J. K. Rowling
Fotografia: D.R.

J.K. Rowling. Os sucessos e deceções da escritora de ‘Harry Potter’

A autora da saga infantil mais famosa de sempre completa 55 anos, numa data que partilha com o seu personagem

J.K. Rowling, escritora conhecida pela saga de livros Harry Potter, celebra esta sexta-feira, 31 de julho, 55 anos – data que partilha com a personagem da sua criação. Para comemorar a data, o Espalha-Factos relembra a vida da escritora, numa viagem pelos momentos altos e baixos da carreira.

Nascida em Yate, na Inglaterra, Joanne Rowling cresceu com os pais, Peter e Anne, e com a irmã mais nova, Dianne. Rodeada de livros desde pequena, devido ao gosto dos pais pela leitura, Rowling percebeu que queria ser escritora, tendo redigido, com apenas seis anos, o seu primeiro livro de ficção, intitulado A História de Um Coelho Chamado Coelho.

Apesar disso, a escritora afirma que a infância não foi feliz, já que o ambiente em casa era complicado. J.K. Rowling não tinha uma boa relação com o pai e, para piorar a situação, a mãe sofria de esclerose múltipla.

Em 1982, Rowling ingressou na Universidade de Exeter, onde estudou Línguas Clássicas e Literatura Francesa, tendo ainda passado um ano em França a fazer um curso especializado. Quando voltou para Inglaterra, começou a trabalhar como pesquisadora da Amnistia Internacional, em Londres.

Mais tarde, em 1990, durante uma viagem de Manchester para Londres, surgiu a história de um jovem que estudava magia – Harry Potter. “Harry Potter simplesmente entrou na minha cabeça inteiramente formado”, explicou a autora dos livros em diversas entrevistas.

A chegada a Portugal e o início da saga mais famosa de sempre

Em 1991, J.K. Rowling veio morar para Portugal. Depois da morte da mãe, veio para o Porto para fugir dos problemas em Manchester, cidade onde cresceu. A oportunidade para seguir um novo caminho surgiu depois de ver um anúncio no jornal The Guardian, onde a escola de línguas Encounter English procurava professores para ensinar inglês a crianças da cidade.

Mesmo tendo chegado para dar aulas, não parou de escrever. Depois de 18 meses em Portugal, a escritora conheceu o jornalista Jorge Arantes, com quem se casou, em outubro de 1992, e com quem teve a sua primeira filha.

Joanne com o ex-marido e a primeira filha ainda em Portugal | Fotografia: D.R.

Contudo, o casamento entre os dois foi atribulado e durou pouco tempo; o casal separou-se em novembro de 1993. Em dezembro do mesmo ano, Rowling e a sua filha mudaram-se para Edimburgo, na Escócia. Nessa altura, a escritora, mãe solteira e sem trabalho, viu-se obrigada a recorrer à ajuda social.

Em 1996, estava terminado o primeiro livro da saga, intitulado Harry Potter e a Pedra Filosofal. O livro foi, no entanto, publicado apenas em 1997 pela Bloomsbury, depois de ter sido recusado por diversas editoras.

Uma vez que a Bloomsbury temia que as pessoas não se interessassem por um livro escrito por uma mulher, os editores pediram a Rowling que utilizasse apenas duas iniciais e o seu último nome. Como não tinha nome do meio, e de forma a homenagear a avó Kathleen, escolheu a letra K como a segunda inicial do seu pseudónimo.

Numa reviravolta inesperada na vida da autora, Harry Potter e a Pedra Filosofal foi um best-seller mundial e J.K. Rowling continuou a escrever os outros volumes da série, que venderam milhares de cópias. O sucesso do livro fez ainda com que ganhasse o prémio de Livro Infantil do Ano, concedido pelo British Book Awards, entre várias outras distinções literárias.

Capa da primeira edição britânica de ‘Harry Potter e a Pedra Filosofal’ | Fotografia: Hansons/D.R.

O sucesso astronómico de Harry Potter

Rowling tornou-se uma sensação literária depois de os três primeiros livros da saga (A Câmara dos Segredos e o Prisioneiro de Azkaban, respetivamente) ficarem nas primeiras três posições da lista de best-sellers do The New York Times. A escritora chegou ao auge em 2000, quando o quarto volume, O Cálice de Fogo, se tornou o livro a ser vendido mais rapidamente da história. Os três livros geraram um lucro de 78 milhões de euros, o que tornou J.K. Rowling numa das mulheres mais ricas do Reino Unido.

