Foto: Stan Olszewsky - San Francisco Examiner

Colin Kaepernick: a história do atleta e ativista chega à Netflix

A adolescência do quarterback será contada numa série biográfica com a realização de Ava DuVernay

Os seis episódios produzidos e distribuídos pela Netflix irão incidir sobre a adolescência de Kaepernick. A série irá se concentrar no período do ensino secundário, onde se deram as experiências que o levarão a tornar-se um ativista dentro e fora dos campos. A série será narrada por Kaepernick, e um ator interpretará a versão mais jovem do quarterback. O atleta pretende oferecer assim, com este projeto, uma visão introspetiva sobre a sua juventude: uma criança de cor, adotada por uma família branca, na jornada que o levará ao estrelato no futebol americano, enquanto lutava pela sua própria identidade.
Imagem: MAGG

História a cores

O projeto irá aproximar Colin Kaepernick daqueles que apenas o conhecem dos jogos ou noticiários. De acordo com o atleta, esta é a chance de dar a sua versão da história da forma mais verdadeira possível:

Com muita frequência vemos histórias raciais retratadas através de lentes brancas. Procurámos dar uma nova perspetiva sobre as diferentes realidades que pessoas de cor enfrentam. Explorámos os conflitos raciais que eu enfrentei por ser um homem de cor numa comunidade branca, durante os meus anos de ensino secundário. É uma honra trazer estas histórias à vida em colaboração com Ava, para que o mundo as possa assistir.”

Ava DuVernay reconhece a importância da história que tem em mãos. O jogador de futebol americano teve um papel marcante nas conversas sobre desigualdade racial. Em 2016, Kaepernick protestou contra a injustiça racial, brutalidade policial e a opressão sistémica ao ajoelhar-se durante o hino nacional numa partida da equipa San Francisco 49ers.

O ato de Kaepernick polarizou o público do NFL (National Football League) e a administração do campeonato. O próprio presidente norte-americano, Donald Trump, não ficou alheio ao assunto, e aconselhou os donos das equipas a demitirem os jogadores que protestassem durante o hino nacional.

“Com o seu protesto, Colin Kaepernick iniciou uma conversa a nível nacional sobre raça e justiça, com abrangentes consequências para o futebol americano, para a cultura e para ele, pessoalmente. A sua história tem muito a dizer sobre identidade, desporto e o duradouro espírito do protesto e da resiliência. Não poderia estar mais feliz do que a contar a sua história com a equipa da Netflix”, declarou DuVernay. Em 2017, Kaepernick iniciou um processo contra a NFL e os seus donos, acusando-os de terem conspirado de forma a que ele ficasse fora do campeonato. O atleta continua hoje como free agent, isto é, sem contrato com nenhuma equipa.

Mas Kaepernick continua ativo no seu ativismo. O ressurgimento do movimento Black Lives Matter, devido à morte de George Floyd, contou com o apoio e participação de Kaepernick e, para além da série com a Netflix, o atleta tem também uma parceria com a Audible. Um dos próxmos projetos por que podemos esperar é a sua memoir, um livro autobiográfico que reconta as suas experiências e de que forma estas o levaram ao ativismo.

Mais Artigos
Alfred Hitchcock: 121 anos de um dos maiores perfeccionistas da história do Cinema