Bruno Nogueira
Fotografia: Instagram

Bruno Nogueira: “Nunca tive uma família tão grande como tenho agora”

Na primeira noite em que “o bicho” não mexe, Bruno Nogueira fez uma publicação no Instagram em que agradece pelos últimos meses. As palavras do humorista estão a emocionar os seguidores.

O pudor de escrever sobre dias bonitos tem razão de ser: nunca ficará à altura“, começa por dizer, depois de na sexta-feira passada ter chegado a concentrar mais de 175 mil seguidores a assistir ao direto, e ter provocado “arruadas” de Natal fora de época em Lisboa e Porto.

Durante dois meses, Bruno Nogueira esteve no ar diariamente, através do Instagram, com um live que contou com dezenas de convidados. A quem agradece individualmente: “obrigado ao Albano, à Beatriz, à Inês, à Mariana, à Jéssica, ao Nuno, ao Ljubomir, ao Salvador, ao Quadros e ao Manzarra. Que bom que foi ter-vos em minha casa estes dias todos. Obrigado por subirem a parada, por acreditarem e confiarem. Ao Markl e ao Filipe agradeço acima de tudo a amizade e a irmandade que finta o sangue. O salto para o escuro que aceitam dar, mesmo sem saberem de que é feito o chão.”

Lê também: O ‘Vendaval’. Que música é essa com que Bruno Nogueira terminou os diretos?

O sucesso deste projeto, e aquilo que causou na sexta-feira, admite-o como tendo sido uma surpresa: “Quando saí de casa para festejar o último episódio do “Como é que o bicho mexe” na rua, nunca imaginei que quando voltasse à cama estaria do avesso. Havia coisas programadas para o fim, mas pouco ou nada para o percurso. Tudo o resto era incógnita. A tal incógnita fez-se primavera e deu-me a melhor maneira que tinha de vos dizer até já: ver-vos e ouvir-vos. Tantos, e tão generosos“.

Bruno partilha com os seguidores, também, o outro lado do seu escritório. “Esta foi a minha vista durante os dois meses em que fiz o Bicho no escritório. É uma videira com décadas de vida, oferecida pelo meu pai. Começou a dar folha nos primeiros directos, hoje já está cheia de promessas de uvas. Ela lá sabe o que faz“, diz.

O companheiro das noites de quarentena continua no sítio do costume. “Estou agora sentado na cadeira que teima em chiar, com o copo de vinho de sempre, mas sem amigos para brindar. Enquanto ouvia na sexta-feira as mais comoventes manifestações de agradecimento que alguma vez tive até hoje, pensava na ironia disto tudo, e no quanto me ofereceram também vocês que estiveram sempre às 23h a brindar comigo. Este escritório nunca esteve tão vazio, mas deixem que vos confie um segredo: nunca tive uma família tão grande como tenho agora. Obrigado a todos. E acreditem: vai mesmo correr tudo bem“.

Vê aqui a publicação:

 

Ver esta publicação no Instagram

 

O pudor de escrever sobre dias bonitos tem razão de ser: nunca ficará à altura. A alegria esconde-se disto tudo, e resiste a ser trocada por palavras. É acto falhado. É portanto teimosia minha correr esse risco, e tentar. Quando saí de casa para festejar o último episódio do “Como é que o bicho mexe” na rua, nunca imaginei que quando voltasse à cama estaria do avesso. Havia coisas programadas para o fim, mas pouco ou nada para o percurso. Tudo o resto era incógnita. A tal incógnita fez-se primavera e deu-me a melhor maneira que tinha de vos dizer até já: ver-vos e ouvir-vos. Tantos, e tão generosos. E quando precisava de descer uns furos à terra, olhava para o lado e estava lá o Miguel, amigo desde que eu tinha 18 anos e tentava com tudo ter voz própria, que me acompanhou de mota no trajecto todo até ao Coliseu, e pensava no espanto que a vida ainda sabe dar. Juntar pessoas boas e com talento é ainda e cada vez mais o que me faz sentir a alegria dos dias bons. Por isso e por muito mais, obrigado ao Albano, à Beatriz, à Inês, à Mariana, à Jéssica, ao Nuno, ao Ljubomir, ao Salvador, ao Quadros e ao Manzarra. Que bom que foi ter-vos em minha casa estes dias todos. Obrigado por subirem a parada, por acreditarem e confiarem. Ao Markl e ao Filipe agradeço acima de tudo a amizade e a irmandade que finta o sangue. O salto para o escuro que aceitam dar, mesmo sem saberem de que é feito o chão. Por fim, esta foi a minha vista durante os dois meses em que fiz o Bicho no escritório. É uma videira com décadas de vida, oferecida pelo meu pai. Começou a dar folha nos primeiros directos, hoje já está cheia de promessas de uvas. Ela lá sabe o que faz. Estou agora sentado na cadeira que teima em chiar, com o copo de vinho de sempre, mas sem amigos para brindar. Enquanto ouvia na sexta-feira as mais comoventes manifestações de agradecimento que alguma vez tive até hoje, pensava na ironia disto tudo, e no quanto me ofereceram também vocês que estiveram sempre às 23h a brindar comigo. Este escritório nunca esteve tão vazio, mas deixem que vos confie um segredo: nunca tive uma família tão grande como tenho agora. Obrigado a todos. E acreditem: vai mesmo correr tudo bem.

Uma publicação partilhada por Bruno Nogueira (@corpodormente) a

Mais Artigos
Descobre aqui as novidades da HBO Portugal em julho