Bênção das Pastas
FAP

Bênção das Pastas: “há um ciclo que não se fecha”

As tradicionais cerimónias de despedida dos finalistas tiveram de ser repensadas no contexto da pandemia.

Maio seria o mês em que decorreriam, em muitas das zonas académicas do país, as tradicionais festas de despedida dos estudantes finalistas. Porém, neste ano, a pandemia da Covid-19 veio alterar os planos traçados, obrigando ao reagendamento ou mesmo ao cancelamento dessas festas.

Um dos pontos altos para os finalistas das designadas Queimas das Fitas e a Missa da Bênção das Pastas. Nestas últimas cerimónias, de cariz católico, os estudantes veem as suas pastas, recheadas de fitas que contêm memórias do percurso que agora finda, abençoadas, ao mesmo tempo que ouvem mensagens de esperança num futuro risonho.

As limitações na realização de eventos culturais impostas pela atual crise sanitária levaram as entidades organizadoras a repensar os planos iniciais. O Espalha-Factos fez o ponto da atual situação em Évora, em Coimbra e no Porto.

Em Évora, a celebração acontece em outubro

A Queima é o momento em que vimos o nosso percurso académico finalizado, é o momento onde podemos finalmente dizer que todo o nosso esforço foi recompensado“, resume Cláudia Cardoso, finalista de Psicologia na academia alentejana. Este ano, a jovem terá de esperar para comemorar o fim do percurso académico. A organização da Queima das Fitas de Évora anunciou, em abril, o seu adiamento para outubro.

Conscientes de que o Dia Solene da Queima das Fitas é um dos dias mais marcantes do percurso académico, por todos os estudantes e pela preservação da Tradição Académica, o Conselho de Notáveis da Universidade de Évora, à semelhança dos anos anteriores, esforçar-se-á por proporcionar uma cerimónia inesquecível“, pode ler-se em comunicado. O Dia Solene da Queima das Fitas, epicentro da semana das festividades, inclui três momentos: a missa da Bênção das Pastas, a Queima das Fitas e o Banho. Nestes dois últimos momentos, que acontecem em simultâneo, os finalistas queimam a fita, que simboliza a ligação à Universidade, indo a banho, em seguida.

Banho Queima Évora
O Banho é um dos momentos característicos da Queima, em Évora. Imagem: DianaFM

A Queima das Fitas representa o fechar de um ciclo. É uma despedida, não só da licenciatura, mas também da minha turma, das pessoas que me acompanharam durante os três anos. Muitos deles vão para fora, e a Queima é o momento onde nos podemos despedir“, assume Jéssica Maia, finalista em Psicologia, sublinhando que, neste momento, não se sente “a concluir a licenciatura. Não ter aquele momento de despedida das pessoas e da licenciatura faz com que esta etapa não pareça nada de especial“.

Segundo os atuais planos da organização, a reagendada Queima decorrerá na altura em que normalmente seriam recebidos os caloiros. Em resposta ao Espalha-Factos, a Associação Académica da Universidade de Évora esclarece que “a forma como estes eventos irão decorrer ainda não está definida“, estando a trabalhar para “proporcionar aos alunos, quer ‘finalistas’ quer ‘caloiros’, a melhor experiência possível“.

Uma experiência que os finalistas anseiam. “Claramente irei viver este dia, seja quando for, lá estarei, a despedida irá acontecer e vai ser com o sentimento ainda mais especial por ter esperado tanto tempo por isto“, garante a também finalista de Psicologia Catarina Ferreira.

Por Coimbra, a situação é semelhante

Os finalistas do berço da tradição académica no país não vão ficar, para já, sem despedidas. Logo em março, a Associação Académica de Coimbra divulgou, em comunicado, o adiamento do “maior e mais tradicional evento académico nacional” para outubro, retemendo para mais tarde “informações relativamente aos moldes em que a Queima das Fitas 2020 decorrerá“.

O Conselho de Veteranos[entidade organizadora da Queima] fez por garantir que toda a tradição se mantivesse na mesma, meramente transladada temporalmente“, afirmou ao EF Matias Correia, Dux Veteranorum da Universidade de Coimbra. Quanto à Bênção das Pastas em Coimbra, a cerimónia decorre habitualmente um mês depois da semana da Queima propriamente dita. “Nós vamos ter a semana da Queima das Fitas em outubro e a Bênção das Pastas vai ocorrer sensivelmente em novembro“, esclareceu o presidente do Conselho de Veteranos.

Benção das Pastas Coimbra
A Sé Nova enche-se de estudantes para as despedidas. Imagem: Diocese de Coimbra

Para mim, esta cerimónia é um dia importante para qualquer estudante que termine o seu curso. É momento de reflexão, consagração e mais uma tradição de Coimbra com os estudantes e famílias“, afirma Tiago Aires Pereira, finalista de Comunicação Social na Escola Superior de Educação de Coimbra, ressaltando, contudo, que existem, no momento, preocupações maiores. “Como finalista, não acho que seja a maior preocupação, uma vez que o meu estágio curricular foi suspenso e ainda sem data de recomeço. Penso que nesta altura há outras prioridades“.

