Big Brother TVI

Julho. TVI continua a recuperar e RTP1 cai para mínimos históricos

Julho de 2020 ficará na memória como um mês quente de verão, que relançou de forma inesperada a disputa entre SIC e TVI pelas audiências. Entre contratações, quase-contratações e anúncios de contratações mistério, o mês continuou a dar um primeiro lugar isolado à SIC. E, enquanto a TVI sobe pelo quarto mês consecutivo, à boleia do Big Brother, a RTP1 volta a deslizar para um dos piores meses de sempre.

TVI sobe para máximos de maio de 2019…

A estação de Nuno Santos teve motivos para sorrir em julho. Em primeiro lugar, conseguiu recuperar o trunfo Cristina Ferreira, que terminou o seu breve affair com a SIC no passado dia 17 de julho. Em segundo lugar, viu a sua quota mensal subir pelo quarto mês consecutivo. Depois do mínimo anual em março com 13.3%, recuperou para 13.8% em abril, 14.5% em maio, 14.6% em junho e agora 15.5% em julho.

Este desempenho de Queluz representa o seu melhor mês desde maio de 2019, altura em que alcançou 16.4% de share. Se em 2019 esse resultado surgia numa sequência de resultados descendentes – que se prolongariam verão adentro -, no caso de 2020 a tendência é inversa. Numa publicação na sua página de Instagram, Nuno Santos faz notar o papel do Big Brother para esta trajetória, mas sublinha também o crescimento de 15% do Você na TV face a junho.

… e RTP1 desliza para mínimos de agosto de 2018

Já a RTP1, que se viu genericamente de fora das últimas investidas do mercado de transferências, bateu mínimo do ano em julho, com 11.0%. Ao contrário da TVI, o primeiro canal tem sofrido descidas em quase todos os meses do ano: arrancou com 13.4% em janeiro, 13.1% em fevereiro, 12.1% em março, 11.5% em abril, 11.1% em maio, 11.2% em junho e agora os 11.0% de julho.

Esta quota de mercado é não só o pior valor da estação desde agosto de 2018, como também um dos piores de sempre. O melhor dia da RTP1 foi o dia 30 (quinta-feira), em que atingiu apenas 12.7% de share diário. O seu pior dia foi no dia 5 (domingo), em que bateu no fundo, com 8.6%, mas o desempenho do primeiro canal foi negativo em todos os domingos do mês, sempre com quotas de mercado abaixo dos 10%.

Imperturbável, SIC alcança quarto mês consecutivo acima dos 20%

Num mês que provocou um turbilhão de emoções e incertezas em Paço de Arcos, as contas do mês correram business as usual. O canal permaneceu isolado na liderança e repetiu a mesma quota de mercado alcançada em junho: 20.5%. É o quarto mês consecutivo em que Daniel Oliveira consegue atingir uma média mensal acima de 20%.

Depois de em junho a TVI ter conseguido alcançar a liderança diária no dia 7 (domingo), interrompendo a sequência de 133 dias consecutivos com a SIC na liderança diária, a estação levantou trincheiras aos domingos e impediu que Queluz voltasse a roubar o primeiro lugar. Assim, Paço de Arcos voltou a limpar o mês inteiro, somando agora 54 dias de liderança consecutiva.

Nas contas de 2020, a SIC venceu 209 dos primeiros 213 dias do ano e está isolada na liderança com 20.3% de share. Segue-se a TVI com 14.2% e a RTP1 com 11.9%.

Mais Artigos
Opinião. Os melhores momentos de Soraia, vencedora do ‘Big Brother’ 2020