavaleiro, que escreve sobre banca, seguros e mercados financeiros no jornal Expresso, junta-se ao painel residente do Fita Isoladora para ajudar a perceber todo o processo da possível compra da TVI, por parte da Cofina.

A Disney+ chega oficialmente a Portugal a 15 de setembro. É possível subscrever o serviço de streaming desde esta quinta-feira (13), por um preço reduzido. Esta oferta é válida desde 13 de agosto, até ao dia 14 de setembro.

Após esta data, a subscrição anual custará 69,99 euros, mais dez euros, e será também possível fazer uma subscrição mensal no valor de 6,99 euros por mês. O serviço de streaming junta no seu catálogo filmes e séries da Marvel, Pixar, Lucasfilm, Disney e National Geographic.

Para muitos, já não era sem tempo a chegada do serviço de streaming. Mas será que o catálogo justifica a adesão? Ou é melhor esperar mais algum tempo?

Pedro Miguel Coelho, João Malheiro e Tiago Serra Cunha falam ainda das maratonas de pimba dos três canais generalistas. A SIC tem dominado nas audiências com o Domingão. A TVI mantém firme um clássico sucesso da sua programação, o Somos Portugal. Na RTP1, o Aqui Portugal tem repetições ao sábado à tarde e confronta as privadas, em direto, ao domingo.

podcast, que já está disponível para audição, tem todos os episódios para escuta nas plataformas SpotifyApple PodcastsGoogle PodcastsAnchorBreaker e RadioPublic.

Outros episódios desta semana:

Mais Artigos
Feira do Livro do Porto. Numa feira de livreiros, as grandes editoras ficam em casa