Em 2001, a Pedra Filosofal chega aos cinemas. O filme, realizado por Chris Columbus, estreou em mais de oito mil salas nos Estados Unidos e conseguiu conquistar ainda mais fãs em todo mundo.

J.K. Rowling escreveu ainda Harry Potter e a Ordem da Fénix, em 2003, O Príncipe Misterioso, em 2005, e Os Talismãs da Morte, em 2007. Em 2012, a escritora tinha já vendido 450 milhões de livros, traduzidos em 73 idiomas.

Além disso, todos os livros foram adaptados a filmes, protagonizados por Daniel Radcliffe, Emma Watson e Rupert Grint. Columbus realizou os dois primeiros; já o terceiro foi realizado por Alfonso Cuarón, o quarto por Mike Newell e os quatro últimos por David Yates. Foram publicados sete livros, mas foram realizados oito filmes, uma vez que o último foi dividido em duas partes.

Harry Potter
A saga ‘Harry Potter’ foi também um sucesso sem precedentes no mundo do cinema | Fotografia: Reprodução/D.R

Apesar de a saga Harry Potter ter chegado ao fim, J.K. Rowling continuou a escrever outras obras, muitas delas relacionadas com a história original. Entre elas encontram-se Monstros Fantásticos e Onde Encontrá-los, também adaptado ao cinema, outros livros relacionados com o universo de Harry Potter ou Uma Morte Súbita, o primeiro livro da autora considerado “para adultos”.

A escritora criou ainda um novo pseudónimo, Robert Galbraith, nome com o qual publicou Quando o Cuco Chama, O Bicho-da-Seda, Vocação Para o Mal e Branco Letal.

jk-rowling-author-photo-harry-potter-and-the-deathly-hallows-book-cover-photo
J.K. Rowling no lançamento do último volume da saga ‘Harry Potter’, em 2007 | Fotografia: D.R.

O declínio da popularidade e os comentários polémicos

Considerada uma referência para os fãs da saga Harry Potter durante décadas, nos últimos anos o caso mudou relativamente de figura. Um dos principais motores do declínio de popularidade da autora são as suas divagações inesperadas sobre personagens da série, bem como – e principalmente – comentários nas redes sociais acerca de temáticas delicadas.

Em 2020, J.K. Rowling, uma utilizadora ativa do Twitter, escreveu sobre o seu posicionamento face a alguns assuntos polémicos. A escritora esteve no centro de um debate em que foi acusada de transfobia e que envolveu não só os seus fãs, como atores de Harry Potter.

Lê também: Harry Potter. A diversidade na saga e as polémicas geradas por J. K. Rowling

Várias pessoas tentaram esclarecer Rowling quanto às noções de sexo e género, contudo a escritora nunca chegou a emitir um pedido de desculpas à comunidade LGBTQ+. Desde então, a escritora tem sido largamente criticada, o que levou inúmeros fãs a rejeitar a escritora e o seu trabalho. Depois de ter sido criticada e ameaçada por pessoas de todo o mundo, Rowling viu-se obrigada a sair das redes sociais.

Posteriormente, tentou explicar-se no seu blog, mas o texto foi ainda mais polémico que os tweets originais. A escritora afirmou que parte do ativismo transgénero tem como objetivo apagar o conceito de sexo em prol do conceito de género, uma ideia que é já considerada datada em termos científicos. Além disso, a escritora não considera correta a ideia de que as pessoas possam, na realidade, mudar o sexo com que nasceram, comentários que foram também criticados, uma vez que sugerem que pessoas trans perderiam a sua identidade perante essas considerações.

Apesar dos comentários problemáticos, que não podem ser apagados e continuam em causa, J.K. Rowling está envolvida em vários projetos de solidariedade relacionados a outras causas, sendo presidente da instituição de caridade Gingerbread e fundadora da organização não governamental Lumos, que pretende promover a institucionalização de crianças.

Em 2005, Rowling e a eurodeputada Emma Nicholson fundaram também a Children’s High Level Group, uma instituição que procura o bem-estar infantil. J.K. Rowling contribui ainda financeiramente e apoia pesquisas e tratamentos para a esclerose múltipla, doença que causou a morte da sua mãe. Este ano, tendo em conta o cenário atual, decidiu doar 1 milhão de libras, quase 900 mil euros, a instituições de apoio aos sem-abrigo e às vítimas de violência doméstica durante a pandemia.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Pedro Teixeira Mental Samurai
Pedro Teixeira desvaloriza audiências e pede união entre atores