DONALD TRUMP, TRUMP, press conference, task force

Twitter sinaliza publicação manipulada por Donald Trump

Esta quinta-feira, o Twitter acusou Donald Trump, pela primeira vez, de manipular um vídeo, que foi publicado originalmente pela CNN em 2019, perfazendo a terceira ação da rede social em conteúdos publicados pelo presidente dos Estados Unidos.

O vídeo, que contém o logo da CNN, mostra uma criança negra a fugir de uma criança branca enquanto brincam. Nele pode-se ler uma legenda falsa que diz que “uma criança aterrorizada foge de bebé racista” e também que “o bebé racista provavelmente vota em Trump”.

O Twitter já etiquetou o vídeo do presidente norte-americano como “manipulação dos media”, uma ferramenta que indica quando um vídeo ou uma foto foram significativamente alterados.

A rede social optou por adicionar “o que realmente aconteceu” logo após o vídeo falso terminar, onde é possível ver as imagens de um vídeo de 2019, publicado pela CNN. Nele estão duas crianças, uma branca e uma negra, a correr na direção um da outra para se abraçarem nas ruas de Nova Iorque.

O Twitter continua a fazer frente a Donald Trump 

Esta é a terceira vez que a rede social Twitter submete o presidente à verificação de factos, sendo a primeira vez que classificou uma publicação como “media manipulado“.

As duas primeiras situações ocorreram a 26 de maio deste ano, quando Trump atacou o governador da Califórnia por estar a enviar boletins de voto pelo correio. O presidente alegou que o voto por correio é “fraudulento“, porque as caixas de correio podem ser assaltadas e, para além disso, os boletins de voto também poderiam ser falsificados ou impressos de maneira ilegal.

A rede social justificou num tweet que procedeu à verificação dos factos para que fosse aplicada a sua “política de integridade cívica”, e porque acredita que “esses tweets podem confundir os eleitores sobre o que precisam de fazer para receber um boletim de voto e participar no processo eleitoral”.

Mais Artigos
secret story Confessionário Teresa Guilherme
Opinião. No regresso, Teresa Guilherme pode construir futuro a partir da memória?