david bruno
Raiashopping, de David Bruno | Fonte: Divulgação

À Escuta. David Bruno, Noiserv e parceria entre Carolina Deslandes e Jimmy P entre os destaques

Novo disco de David Bruno é uma das novidades mais esperadas da semana.

A última semana foi agitada para a música portuguesa, com a cerimónia dos Prémios PLAY, mas novidades não se cingem às premiações. A verdade é que os lançamentos não param de chegar: a notícia mais fresca é a da edição do novo disco de David Bruno, Raiashopping, que nos foi dado a conhecer na manhã deste sábado (1).

Entre os destaques estão, ainda, o novo tema de Noiserv, a colaboração entre Carolina Deslandes Jimmy P, a harmonia entre SurmaRussa Luar e o novo projeto de covers dos anos 1980, encabeçado por Catarina Falcão, Carolina Torres e Filipe Gonçalves.

noiserv
Noiserv em estúdio | Fotografia: Vera Marmelo

David Bruno edita novo vídeo-álbum, Raiashopping

‘Festa de Espuma’ marcou a antevisão do tão esperado novo disco de David Bruno, mas já em maio, a meio da pandemia, o artista português “que ama o seu país e a sua cultura, com todas as virtudes e imperfeições” seduzia-nos com a promessa de um “material novo e mais Portugalidade do que nunca” via Facebook. A mesma publicação indiciava que Raiashopping seria uma indagação pelo Portugal do interior, ao referir o vinho palhete da Mêda, cidade vizinha da terra que tantas gerações de antepassados meus viu nascer” e onde agora regressa: Figueira de Castelo Rodrigo.

A Beira Alta e a Raia (região fronteiriça entre Portugal e Espanha) são as zonas exploradas nesta incursão que David Bruno faz ao longo de onze faixas numa meditação bucólico-kitsch onde nos é restituído o prazer do café com cheirinho, da mini gelada e das histórias contadas pelos avós à beira da lareira. À semelhança dos dois últimos discos, O Último Tango em Mafamude Miramar ConfidencialRaiashopping é um vídeo-álbum com a estética low-budget a que David Bruno já nos tem habituado.

Noiserv: mais um tema de avanço do disco a sair em setembro

Desde dezembro de 2019 que Noiserv (nome artístico de David Santos) tem vindo a apresentar o seu mais recente projeto, ainda sem título conhecido. Música a música, o artista tem vindo a colaborar com a Casota Collective, responsável pelos mirabolantes telediscos que acompanham as suas produções, agora germinadas em português.

Desta feita, o músico apresenta ‘Mas’, apresentada pelo mesmo como “o que somos, o que gostamos de ser, quando na verdade tudo o que nos rodeia aperta a respiração e não deixa “o sono adormecer”.”.

Carolina Deslandes e Jimmy P: cinco canções fazem um Mercúrio

Carolina Deslandes e Jimmy P, dois dos mais reconhecidos artistas musicais em Portugal, juntam-se para criar Mercúrio, um EP de cinco faixas. O duo, que continua a singrar as ondas da rádio com ‘Contigo‘, o single que lançaram juntos em 2019, espera ansiosamente a possibilidade de apresentar ao vivo esta obra que forjaram juntos. A experiência do confinamento, as experiências distintas enquanto pais, a necessidade de criar e a paixão pelos astros foram alguns dos temas que juntaram os dois amigos de longa data neste projeto.

Mercúrio é a representação do equilíbrio no que diz respeito à polaridade (masculino/ feminino), um pouco como acontece neste projeto. É o equilíbrio entre dois artistas com linguagens muito distintas, mas que encontram em Mercúrio um lugar e um espaço de confluência onde o seus imaginários se fundem numa mesma identidade.”, explicou Jimmy P no comunicado enviado à imprensa.

‘SKRAPE’, a canção que junta Surma, Russa e Luar 

“Assim que entrei em estúdio com a Russa e o Luar foi como se nos conhecêssemos há imenso tempo, criámos logo uma ligação muito única e uma química estrondosa em estúdio. Amei trabalhar e experienciar um dia perfeito com estas almas tão bonitas a meu lado“, conta Surma no comunicado oficial à imprensa. O trio formado pela rapper algarvia Russa e o produtor Luar, que já colaborou com Surma em trabalhos passados, demonstra uma forte componente eletrónica. O rap assertivo de Russa é complementado pela atmosfera única de Surma, que submerge ’SKRAPE’ numa aura etérea.

