Anna Kendrick: 35 anos e uma carreira com um “ritmo perfeito”

Fotografia: Anna Kendrick/Instagram

Anna Kendrick sopra as velas dos 35 anos este domingo, dia 9 de agosto. Inicialmente conhecida como Jessica Stanley, na saga Twilight, e Beca Mitchell, na saga Um Ritmo Perfeito, a atriz conheceu desde cedo as luzes da ribalta e não as largou até hoje, com papéis que passam pela comédia, musical, thriller e ação.

Nascida em Portland, no Maine, a 9 de agosto de 1985, Anna Kendrick é filha de Janice Cooke, uma técnica de contabilidade, e William Kendrick, um professor de história. A artista estudou na Deering High School, em Portland, antes de entrar no mundo do entretenimento, na Broadway. O papel de Dinah, na peça High Society, tornou-a na segunda mais jovem atriz a ser nomeada para um Tony Awards. A performance rendeu-lhe ainda um Drama League, um Theatre World Awards e nomeações aos Drama Desk Awards e Fany Awards.

Foto: Anna Kendrick | Gage Skidmore/Wikimedia Commons

Anna Kendrick manteve-se na Broadway até 2003, ano em que iniciou a carreira no cinema, com o filme Campo de Férias, de Todd Graff. Depois, participou no telefilme The Mayor (2003), no filme Ciência Espacial (2007) e num episódio da série Viva Laughlin (2007). No entanto, o nome da atriz apenas passou a ser reconhecido pelo público em geral a partir de 2008, ano em que vestiu pela primeira vez a pele de Jessica Stanley, no filme Crepúsculo, da saga Twilight.

Apesar do reconhecimento que a participação na saga de fantasia lhe trouxe, a artista não guarda as melhores recordações das filmagens. Anna Kendrick participou nas audições para se dar a conhecer aos realizadores – para que pensassem nela para outros filmes – mas acabou por ficar com o papel de Jessica.“Fizemos o primeiro filme em Portland, no estado de Oregon, e apenas me lembro de ter sido frio e miserável”, recordou. A atriz acrescentou ainda que chegou a pensar: “Este é um grupo de pessoas realmente fantástico e tenho a certeza que seríamos amigos numa altura diferente, mas quero matar toda a gente”.

Por outro lado, as gravações do primeiro filme da saga Twilight decorreram ao mesmo tempo que as gravações do filme Nas Nuvens (2009). Em entrevista, Kendrick chegou a recordar que George Clooney, ator com quem contracenou na longa-metragem, chegou a brincar com ela por estar sempre a saltar de um set para o outro.

Fotografia: Anna Kendrick/Instagram

Com a sua performance em Nas Nuvens, a atriz venceu o MTV Movie Award de Melhor Revelação e foi nomeada aos Óscares, Globos de Ouro, Screen Actors Guild Awards e British Academy Film Awards, na categoria de Melhor Atriz Secundária. Apesar de se demonstrar contente pelas nomeações, Anna Kendrick revelou-se, em entrevista, “satisfeita por ter acabado”“Estás constantemente a vestir roupas que outra pessoa escolheu para ti, a fazer discursos em vez de expressar sentimentos reais e a entrar em salas cheias de pessoas que não conheces. Eu não me tornei atriz por nada disso, então estes têm sido tempos confusos para mim”, explicou.

Depois de Crepúsculo e Nas Nuvens, a intérprete participou em vários filmes. Destacam-se Lua Nova (2009) e Eclipse (2010) e Amanhecer: Parte 1 (2011), ainda da saga Twilight, Scott Pilgrim Contra o Mundo (2010), O Que Se Espera Enquanto Se Está À Espera (2012) e Fim de Turno (2012).

E é ainda em 2012 que chega o filme que se destaca como o auge da carreira da artista até ao momento: Um Ritmo Perfeito. Na longa-metragem, Kendrick veste a pele de Beca Mitchell, uma estudante fora do comum e rebelde, que se mostra infeliz por ser obrigada a estudar na universidade onde o pai é professor, e que encontra refúgio na música e no grupo Barden Bellas.

Fotografia: Anna Kendrick/Instagram

Após o primeiro filme, vieram Um Ritmo Perfeito 2 (2015) e Um Ritmo Perfeito 3 (2017), com ainda mais um musical pelo meio – Caminhos da Floresta (2014), onde representa Cinderela, e contracenou com celebridades como Meryl Streep, Johnny Depp, Emily Blunt e James Corden. Por esta altura, Anna Kendrick já se tinha tornado famosa por cantar regularmente nos seus papéis, e a própria tinha consciência disso. Numa entrevista, a atriz admitiu: Ocorreu-me que fazer quatro musicais talvez não fosse um grande plano de carreira, mas quando certas oportunidades surgem, simplesmente lançamos as regras pela janela fora”.

A restante filmografia da atriz conta com títulos como Mulheres Procuram-se Para Ir a Casamento (2016), The Accountant – Acerto de Contas (2016),  Mesa 19 (2017), Um Pequeno Favor (2018), Noelle (2019) e The Day Shall Come (2019). No meio de todos estes papéis, a atriz demonstrou-se muitas vezes contente por ter construído a sua carreira de forma lenta e consistente, em vez de ter sido algo que lhe aconteceu da noite para o dia. “Espero que continue lento e constante, para que eu possa respirar fundo e habituar-me”, chegou a revelar em entrevista.

Recorda em revista a carreira da atriz, na galeria abaixo: