J. K. Rowling
Foto: © Mary McCartney 2015 ( Website Oficial J.K. Rowling)

Fãs abandonam J. K. Rowling na sequência de comentários transfóbicos

O Leaky Caldron e o Mugglenet, dois sites dos maiores sites de fãs da saga Harry Potter, declararam, num comunicado conjunto, que iriam deixar de partilhar conteúdos de J.K Rowling. A decisão foi tomada na sequência de uma série de comentários polémicos da autora, no Twitter, sobre a transexualidade.

Devido às opiniões dadas por J.K. Rowling os dois sites afirmaram que, além de não voltarem a fornecer links para o site pessoal da autora, também não voltarão a usar fotos ou escrever sobre ela, com exceção do seu papel na criação do mundo de Harry Potter.

“Para além do mau gosto de ter escolhido o mês do orgulho LGBTQ+ para publicar estas declarações, cremos que o uso da sua influência e privilégio para atacar pessoas marginalizadas não se conjuga com a mensagem de aceitação e empoderamento presente nos seus livros”, pode ler-se no comunicado.

Os dois sites foram ainda mais longe e anunciaram que passarão a referir-se a J.K. Rowling como #JKR, no Twitter, para que os fãs possam, eventualmente, dar mute a essa hashtag e evitar ver publicações sobre a autora. Em conjunto os sites têm mais de um milhão de fãs no Facebook.

O Leaky Caldron e o Mugglenet  acrescentam ainda que, apesar da dificuldade em “falar contra alguém cujo trabalho admiramos há tanto tempo”, seria “errado” não usarem as suas plataformas para “contra-atacar o mal que ela provocou”.

“A nossa postura é firme: mulheres trans são mulheres”, continua o comunicado dos sites de fãs. “Homens transgéneros são homens. Pessoas não binárias são não binárias. As pessoas intersexuais existem e não devem ser forçadas a viver no binário. Estamos com os fãs de Harry Potter destas comunidades. Embora não toleremos os maus-tratos que Rowling recebeu por expor as suas opiniões sobre pessoas trans, devemos rejeitar assuas crenças.”

Além desta orientação assumida pelos dois sites, quatro autores deixaram a agência literária de J.K Rowling depois da empresa se recusar a emitir uma declaração pública de apoio aos direitos das pessoas transgénero.

 

 

Mais Artigos
Catarina Furtado
Catarina Furtado garante que nunca quis ser diretora de um canal de televisão