Angela Davis contra o racismo

15 livros para aprender mais sobre racismo, supremacia branca e brutalidade policial

Nos últimos 11 dias, o mundo percebeu que ainda há muito trabalho a ser feito em relação a temas históricos que nunca desapareceram. A morte de George Floyd, pelas mãos de um polícia, iniciou novamente conversas sobre o privilégio branco, a brutalidade policial e o racismo estrutural.

As imagens em que o joelho de Derek Chauvin está sob o pescoço de George Floyd espalharam-se rapidamente pelas redes sociais e trouxeram consigo um sentimento de revolta e a vontade de mudar. Por todo mundo, milhares de cidadãos juntaram-se para prestar apoio a todas as vítimas de racismo e brutalidade policial. Durante os próximos dias, Portugal vai também realizar manifestações pacíficas.

Nos Estados Unidos, os 50 Estados do país assistiram aos protestos onde nomes como Breonna Taylor, Ahmaud Arbery and Tony McDade estiveram presentes. Expressões como ‘Say Those Names’ e ‘No Justice, No Peace’ foram as palavras de ordem.

Mesmo com dezenas de petições criadas e assinadas, doações e vários protestos, há ainda muito para fazer. Tendo em conta que não existe nenhum manual sobre como travar o racismo, a melhor coisa a fazer é aprender sobre o tema. Ser um verdadeiro aliado consiste na aprendizagem e há vários livros que podem ajudar nisso.

Com ajuda da Black Lives Matter card page colocamos num só sítio alguns livros que te podem ajudar a aprender mais sobre o assunto e perceber a diferença que podes fazer, numa altura em que ninguém deve ficar calado.

Livro Me and White Supremacy, de Layla F. Saad

Me and White Supremacy, de Layla F Saad

O livro que foi um bestseller de vendas surge depois do desafio #meandwhitesupremacy, em 2018. Formatada como um programa de 28 dias a seguir para a reflexão pessoal, a obra vai ajudar quem a lê a perceber como é que participa na supremacia branca e pode combater o racismo.

So You Want to Talk About Race, de Ijeoma Oluo

Ijeoma Oluo escreveu o livro perfeito para todos os que estão interessados em aprender sobre mais e a discutir assuntos como raça e racismo, mas não sabem como. Em So You Want to Talk About Race estão as ferramentas perfeitas para pessoas brancas e de cor conseguirem ter conversas sérias e honestas sobre os temas que ainda hoje nos assolam.

Livro How to Be an AntiRacist, de Ibram X. Kendi

How to Be an Antiracist, de Ibram X. Kendi

Numa altura em que o medo cresce, Kendi leva-nos numa viagem para construirmos uma sociedade futura, onde o racismo continua a existir, mas todos lutam contra ele. O autor e historiador usa o poder das palavras e das memórias para nos falar sobre ética, história, direito e ciência como forma de explicar as questões de raça, justiça e igualdade.

Racismo em Português: o lado esquecido do colonialismo, de Joana Gorjão Henriques

Portugal não fica esquecido no meio de conversas sobre racismo, da mesma forma que não fica nenhum outro país. Com Racismo em Português, Joana Gorjão Henriques tenta explicar e entender como é que o colonialismo marcou as relações raciais.

Livro Your Silence Will Not Protect You, de Aufre Lorde

Your Silence Will Not Protect You e Sister Outsider, de Audre Lorde

Ambos os livros são uma coleção de trabalhos, poemas e discursos da escritora sobre sexismo, racismo, homofobia e classes. A poeta negra, lésbica e ativista para os direitos civis tornou-se uma referência devido ao seu contributo para a literatura moderna. Dentro de Sister Outsider está incluído o ensaio The Master’s Tools Will never Dismantle The Master’s House.

They Can’t Kill Us All, de Wesley Lowery

O livro certo para o momento certo. Em They Can’t Kill Us All, o jornalista Wesly Lowery reporta a brutalidade policial e a morte de dezenas de pessoas negras na América.

