Óscares

Óscares 2021: Cerimónia vai ser adiada dois meses

Os Óscares do próximo ano vão agora ser entregues a 25 de abril de 2021

Depois de semanas de especulação, a Academia anunciou, esta segunda-feira (15), que a cerimónia de entrega dos Óscares de 2021 vai, afinal, realizar-se a 25 de abril de 2021. O adiamento da realização da grande noite do cinema tinha vindo a ser noticiada desde maio, e a decisão hoje confirmada foi tomada devido à Covid-19.

A Academia estendeu as regras de elegibilidade em relação à data de lançamento dos filmes, sendo que agora podem ser elegíveis aos Óscares filmes que tenham sido lançados entre 1 de janeiro de 2020 e 28 de fevereiro de 2021. O prazo de inscrição para categorias especiais (animação de longa-metragem, documentários, animação de curta-metragem, curta-metragem internacional, por exemplo), está estabelecido para o dia 1 de dezembro de 2020. A data de submissão de filmes para categorias gerais como Melhor Filme, Melhor Canção Original e Melhor Banda Sonora Original está marcada para 15 de janeiro de 2021.

“Durante mais de um século, os filmes têm desempenhado um papel importante a confortar-nos, inspirar-nos e a entreter-nos nos momentos mais sombrios. E certamente o têm feito este ano. A nossa esperança, ao estender o periodo de elegibilidade e a data de entrega dos nossos prémios, é dar a flexibilidade que os realizadores precisam para terminarem e lançarem os seus filmes, sem serem penalizados por algo que está fora do controlo de qualquer pessoa,”, disseram o presidente da Academia, David Rubin, e o CEO, Dawn Hudson, num comunicado. “Estes próximos Óscares e a abertura do nosso novo museu marcam um momento histórico, reunindo fãs do cinema de todo o mundo para se unirem através do cinema.”

A abertura do Museu da Academia do Cinema foi também alterada de dezembro para abril, para coincidir com a realização da gala, sendo que o custo da construção do museu ronda os 425 milhões de euros. “Com esta pandemia devastadora e sem precedentes a acontecer em todo o mundo, e por estarmos comprometidos a proteger a saúde e garantir a segurança dos nossos visitantes e funcionários, tomámos a difícil decisão de esperar mais alguns meses para abrir as portas do museu”, referiu o seu diretor, Bill Kramer.

No início do ano a Academia tinha já anunciado que os filmes estreados em plataformas de streaming seriam elegíveis aos Óscares, mesmo não tendo estreado no grande ecrã, desde que essa estreia tenha sido planeada no inicio. O formato da gala ainda se encontra por definir, estando em hipótese esta ser realizada de forma presencial ou virtualmente, mas a decisão está dependente de análise de como a pandemia se vai desenrolar nos próximos tempos.

Em todo o caso, como é tradição, a cerimónia vai ser transmitida nos Estados Unidos pela ABC. “Este ano estamos em território desconhecido, e continuaremos a trabalhar com os nossos parceiros da Academia para garantir que a gala do próximo ano seja um evento seguro e comemorativo que capture também a emoção em torno da abertura do Museu de Cinema da Academia”, referiu a presidente da ABC Entertainment, Karey Burke, também em comunicado.

Na passada sexta-feira, 12, a Academia anunciou estar a formar uma equipa com a organização Producers Guild of America “para desenvolver e implementar novos padrões de representação e inclusão para a elegibilidade dos Óscares até 31 de julho de 2020”. Esta medida decorre do facto de a Academia estar à beira de cumprir os seus objectivos denominados A2020, tornados urgentes depois da controvérsia #OscarsSoWhite, de há cinco anos atrás, que incluíam duplicar o número de mulheres e pessoas de cor entre os seus membros.

Esta próxima fase da iniciativa que se propõe a implementar a equidade e inclusão, ‘Academy Aperture 2025’, vai promover transformações nos critérios de elegibilidade aos Óscares de modo a cumprir estes padrões de equidade, inclusão e representação, começando com a 94ª cerimónia, que vai celebrar os filmes de 2021.
“Apesar de a Academia ter feito progressos, sabemos que há muito mais trabalho a ser feito de modo a que sejam garantidas oportunidades equitativas em todos os setores,”, disse Hudson, em comunicado. “A necessidade de resolver este problema é urgente. Para esse fim, vamos alterar – e continuaremos a examinar – as nossas regras e procedimentos de modo a garantir que todas as vozes sejam ouvidas e celebradas.”

Rubin acrescentou: “Foi graças à dedicação, foco e esforço conjunto do nosso conselho de governadores e dos membros dos comités executivos do ramo, que a Academia superou os objectivos da nossa iniciativa A2020. Mas, de modo a alcançarmos realmente esse objectivo, temos de reconhecer que muito mais tem ainda de ser feito, e demos ouvir, aprender, abraçar este desafio e responsabilizar-mo-nos a nós mesmos e à nossa comunidade. A liderança da Academia e o nosso conselho estão empenhados em garantir que continuemos a garantir a igualdade e inclusão em todas as iniciativas da Academia, no comité, em programas e eventos.”

A partir da 94.ª edição dos Óscares, a realizar-se em 2022, a Academia vai voltar a ter 10 filmes garantidos para serem nomeados ao Óscar de Melhor Filme, uma medida utilizada em 2010 e 2011, mas subsequentemente abandonada, passando a Academia a adoptar o atual sistema em que podem ser elegíveis a Melhor Filme entre 5 a 10 filmes, dependendo da decisão da Academia. Assim, serão obrigatoriamente nomeados 10 filmes para o Óscar mais desejado de todos.

Outra decisão a ser implementada em 2021 será o novo “processo de visualização trimestral“, através da sala de observação da Academia, o site de transmissão através do qual os membros da Academia podem assistir os filmes candidatos aos Óscares nas suas casas. Ao possibilitar que os seus membros possam assistir aos filmes lançados o ano inteiro, a Academia quer ampliar a exposição de cada filme, nivelar o seu espaço de atuação e garantir que todos os filmes elegíveis possam ser vistos pelos membros votantes.

Os Óscares não são a única grande cerimónia de prémios a sofrer mudanças acerca de como e quando vai ser realizada. Os Tony Awards, originalmente marcados para 7 de junho, foram adiados e ainda não foram remarcados, havendo até rumores de que a cerimónia vai ser cancelada, apesar de vários espectáculos da Broadway terem já estreado e inclusivamente, terem sido vistos por membros do júri dos Tony, antes de a Broadway ter sido encerrada. A 72ª. cerimónia dos Emmys ainda não alterou a data da sua realização, 20 de setembro de 2021, mas os seus organizadores vão ter ainda de decidir como é que a noite de prémios vai ser celebrada, se pessoal ou virtualmente.

Mais Artigos
Casa Feliz dispara para o melhor resultado de sempre.
Audiências. ‘Casa Feliz’ soma 21 vitórias consecutivas nas manhãs