l43-brad-pitt-121219124137_big

Brad Pitt vai ser um dos assassinos de ‘Bullet Train’

Brad Pitt vai ser o novo protagonista do novo filme da Sony Pictures. Depois de um 2019 bem-sucedido, com o Óscar ganho devido à sua performance em Era Uma Vez… em Hollywood e o protagonismo em Ad Astra, o ator norte-americano vai ser um dos protagonistas da longa-metragem Bullet Train.

Bullet Train vai ser uma adaptação do livro Maria Beetle

Segundo Hollywood Reporter, a longa-metragem vai ser uma adaptação do romance japonês Maria Beetle, best-seller da autoria de Kotaro Isaka.

Sabemos que o romance se centra em cinco assassinos que se juntam num comboio rápido que vai de Tóquio a Morioka. À medida que a viagem se desenrola, estes vão percebendo que para além de terem missões distintas, estas entram em conflito. Este conflito de interesses é o mote do filme, já que ninguém sabe quem chegará a Tóquio e quem ficará pelo caminho.

O enredo vai ser adaptado ao cinema pelo realizador David Leitch, que é conhecido por blockbusters como Deadpool 2 e Velocidade Furiosa: Hobbs & Shaw. Brad Pitt já tinha colaborado com o cineasta em Deadpool 2, para além de este ter feito de duplo do ator nos filmes da saga Ocean’s 11 e também em Tróia.

Já a produção estará ao comando de Antoine Fuqua, que foi o pioneiro do projeto desde o rascunho. Finalmente, o enredo vai estar a cargo do americano Zak Olkewicz, que também foi argumentista no filme Rua do Medo.

O Hollywood Reporter também anunciou que o estúdio está a trabalhar a todo o vapor para que seja possível estrear o filme no outono. O site escreveu que as condições de segurança estão garantidas, pois este é um “thriller contido, o que significa que pode ser filmado num cenário contido e obedecer mais facilmente às restrições sanitárias, do que um filme de acção mais expansivo e com localizações reais”.

Para além do filme, a editora britânica Harvill Secker anunciou que vai traduzir o livro para inglês já em 2021 e vai ter o mesmo título que o filme.

Mais Artigos
Lady Justice
14 anos da Lei da Paridade: o que mudou?