Livro Why I'm No Longer Talking to White People About Race, de Reni Eddo-Lodge

Why I’m No Longer Talking to White People About Race, de Reni Eddo-Lodge

Reni Eddo-Lodge é autora do livro que iniciou uma nova onda de conversas sobre racismo no Reino Unido. Em Why I’m No Longer Talking to White People About Race, Reni fala sobre o que é ser uma pessoa negra em solo britânico e do objetivo político do domínio dos brancos, sem esquecer assuntos e histórias apagadas sobre a comunidade negra e as relações entre raça e classe.

Memórias da Plantação: episódios de racismo quotidiano, de Grada Kilomba

São 280 páginas de memórias, onde Kilomba vai desmontar a normalidade do racismo, expondo toda a violência e o trauma de ser colocado como outro. A obra de 2008 tornou-se numa importante contribuição para o discurso académico internacional.

Livro White Fragility: Why It’s So Hard For White People To Talk About Racism, de Robin DiAngelo

White Fragility: Why It’s So Hard For White People To Talk About Racism, de Robin DiAngelo

O livro de 2018 de Robin DiAngelo foi um bestseller do New York Times e veio para ajudar quem precisa de se libertar da fragilidade branca. Escrito por uma mulher branca para pessoas brancas, White Fragility explora as respostas dadas por pessoas brancas ao discutir assunto sobre raça e etnia. Ao longo do livro, capítulos como “White Women’s Tears” e “Racial Triggers for White People” vão ajudar quem lê a ver tudo de forma mais fácil.

Between the World and Me, de Ta-Nehisi Coates

Nesta carta ao seu filho, Ta-Nehisi Coates fala detalhadamente da sua experiência enquanto pessoa negra nos Estados Unidos e como isso está presente em tudo o que faz na sua vida. Num livro de emoções fortes, Coates argumenta que a supremacia branca nunca vai desaparecer, mas que pessoas negras vão ter sempre que experienciar.

Livro I Know Why The Caged Bird Sings, de Maya Angelou

I Know Why The Caged Bird Sings, de Maya Angelou

Um livro sobre libertação e uma viagem às memórias de quem o escreveu. Maya Angelou convida-nos a entrar na sua infância e juventude e mostra-nos a violência e crueldade do racismo existentes no mundo. A autora vai ao longo de toda a obra retratar a comunidade negra dos Estados Unidos, durante o período de segregação que levou à emancipação.

When They Call You a Terrorist: a black lives matter memoir, de Asha Bandele e Patrisse Khan-Cullors

Não há muito para dizer sobre o aclamado Melhor Memoir de 2018 para a Time Magazine. Escrito pela co-fundadora do movimento Black Lives Matter, Patrisse Khan-Cullors, o livro conta, com a ajuda de Asha Bandele, como é ser uma mulher negra nos Estados Unidos. As duas autoras aproveitam ainda para fazer uma reflexão sobre o que se passa no mundo e chamar a atenção para a mudança que é necessária.

Livro If They Come in the Morning, de Angela Davis

If They Come in the Morning, de Angela Davis

Conhecida pela sua dedicação à luta pelos direitos de pessoas negras e por ter protagonizado um dos julgamentos criminais mais polémicos da história americana, Angela Davis conta-nos um pouco sobre esse episódio marcante da sua vida e faz uma análise ao sistema prisional norte-americano, marcado pelo encarceramento em massa de pessoas negras.

O Ódio que Semeias, de Angie Thomas

Uma história comovente e emocionante que nos dá a conhecer o movimento Black Lives Matter. Em O Ódio que Semeias, Angie Thomas deixa-nos entrar no mundo de Starr, uma rapariga de 16 anos, que assiste à morte do seu melhor amigo, Khalil, depois de um polícia disparar contra ele.

Outros recomendações relevantes:

  • White Trash, de Nancy Isenberg
  • Surrender, White People!: our unconditional terms for peace, de D. L. Hughley e Doug Moe
  • Dark Days, de James Baldwin
  • The End of Policing, de Alex S. Vitale
  • The New Jim Crow: Mass Incarceration in the Age of Colorblindness, de Michelle Alexander
  • Why Are All the Black Kids Sitting Together in the Cafeteria, de Beverly Daniel Tatum
Mais Artigos
Anatomia de Grey
Porque ‘Anatomia de Grey’ decidiu infetar personagens com a Covid-19