Faleceu Maria Velho da Costa, uma das “Três Marias”

Uma das autoras das Novas Cartas Portuguesas, e vencedora do Prémio Camões em 2002, morre aos 81 anos

Maria Velho da Costa faleceu dia 24 de maio, sábado, anunciou a realizadora Margarida Gil à agência Lusa. Estaria fisicamente debilitada, mas lúcida, e morreu subitamente em Lisboa, aos 81 anos. Vencedora do Prémio Camões de 2002, ficou conhecida como uma das “Três Marias”, co-autora das Novas Cartas Portuguesas.

Maria Velho da Costa, nascida em 1938, licenciou-se em Filologia Germânica pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. A sua estreia na escrita ocorreu em 1963 com a publicação do seu livro de contos O Lugar Comum, inaugurando uma carreira que será, sobretudo, dedicada ao romance, mas que inclui também poesia e teatro. O seu primeiro romance é Maina Mendespublicado em 1969, um marco da literatura contemporânea portuguesa.

As Três Marias
As Três Marias. Em 1973, as escritoras Maria Teresa Horta, Maria Isabel Barreno e Maria Velho da Costa foram acusadas pelo Estado português de terem escrito um livro pornográfico e atentatório da moral pública e bons costumes, intitulado Novas Cartas Portuguesas. As Três Marias viriam a ficar conhecidas em todo o mundo pelas repercussões deste julgamento, classificado como a primeira causa feminista internacional.

Em 1972 publica, com Maria Teresa Horta e Maria Isabel Barreno (falecida em 2016), as Novas Cartas Portuguesas, uma obra revolucionária em forma e conteúdo. A obra expôs a opressão da mulher na sociedade machista e patriarcal portuguesa, da violência doméstica às violações, criticando também abertamente o Estado Novo, a censura, a guerra e a pobreza. O livro causou um escândalo – as três autoras sofreram um processo judicial e foram levadas a tribunal, que acabou suspenso, interrompido pelo 25 de abril de 1974. A censura da obra provocou comoção internacional, e apoio às autoras, pedindo pela sua ilibação, chegou de toda a Europa. A notícia alcançou, inclusive, Simone de Beauvoir.

Maria Velho da Costa é dona de uma vasta obra, da qual se celebra também Casas Pardas (1977) e Myra (2008), pelo qual ganhou o Prémio Correntes d’Escrita desse ano. Vencedora do Prémio Vergílio Ferreira, em 1997, e do Prémio Camões, em 2002, foi também condecorada com a Ordem do Infante D. Henrique em 2003, e com a Ordem da Liberdade a 25 de abril de 2011, que se destina “a distinguir serviços relevantes prestados em defesa dos valores da Civilização, em prol da dignificação da Pessoa Humana e à causa da Liberdade”. A sua obra, revolucionária em forma e conteúdo, deu revolucionárias novas vozes às personagens femininas assim como aos seus livros. A sua escrita era inovadora, quebrando com as regras, tornando-se um marco na literatura portuguesa.

Morre em Lisboa, a pouco mais de um mês de celebrar 82 anos.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
aquaman jason momoa amber heard
Fãs pedem saída de Amber Heard de ‘Aquaman 2’