festivais de verão
festivais de verão

Festivais e eventos semelhantes podem acontecer, se tiverem lugares marcados

Um dia depois de o Presidente da República ter promulgado o diploma que prevê a proibição de festivais de música até 30 de setembro, o Gabinete do Primeiro-Ministro veio, em comunicado, sublinhar que “é possível” que “festivais e espetáculos de natureza análoga ao vivo” se possam realizar.

O gabinete do chefe de governo acrescenta que estes eventos podem acontecer “em recintos cobertos ou ao ar livre, com lugar marcado e desde que respeitadas as regras definidas pela DGS“. Na mesma comunicação, que referenda a lei aprovada pela Assembleia da República “que estabelece medidas excecionais e temporárias de resposta à pandemia da doença covid-19” é salvaguardado que está assegurado o pagamento integral aos artistas em caso de cancelamento ou reagendamento dos espetáculos devido à pandemia de Covid-19, com um pagamento não inferior a 50%, a pagar até à data em que o espetáculo estava agendado.

Através destas alterações legislativas, pretende-se clarificar a possibilidade de realização de espetáculos tão importantes para os portugueses e para a comunidade cultural neste período de Verão, bem como garantir um apoio financeiro, pelas entidades públicas, aos artistas que já tenham sido contratados, com legítima expectativa no pagamento“, acrescenta o gabinete de António Costa.

Esta nova indicação surge depois de, no dia 7 de maio, o Conselho de Ministros ter deliberado que os festivais de música até 30 de setembro estavam proibidos. Na altura, o Governo adotou um regime especial para estes eventos, que previa que os espetáculos entre 28 de fevereiro e 30 de setembro de 2020 que não se realizassem por causa da pandemia poderiam emitir “um vale de igual valor ao preço do bilhete de ingresso pago, garantindo-se os direitos dos consumidores“.

No entanto, já este primeiro decreto-lei, o 90/2019, abria a porta a condições excecionais para que os espetáculos se realizassem, “em recinto coberto ou ao ar livre, com lugar marcado, mediante autorização da IGAC e no respeito pela lotação especificamente definida pela Direção-Geral da Saúde em função das regras de distanciamento físico que sejam adequadas face à evolução da pandemia da doença covid-19“.

A decisão veio mudar totalmente o panorama dos eventos estivais em Portugal e cobriu eventos como o Sumol Summer Fest (3 de julho), VOA Heavy Rock (2 e 3 de julho), NOS Alive (8 a 12 de julho), Rolling Loud (8 a 10 de julho), Super Bock Super Rock (16 a 18 de julho), MEO Marés Vivas, MEO Sudoeste (4 a 8 de agosto), Neopop (12 a 15 de agosto), Vodafone Paredes de Coura (19 a 22 de agosto), EDP Vilar de Mouros (27 a 29 de agosto), NOS Primavera Sound (3 a 5 de setembro), relembra o Diário de Notícias.

 

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Sociedade precisa ser mais feminista para eliminar violência contra as mulheres