Qualquer Coisa‘, o novo single dos bilingues Time For T

Tiago SagaJoshua TaylorFelipe Bastos Juan Toran formam Time For T, a banda além-fronteiras sediada (no momento) em Portugal. Em ‘Qualquer Coisa‘, o quarteto leva-nos por uma expedição indie-folk tranquila, uma deliciosa antecipação ao EP Simple Songs for Complicated TimesA ideia inicial, que surgiu numa caravana em Lagos, a meio da pandemia, era gravar um disco completamente nu, a baloiçar entre a voz e a guitarra. No entanto, o grupo acabou por colaborar à distância entre Geneva, Lisboa, Madrid e Porto, contando com a participação de artistas como Andrew Stuart-Buttle para os arranjos mais requintados, como é o caso de ‘Qualquer Coisa

08/80, quando quatro fanáticos dos anos 1980 se encontram

08/80 é o novo projeto de Catarina Falcão (Monday), Carolina Torres, Filipe Gonçalves, Sérgio Nascimento e Nuno Simões. Os três músicos e dois produtores, fãs dos anos 1980, juntaram-se com um objetivo: repensar as canções da década mais colorida da história como se tivessem sido gravadas nos dias de hoje. A primeira canção a ser (re)gravada foi I’m Gonna Be (500 Miles)’, da dupla escocesa The Proclaimers. O tema voltou à superfície em 1993 com o filme Benny And Joon e recebe nova vida pelas vozes e instrumentos de Catarina, Carolina e Filipe.

Novo single de The Fekks, banda residente da Escola do Rock de Paredes de Coura

Mountain of Mine‘ é o novo single de The Fekks, uma das bandas residentes da Escola do Rock de Paredes de Coura. O quinteto de Carcavelos ingressou nesta aventura com a perspectiva de experimentar um “processo mais impulsivo, sem pensar demasiado nos detalhes” e assim surgiu o tema, produzido no Programa das Bandas Residentes da Escola do Rock 2019, por Manuel dos Reis.

A Escola do Rock é uma iniciativa da Câmara Municipal de Paredes de Coura, terra do mítico festival, cujo objetivo é estreitar os laços entre a vila e o rock’n’roll. O programa consiste em residências e campos de férias preenchidos por diversas formações e atividades musicais num curto período (dois a sete dias), e decorre desde 2014.

 “Um LP de 14 músicas com o título Fazer Ronrom.”

No início de 2020, a editora musical FlorCaveira anunciou o seu regresso com a celebração dos 20 anos de existência. Até agora, os lançamentos tinham sido apenas canções isoladas, mas no dia 29 de julho, eis que surge uma novidade: o primeiro Long Play editado pela FlorCaveira é um trabalho conjunto por duas bandas sob alçada da editora chamado Fazer Ronrom. Os Novos Americanos são O Martim, Lipe (Pontos Negros) João Eleutério e Gonçalo Gonzaga e os últimos dois membros também constam na formação d’Os Punhais, que conta ainda com Tiago Cavaco (Guillul) e Angie Silva, realizador cinematográfico que “dá uma perninha” nos telediscos das bandas.

The Miami Flu, quatro anos depois

Há quatro anos que os The Miami Flu, o trio de Vale do Cambra, não dava notícias. Em maio lançaram o primeiro single, ‘New Season‘, do novo projeto editado em junho e vieram reforçar com ‘Freak of Nature‘, editado na última semana, que não perderam a prática. Pedro LedoLuís Matos Tiago Sales pretendem “com este disco uma coisa super hi-fi, hiper realista e polida” e, assim, contrastar a vibe lo-fi do disco anterior.

Lisboa‘ é o mais recente single de Agnes

Apesar de não ser portuguesa, esta canção merece lugar na lista pela homenagem à capital. Uma das maiores paixões da cantora baiana Agnes Nunes é viajar e, exatamente por isso, decidiu montar um EP, Romaria, inspirado em cidades por onde já passou ou aquelas que mal pode esperar para conhecer. ‘Lisboa‘ coloca a cidade num patamar celestial, com a voz delicada da artista a deslizar sobre uma batida lo-fi.  A cantora conta que ficou “encantada por Lisboa. Tem esse clima meio ‘romance adolescente’ e me encaixei bem com a atmosfera da cidade.”

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Hiroshima e Nagasaki: 75 anos depois do “inferno na Terra”