Cory Monteith
Fotografia: Reprodução

Cory Monteith: o eterno quarterback lutador

Cory Monteith, para sempre relembrado pelo papel de Finn Hudson, em Glee, perdeu a vida há sete anos, a 13 de julho de 2013. O ator de 31 anos foi encontrado sem vida num quarto de hotel em Vancouver, no Canadá.

Cory Allan Michael Monteith nasceu em Calgary, Canadá, no dia 11 de maio de 1982. Com apenas sete anos, assistiu de perto ao divórcio dos pais, e, graças a isso, acabou por crescer em Victoria, no Canadá, com o irmão mais velho e a mãe. A sua infância e adolescência ficaram fortemente marcadas pelo divórcio dos pais e pelo consequente afastamento do próprio pai. Aos 16 anos, Cory desistiu oficialmente da sua educação, e começou a mostrar sinais de que se estava a perder num mundo repleto de vícios. Aos 19 anos, e perante a gravidade da situação, a família de Cory viu-se forçada a interferir e a colocá-lo num centro de reabilitação. Apesar do esforço da família, o ator, após sair da instituição, regressou aos velhos hábitos.

Desde muito novo que Cory era apaixonado por música, mais especificamente pela bateria. Antes de apostar no mundo da representação, Cory teve diferentes trabalhos, desde pedreiro a taxista.

Um novo rumo enquanto ator

cory_monteith_ryan_murphy_matthew_morrison_-_h_-_2010_
Cory Monteith com Ryan Murphy e Matthew Morrison

Aos 20 anos, Monteith mudou-se para a ilha de Vancouver e foi lá que conheceu um professor de teatro que o ajudou a encontrar um rumo para a sua vida. Em entrevista à People, em 2010, Cory confessou que, depois de ler um guião, o professor lhe garantiu que o jovem “podia ter uma carreira” a fazer aquilo. Depois disto, foi uma questão de tempo até Cory começar a trabalhar em televisão.

Começou por conseguir fazer parte do elenco de algumas séries televisivas como Smallville, Supernatural, Flash Gordon e Stargate Atlantis. Em 2005 conseguiu o seu primeiro papel como personagem principal de um filme, Killer Bash. No pequeno ecrã, destacou-se ainda em filmes como Deck the Halls, Bloody Mary, e fez parte do elenco de Final Destination 3, realizado por James Wong.

Em 2009, a vida de Cory Monteith mudou completamente: o jovem ator passou a ser uma das personagens principais da série Glee. Inicialmente, Cory decidiu enviar um vídeo seu enquanto tentava tocar bateria, uma das suas maiores paixões, com um conjunto de tupperwares. Ryan Murphy, o criador de Glee, impressionado com aquilo que viu, pediu a Cory que enviasse um vídeo seu a cantar, e foi assim que conseguiu o papel de Finn Hudson.

Cory Monteith e Matthew Morrison em Glee
Cory Monteith e Matthew Morrison em Glee (DR)

13 de julho de 2013

Após quatro anos na pele de Finn Hudson, o protagonista masculino de Glee, o ator foi  encontrado sem vida num quarto de hotel em Vancouver. Nessa tarde, o ator tinha falhado o horário de check-out e, por isso, alguns funcionários foram até ao quarto, onde acabaram por encontrar o corpo de Cory. Na altura, as autoridades descartaram imediatamente a possibilidade de ter ocorrido um crime. Apesar de, na sexta-feira à noite, o quarto de Cory ter sido o ponto de encontro de várias pessoas, o ator foi visto sozinho a entrar no seu quarto no sábado de manhã, momentos antes da sua morte.

Alguns dias depois foi revelada a autópsia feita a Cory Monteith. O resultado? Uma mistura letal de álcool e heroína. Três meses antes da sua morte, Cory tinha tomado a decisão de lutar contra o vício que tinha, entrando, voluntariamente, num centro de reabilitação.

Em 2018, a mãe de Cory Monteith, Ann McGregor, em entrevista à People, fez algumas revelações sobre a morte do filho. Ann realçou que Cory “estava pronto para sair de Hollywood” e que o filho “não queria morrer”. Ainda revelou que soube da notícia através de Lea Michelle, namorada de Cory e também uma das personagens principais de Glee. “Ela gritava: ‘É verdade, é verdade sobre o Cory?’ e eu disse: ‘O Cory?’ Eu não sabia de nada. Depois, a polícia bateu na minha porta da frente.”, disse.

Cory Monteith com a mãe, Ann McGrego
Cory Monteith com a mãe, Ann McGregor (DR)

A “cola” da série Glee

Ryan Murphy, criador de Glee, fez questão de continuar com a série mesmo depois da morte de uma das suas personagens principais. Em entrevista à Deadline, em 2013, Murphy reforçou que era importante voltar ao trabalho para que todos pudessem chorar a morte de Cory. “Eles queriam voltar ao set, onde há uma sensação de segurança, e onde podem sofrer juntos e falar sobre ele. Quando isso acontecer, vamos ter conselheiros de luto.”, revelou. Murphy ainda falou sobre a sua relação com Cory, reforçando que o via como “um filho mais velho”.

O terceiro episódio da quinta temporada de Glee, “The Quarterback”, foi dedicado a Cory Monteith, ou, como os milhões de fãs o conheciam, Finn Hudson. A razão da sua morte nunca foi revelada ao longo do episódio e ainda ouvimos Kurt (Chris Colfer) a afirmar que não “importa a forma como morreu, o que interessa é a forma como ele viveu, isso é o que devemos recordar”. O começo do episódio foi forte: todas as personagens de Glee se juntaram enquanto cantavam Seasons Of Love’, em homenagem a Cory Monteith.

The Quarterback episódio de homenagem a Cory Monteith em Glee
Homenagem a Cory Monteith em Glee (DR)

Algumas das personagens principais tiveram um momento para recordar Cory, mas o momento de ouro ficou guardado para Lea Michele. A atriz interpretou ‘Make You Feel My Love’, de Bob Dylan, uma música escolhida por Lea devido ao significado que já tinha para o casal na vida real.

Um ator que não foi esquecido

A morte de Cory Monteith foi repentina. Estávamos perante um ator, ainda jovem, que, após muitos anos sem um rumo certo, começava a vingar no mundo da televisão, e de que maneira. Estávamos perante um homem que lidou com uma vida de vícios desde muito cedo, mas que, e mais importante que isso, não se deixou ficar e lutou para que o final fosse outro. Passados sete anos, ainda ninguém se esqueceu de Cory Monteith, para sempre relembrado como Finn Hudson.

Mais Artigos
Bem-vindos a África
Francês ‘Bem-vindos a África’ lidera na melhor semana dos cinemas desde a quarentena