Também para Margarida Florêncio, finalista de Ciências do Desporto na mais antiga academia do país, a Bênção das Pastas representa um momento de reflexão. “É o culminar de tudo, é o momento de olharmos para trás e vermos o quão felizes fomos nestes tempos que não voltam mais, mas que foram os melhores da nossa vida“, explica, realçando que sente “que fica uma etapa por terminar junto dos que foram importantes e presentes neste percurso“.

A organização da Queima decidiu realizar, no dia 8 de maio, uma Serenata simbólica, precisamente no dia em que se realizaria a Monumental Serenata. A Via Latina, no Paço das Escolas, recebeu a atuação à porta fechada do grupo de fados Capas ao Luar. “Nós quando tomámos esta decisão de adiar a Queima das Fitas, foi com uma enorme vontade de salvaguardar a tradição e, desde logo, a Serenata era o único momento passível de ser englobado numa outra forma“, justifica Matias Correia.

Para já, houve Serenata. As outras iniciativas ficarão, segundo os planos da organização, para mais tarde. Tanto Tiago como Margarida assumem a intenção de marcar presença na reagendada Queima. “Não faria sentido assinalar de outro modo que não nas tradições de Coimbra. Seja agora ou daqui a um ano“, declara Margarida.

No Porto, há alternativas online para não esquecer este marco

Para todos os finalistas (e não só), a Missa da Bênção das Pastas pode traduzir-se num último abanar das fitas, num adeus à pasta que os acompanhou durante todo o percurso académico“, assume Daniel Lopes, mestrando em Ensino de História na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Mas a norte, este ano, o cenário é bem diferente.

Num cenário de incerteza de quando poderá ser retomada a atividade letiva, de quais serão os novos calendários académicos, de quando será contida a pandemia, […] deliberou a Direção da FAP, com o apoio das suas Associações de Estudantes, cancelar a Queima das Fitas do Porto 2020“, anunciou a Federação Académica do Porto, em março. Uma decisão que entristece os estudantes finalistas.

Sem a realização de todas as cerimónias devido à crise epidemiológica, sinto que há um ciclo que não se fecha. Ou que não pode ser fechado assim“, refere Jorge Trindade, finalista da Faculdade de Direito. “Faltará sempre algo, mesmo tendo um pensamento relativista, como tenho. E sente-se aquela saudade. A saudade de viver aquilo que não foi vivido“.

Nestas circunstâncias, “a Direção do Orfeão Universitário do Porto e o seu grupo de Fado Académico procurou diminuir a sensação de perda que pairava sobre a comunidade estudantil“, iniciando “a gravação de alguns fados (com cada instrumentista e solista em sua casa para a segurança de todos) que mais tarde foram montados com imagens da magnífica cidade do Porto“, esclareceu o grupo ao Espalha-Factos. A Serenata Digital, igualmente divulgada pela Reitoria da Universidade do Porto, “foi muito bem recebida pela comunidade académica“.

Atualmente contamos com 66 mil visualizações na nossa serenata, o que nos enche o peito de saudade e alegria, tal como todas as mensagens que recebemos de finalistas que temiam não poder partilhar uma última serenata com os seus colegas e a quem conseguimos dar uma plataforma para que isso se tornasse possível“, destaca o grupo.

Disso mesmo dá conta o mestrando Daniel Lopes: “Esta foi uma das várias formas que tivemos para não deixar passar em branco estes dias que iriam ser cheios de cor, alegria, choros“. Para o finalista, “uma outra forma de comemorar este marco é a realização de videochamadas com pessoas importantes no percurso académico, como padrinhos e madrinhas, amigos“.

Já Jorge Trindade, por pertencer a um grupo académico, mantém a esperança de que “algo mais possa ainda acontecer“. “Pode acontecer que ainda organizemos internamente, num mês vindouro, aquelas que seriam as cerimónias mais marcantes desta semana“.

Benção das Pastas Porto
A Bênção junta milhares de estudantes da Academia do Porto. Imagem: Diocese do Porto

Se tal, ainda assim, não acontecer, então, em 2021, esperam-me as ruas da Invicta para viver na próxima Semana Académica aquilo que não pôde acontecer neste ano. Claro que nunca será igual ao que teria sido. Acho que nós, finalistas, já nos consciencializámos dessa impossibilidade. Contudo, há essa intenção de participar, ainda mais merecidamente, nas celebrações do próximo ano. Resta esperar pelo futuro. E nunca se esperou tanto por ele“, remata.

Artigo organizado por Bernardo Ferreira, com a colaboração de Matilde Costa Alves.
Mais Artigos
Ana Leal
Ana Leal sai da TVI “com o orgulho de quem não verga a nenhum tipo de pressão”