Ministério da Cultura Graça Fonseca
A Ministra da Cultura, Graça Fonseca. Foto: Portugal gov

Profissionais da Cultura insurgem-se contra Graça Fonseca

Albano Jerónimo, Olga Roriz e Tó Trips mostraram insatisfação pela atuação da governante e do ministério que lidera no contexto da pandemia

A forma como a ministra da Cultura, Graça Fonseca, recusou responder, recentemente, a uma pergunta sobre a entrega solidária de bens alimentares a cerca de 160 trabalhadores do setor em dificuldades, iniciativa da União Audiovisual, despoletou, nesta quinta-feira (30), novas críticas à gestão feita pela governante.

“Só falo de arte contemporânea. Portanto… muito obrigado e vamos beber o drink de fim de tarde”, disse a responsável, à margem de uma apresentação de obras de arte contemporânea adquiridas pelo Estado, na segunda-feira (27).

Em declarações à SIC, a coreógrafa Olga Roriz considerou que a ministra, com “postura estranha, de professora primária”, não compreende o atual nível de precariedade e a situação financeira dos profissionais e das entidades das Artes e Cultura, salientando que estes devem “ser bem representados”.

“Neste momento, tínhamos que ter alguém muito forte, mulher ou não, que estivesse realmente do nosso lado e percebesse o que se está a passar. Isso não acontece”, afirmou a profissional.

A atividade cultural foi assolada pelo surgimento novo coronavírus, que obrigou à interrupção, adiamento e cancelamento de espetáculos, de produções e de digressões de artistas por todo o país – a retoma tem sido lenta e limitada e reclamam-se mais e maiores apoios financeiros.

“Não tem só a ver com o limite de não ter dinheiro para comer. Tem a ver com a casa, como se paga isto, como é que vou continuar, que futuro… Podes ter dinheiro para estes meses mas não terás para os meses a seguir”, desabafou Olga Roriz, preocupada com a própria sustentabilidade dada a escassez de trabalho.

Também à SIC, o ator Albano Jerónimo dirigiu, “com conhecimento de causa”, uma interpelação, como que em apelo, a Graça Fonseca. “Pergunto se a própria ministra se revê naquilo que está a acontecer, se percebe aquilo que está a acontecer”, exprimiu.

Albano Jerónimo lamentou o não acesso “de forma gratuita” a testes de despistagem da Covid-19 para trabalhar em segurança, o que se tornou uma despesa extra. “É uma medida tão simples que iria colmatar, sem dúvida, os escassos orçamentos para realização de um filme em Portugal”, explicou.

Visivelmente agastado com o papel da tutela, o músico António Manuel Antunes, conhecido por Tó Trips, dos Dead Combo, foi mais incisivo nas críticas ao ministério liderado por Graça Fonseca.

“Este Ministério da Cultura é uma fachada, não existe. Há décadas que o pessoal anda a pedir a miséria de 1% para a Cultura. Enquanto não houver dinheiro, não existe. Em vez de se chamar Ministério da Cultura, deviam chamar-lhe outra coisa qualquer. Uma rulote de bifanas, uma chafarica”, apontou Tó Trips, na reportagem da SIC.

O artista e empresário de 54 anos já havia exposto no Facebook: “mais uma nega a um pedido de apoio, desta vez da própria Segurança Social que, sem qualquer explicação, me recusou o pedido de lay-off”, pode ler-se na publicação, feita a 23 de maio.

Eu, António Antunes, mais conhecido por Tó Trips, músico (Dead Combo, Club Makumba, Timespine, Ladrões do Tempo, Lulu…

Publicado por Antonio Manuel Antunes em Quinta-feira, 23 de abril de 2020

No campo político, a Juventude Popular (JP), estrutura que representa os jovens do CDS-PP, defendeu, na quinta-feira (30), que a ministra da Cultura, Graça Fonseca, não tem “noção da realidade” e “demonstra a incapacidade para o lugar”. Francisco Mota, presidente interino da associação, vincou que o setor da cultura e dos eventos “estão a passar por uma crise nunca antes vivida”.

Medidas de ajuda

Não obstante às críticas, na passada quarta-feira (29), a ministra da Cultura, Graça Fonseca, apresentou aos representantes do setor o estabelecimento de “três linhas de apoio social extraordinário”, que serão abertas no próximo dia 3 de agosto.

Prevista no Orçamento Suplementar, a medida de ajuda financeira consiste na distribuição de, no máximo, 34,3 milhões de euros a trabalhadores das artes (artistas, técnicos e outros), três milhões a entidades artísticas e 750 mil euros à adaptação de espaços culturais.

Graça Fonseca admitiu que o número de beneficiários da “linha de apoio social”, com a atribuição de 1316,4€ (pagos em duas prestações em agosto e setembro), pode ultrapassar as 18 mil pessoas.

A ministra da Cultura reiterou, perante os jornalistas, o apoio extraordinário disponível de 70 milhões de euros, mas, confrontada, não quis antecipar cenários de eventuais novas suspensões da atividade cultural devido à Covid-19.

De acordo com a tutela, a Linha de Apoio de Emergência às Artes (de 1,7 milhões de euros), criada em março, recebeu 1025 candidaturas, das quais 636 foram aceites. Destas, 311 receberam ajuda.

A 23 de maio, o primeiro-ministro António Costa anunciara a criação de um fundo de apoio para a programação cultural de verão, “um programa de financiamento de 30 milhões de euros aos municípios para poderem organizar um conjunto de atividades que permitam a um dos setores mais duramente atingidos por esta crise encontrar um espaço de reanimação”.

Mais Artigos
Sarah Paulson em Ratched
‘Ratched’. Prequela reimaginada de ‘Voando Sobre Um Ninho de Cucos’ ganha trailer