John David Washington em Tenet, o novo filme de Christopher Nolan
Reprodução/D.R

‘Tenet’ poderá ainda estrear na Europa durante o verão

O filme poderá estrear primeiro na Europa e só depois, mais tarde, nos Estados Unidos

Depois de ter adiado a estreia de Tenet, o novo épico de espionagem de Christopher Nolan, sem data prevista para esta ocorrer, a Warner Bros. está a contactar as cadeias de distribuição internacionais sobre a possibilidade de lançar o filme no fim do mês de agosto, segundo a Variety. Assim, poderá existir algum tipo de salvação para um dos filmes mais esperados do verão.

Os distribuidores do Reino Unido, França e Espanha foram avisados pelo estúdio de que deverão planear a estreia de Tenet entre os dias 26 e 28 de agosto. As datas estão ainda por confirmar, mas a Variety relata que há fontes que referem o facto de as negociações estarem bem encaminhadas. Sabe-se igualmente que a Warner Bros. pretende lançar Tenet mais cedo também na Ásia, sendo que os distribuidores da região esperam receber uma nova data de lançamento nos próximos dias.

É importante salientar que, dado o turbilhão de eventos provocados pela crise global de saúde que se instalou devido à Covid-19, estes planos são sempre provisórios, podendo mudar a qualquer altura, se a situação piorar ou aparecerem novos picos de infecção.

A razão para a súbita mudança de planos da Warner Bros. 

Um exibidor contactado pela Warner Bros., que se manteve no anonimato, contou à Variety que o estúdio decidiu agora lançar Tenet no mercado internacional, antes de o estrear nos Estados Unidos, devido ao sucesso que a China teve com a reabertura dos seus cinemas na semana passada.

O filme Peninsula, uma sequela de Train to Busan, do realizador Sang-ho Yeon, conseguiu um saldo bastante positivo junto das bilheteiras para a situação atual, tendo arrecadado mais de 17 milhões de euros na sua estreia, divididos por quatro mercados de distribuição. Este foi um sinal que fez a Warner Bros. repensar a sua política de lançamento em relação a Tenet.

Os planos da Warner Bros. para lançar Tenet mais cedo na Europa, particularmente em Espanha, que pode ainda sofrer uma segunda vaga de pandemia, poderão seguir o raciocínio dos estúdios da Sony Pictures, que alterou o lançamento local da comédia espanhola Father There is Only One 2. O filme é visto como sendo aquele que tem maior potencial de se tornar num blockbuster em Espanha este ano, sendo que estava antes previsto ser lançado a 7 de agosto, e vai ser agora exibido no grande ecrã a 29 de julho.

O entendimento é de que esta sequela espanhola conseguirá uma maior estadia junto das bilheteiras se for lançada mais cedo, prevenindo assim o caso de terem de ser fechadas mais salas de cinema em Espanha.

Recorde-se que a Warner Bros. removeu Tenet do seu calendário de estreias esta segunda-feira (20), mas prometeu que iria definir uma nova data de lançamento muito brevemente. Este adiamento, que foi o terceiro no historial de Tenet, foi um duro golpe para os distribuidores internacionais, que estão a basear os seus planos de recuperação financeira à volta dos lançamentos de blockbusters americanos.

A situação conturbada dos cinemas a nível global

Originalmente, Tenet iria estrear a 17 de julho, mas foi adiado para 31 de julho e, posteriormente, para 12 de agosto, até não ter data definida de estreia. A mais recente mudança deveu-se a um novo aumento nos casos de Covid-19 em mercados americanos muito influentes do ponto de vista financeiro para as bilheteiras, como é o caso dos estados da Florida e do Texas. A Disney, de forma semelhante, adiou indefinidamente, esta quarta-feira (22), a estreia de Mulan, que estava previsto chegar às salas de cinema a 21 de agosto. Este foi o quarto adiamento do filme.

Quando adiou o lançamento de Tenet na segunda-feira, a Warner Bros. deu a entender que poderia descartar um lançamento tradicional do filme, em que este estreasse ao mesmo tempo nos Estados Unidos e nos mercados internacionais, como a Europa. “Não estamos a tratar Tenet como um lançamento global tradicional e os nossos futuros planos de marketing e distribuição vão reflectir isso mesmo”, disse Toby Emmerich, o CEO da Warner Bros., em comunicado.

O lado negativo de se abandonar a estratégia tradicional de lançamento é que, para filmes como Tenet, que precisam de ser mantidos em segredo para não estragar a surpresa do público, dada a sua narrativa cheia de reviravoltas, típicas em Nolan, estreando mais cedo nos mercados internacionais, há mais facilidade em existir casos de pirataria, estragando algumas das surpresas que o filme possa ter guardado no seu enredo.

Todas estas mudanças à volta do lançamento de Tenet têm provocado frustração junto dos distribuidores internacionais que, apesar de sentirem simpatia pela difícil situação que alguns dos estados americanos estão atualmente a passar, precisam urgentemente de novos produtos cinematográficos para manterem os níveis de venda a um valor satisfatório.

“Se os distribuidores internacionais não tiverem filmes novos para exibir nos próximos meses, vão acabar por ir à falência. Para a maior parte, se não todos os filmes dos grandes estúdios, entre 70% a 80% da receita de bilheteira provém de territórios fora dos Estados Unidos, e parece que isso está a ser esquecido.”, contou um funcionário de uma distribuidora internacional à Variety.

Jocelyn Bouyssy, diretor da CGR Cinemas, a segunda maior cadeia de distribuição cinematográfica em França disse, há relativamente pouco tempo, que seria “catastrófico” se tanto Tenet como Mulan fossem ambos adiados novamente mais para a frente no tempo. A verdade é que ambos os cenários se concretizaram, o que demonstra a situação preocupante que a indústria do cinema atravessa.

“Temos tentado manter-nos firmes contra todas as probabilidades porque não queremos que as pessoas se esqueçam de nós, mas não sabemos quanto tempo mais conseguimos aguentar esta situação”, lamentou.

Mais Artigos
Opto SIC Globoplay
OPTO e Globoplay: semelhanças e diferenças na guerra dos streamings