CinemaS
Fotografia: Pexels

Salas de cinema registam quebra de 95,6% no número de espetadores em julho

A quebra anunciada pelo Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA) é em relação ao período homólogo de 2019

A pandemia causada pela Covid-19 trouxe o encerramento de várias infraestruturas, incluindo as salas de cinema. Todo o mercado cinematográfico saiu afetado, nesta posição.

Entretanto, reabriram alguns cinemas em junho, com algumas obras repetidas e sem os chamados blockbusters. Agora, em julho, verifica-se uma quebra de 95,6% no número de espetadores. Percentagem essa que se contrapõe ao mesmo período em 2019, sem pandemia.

Segundo o Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), as salas de cinema portuguesas receberam perto de 78 mil espetadores, em julho. A nível das receitas registou-se o valor de 382,4 mil eurox, menos 96,1% das receitas obtidas no mesmo mês em 2019.

No mês de julho, o filme que contou com mais espetadores (9.710) foi Bora Lá, de Dan Scanlon. Em segundo lugar, ficou O Rececionista, de Michael Cristofer (8.850 espetadores).

Spycies – Agentes Especiais, de Guillaume Ivernel e Zhang Zhiyi, ocupou o terceiro lugar com 4.646 espetadores. Já em quarto lugar ficou Sobreviver na Noite, de Matt Eskandari, com 3.616 espectadores.

Menos espetadores, menos receitas para o cinema

Não foi só no mês de julho que se registou a diminuição de público nas salas de cinema portuguesas. O número total de espectadores de 2020 até ao final de julho é de 2,6 milhões – uma redução de 69,2% face ao ano anterior.

Com efeito, a quebra do valor das receitas tem vindo igualmente a diminuir. Até ao momento, a receita total verificou uma quebra de 68,8% face aos primeiros sete meses de 2019.

As estratégias de combate à crise na indústria cinematográfica têm passado pelas plataformas de streaming, onde os resultados têm sido mais positivos do que aqueles registados nos cinemas. Por exemplo, o filme Mulan, da Disney, sofreu vários adiamentos nas salas de cinema até que se decidiu fazer o lançamento oficial no dia 4 de setembro, na plataforma de streaming Disney+ (esta só chega a Portugal a 15 de setembro).

É de salientar que este contraponto entre os resultados das salas de cinema e das plataformas de streaming está associado às medidas de distanciamento social aconselhadas pela Direção-Geral da Saúde que levaram a grande parte dos portugueses a optarem por mais serões em casa.

Mais Artigos
Vento Norte, série de horário nobre da RTP1. Na cena, Almeno Gonçalves.
‘Vento Norte’. Um regresso que abala uma família e o país