Fita Isoladora Conceição Queiroz Guilherme de Sousa
Fotografia: EF via Divulgação

“Não nos podemos calar”. Conceição Queiroz e Guilherme de Sousa falam sobre racismo no ‘Fita Isoladora’

O podcast do Espalha-Factos dedica o episódio à temática do racismo e da representatividade racial

O episódio deste sábado (6) do podcast Fita Isoladora, do Espalha-Factos, foi dedicado às temáticas do racismo e da representatividade racial. Os jornalistas Conceição Queiroz, da TVI, e Guilherme de Sousa, da TSF, falaram acerca das suas experiências pessoais e dos desafios que tiveram de enfrentar por causa da sua cor de pele.

Na semana em que se intensificaram os protestos do movimento #BlackLivesMatter, na sequência da morte de George Floyd, cidadão norte-americano, Conceição Queiroz protagonizou um momento emotivo na televisão, quando não conseguiu conter as lágrimas e completar o lançamento de uma reportagem sobre o assunto. A jornalista descreve este como “um momento horrível“. “Eu bem tentei continuar, mas não consegui sequer acabar o texto de lançamento da peça“, completou em declarações ao podcast do EF.

Uma reação da pivô à “desumanidade” que viu nas imagens. “A questão é que não é apenas aquele caso, é mais uma situação que choca e daquela maneira. Imaginemos que era o pai de cada um de nós, imaginemos que era o teu pai, imaginemos que era o meu pai, não é? Quando as pessoas criticam e dizem ‘foi mais um preto que morreu’… digam isso aos filhos daquele homem de 46 anos (…)“, completa.

Aquilo chocou absolutamente toda a gente e isso também foi um pretexto para espoletar toda esta explosão à volta deste caso, que se tornou obviamente num movimento global. O #BlackLivesMatter já existia, mas ganha uma projeção absolutamente enorme com este caso. Eu acabo sempre por pensar nos meus e deixou-me sem palavras“, considera Guilherme de Sousa.

Comunidade negra deve unir-se

Nós temos de nos ajudar“, sublinha Conceição Queiroz, destacando aquela que, para si, é uma questão prioritária – “a união da comunidade em Portugal“. “Nós não existimos, estamos liquidados enquanto comunidade em Portugal“, refere a jornalista, que exorta a que as pessoas se entreajudem e colaborem para melhorar o futuro de todos.

Eu não quero continuar a ver estes miúdos que podiam ser meus filhos a encher as cadeias portuguesas“, afirma a repórter da TVI. “Se eles forem acompanhados, se eles forem bem orientados, serão pessoas diferentes de certeza absoluta“, defende, relembrando o papel de apoio que a comunidade pode exercer e também referindo a fragilidade das mães e pais nestes agregados familiares, “O que é que se pode pedir mais a uma mãe, que tem três e quatro empregos, que sai de casa de manhã cedo, trabalha o dia todo para poder jantar aos filhos? Podes pedir mais a esta mãe?“, questiona.

Há um trabalho que tem de ser feito pela própria comunidade. Se nós nos organizarmos, se criarmos grupos de trabalho, por exemplo, isso é possível“, considera Conceição Queiroz.

Toda a conversa pode ser escutada no podcast, que já está disponível para audição, tem todos os episódios para escuta nas plataformas SpotifyApple PodcastsGoogle Podcasts, AnchorBreaker e RadioPublic.

Ouve o episódio integral:

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
The Black Mamba ensaiam pela segunda vez na Ahoy Arena, em Roterdão
Eurovisão 2021. The Black Mamba conquistam elogios no segundo ensaio