Pedro Lima
Imagem: Facebook

Pedro Lima. O percurso do galã que partiu cedo demais

Aos 49 anos de idade, deixa um legado com mais de duas décadas de carreira

Pedro Lima foi encontrado morto, na manhã deste sábado (20), na praia do Abano, no Guincho, em Cascais. Aos 49 anos de idade e com mais de duas décadas de carreira, deixa um vasto legado como ator em televisão, no teatro e no cinema.

A paixão pelo desporto

Nascido a 20 de abril de 1971, em Luanda, capital de Angola, confessou ter tido sempre uma grande ligação ao desporto. “A minha ligação com o desporto tem que ver com um princípio de educação, que eu também transmito aos meus filhos“, revelou, em entrevista à revista Espiral do Tempo. Do leque de modalidades praticadas – “jogava futebol e vólei na escola, e faço surf desde pequeno” -, uma sobressaiu.

Nesse percurso de cultura de vários desportos e de assistência a eventos desportivos, o meu pai achou que a natação era prioritário. O que aconteceu é que eu fui muito bem-sucedido muito rapidamente na natação — e o projeto de aprender vários desportos ficou pelo caminho“, explicou. O desempenho levou-o a participar, aos 17 anos, na mais alta competição da modalidade, os Jogos Olímpicos.

Pedro Lima
O ator mantinha ainda a paixão pelo surf. Imagem: Instagram

São tempos que vivi de forma muito intensa. Tinha 17 anos quando participei pela primeira vez“, disse à revista VIP o ator que competiu nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988, e em Barcelona, em 1992, por Angola. “Na realidade eu era atleta do Sporting, mas nessa altura não tinha os mínimos para representar Portugal. Como tenho dupla nacionalidade, fui desafiado por Angola para representar o país nos Jogos Olímpicos“, explicou.

A dedicação à modalidade foi recordada pela Federação Portuguesa de Natação, que prestou, nas suas redes sociais, uma homenagem a Pedro Lima. Também o Sporting, emblema do jovem nadador, deixou, nos seus perfis sociais, uma mensagem de despedida: “Um amor e uma dedicação ao nosso Clube inabalável“.

Uma carreira multifacetada

O físico que caracterizava Pedro Lima – e que também contribuiu para que fosse conhecido como o ‘galã’ da ficção nacional -, adquirido com a prática desportiva, abriu-lhe outros horizontes. Daí seguiu-se a estreia como modelo, num anúncio públicitário.

Foi através dele [Paulo Dentinho], que tinha um amigo que tinha uma produtora, que eu fiz um anúncio […] Depois, fui uma vez a um bar no Bairro Alto onde o Ricardo Carriço era Relações Públicas e ele encaminhou-me para a agência Central Models“, revelou no programa Sei Quem Ele É da RTP. Nessa altura, o então modelo já sentia um desejo pela representação.

Pedro Lima
A curta carreira de modelo levou-o à representação. Imagem: RTP

Nunnca me passou pela cabeça que houvesse agências de modelos. Eu já queria ser ator, assim secretamente, frequentava muito cinema como espetador, mas nunca tinha partilhado com ninguém essa vontade“, confidenciou. “Passado dois anos mais ou menos a trabalhar como modelo, surgiu a oportunidade de fazer um casting para a apresentação do ‘Magacine’ na RTP e fui selecionado“, contou, admitindo que não se sentiu agradado com a sua prestação.

Apresentei muito mal. Hoje em dia já me sinto mais confortável no papel de apresentador, acho que consigo ser cada vez mais espontâneo e autêntico, mas não é uma situação em que me sinta totalmente confortável“. O casting na NBP, onde Nicolau Breyner era diretor artístico, foi a porta de entrada no mundo da representação: “Precisavam de um conjunto de jovens para fazer a novela que se ia gravar na RTP“.

Desde aí, não mais parou, marcando também presença em trabalhos no teatro e no cinema. “Nos últimos anos realmente tenho tido mais convites [para teatro]. O que me faz aceitar são os textos, são as companhias, são as condições de trabalho que as companhias têm, é o prestígio dos encenadores“, revelou na altura à responsável de castings Patrícia Vasconcelos.

Pedro Lima
‘A Grande Aposta’ marcou a sua estreia na ficção nacional. Imagem: Facebook

Nos últimos anos tenho tido a oportunidade de fazer grandes textos que mudam a nossa cabeça, não só para a representação, mas para a vida“, frisava. Apesar de ter conseguido conquistar um sonho que havia muito almejava, o ator continuava a manifestar algum desconforto. “Não sei se isto alguma vez se resolverá, mas continuo a ter muitos momentos de angústia e ansiedade, às vezes de autoestima mais em baixo, às vezes falta de segurança. Mas isto eu acho que provavelmente é transversal a todos os atores“, revelava.

A primeira grande experiência em cinema dá-se na curta-metragem de Nicolau Breyner, Contrato. Fiquei muito contente, surpreendido porque o Nicolau Breyner representa tudo aquilo que nós sabemos, é um ator gigante, uma personalidade a nível nacional“, afirmou. “É o tipo de injeção de autoconfiança, de autoestima que nos faz sentir muito bem“.

Com um vasto currículo de participações na ficção nacional dos três canais generalistas – RTP, SIC e TVI -, o ator estava a gravar uma das próximas produções da estação de Queluz de Baixo, Amar Demais. Na nota de condolências, a TVI destaca: “O Pedro era um dos mais versáteis atores  da sua geração. E um operário desta indústria, no cinema, no teatro e na televisão. Sempre disponível, sempre afável, sempre pronto para trabalhar”.

Casamento marcado para 2021

Com cinco filhos – quatro da atual relação com Anna Westerlund e um fruto da sua relação com Patrícia Piloto -, o ator tencionava consumar a união que mantinha, celebrando, em 2021, os 20 anos de relação e os 50 anos de vida.

Todos os anos pensamos nisso, todos os anos falamos em casar, mas depois o tempo passa e adiamos ou porque nasce um filho, ou porque não há orçamento ou há algum trabalho importante que nos impede…“, afirmou, em declarações à revista Nova Gente, fazendo também um balanço da relação: “Não podia ser melhor… Não há relações perfeitas, mas é a mulher da minha vida. Hoje em dia é difícil manter uma relação durante tantos anos, mas temos conseguido, é a confirmação de que nascemos um para o outro e os nossos filhos são prova disso. Não somos casados, mas eu digo sempre que é a minha mulher“.

Pedro Lima
Pedro, a mulher e os cinco filhos. Imagem: Instagram

Resposáveis por gerir uma família numerosa, o ator destacou, em entrevista ao Chupeta VIP, conseguirem manter a organização: “Eu e a Anna temos a nossa vida profissional, depois há os horários escolares e das atividades desportivas, as festas de anos, as reuniões de amigos, etc. Temos que nos adaptar. É bastante desafiador, mas acho que nos temos dado bem com isso“.

Mais Artigos
Tilda Swinton no noon filme de Pedro Almodovar
Pedro Almodóvar e Regina King juntam-se à seleção do Festival de Veneza