Archie Riverdale Halloween CW
Fotografia: The CW / Divulgação

CW e FOX adiam lançamento de todas as séries para 2021

O outono costuma ser sinónimo de dezenas de séries a regressarem ou estrearem nos principais canais americanos. Contudo, as perturbações provocadas pela pandemia de Covid-19 estão a criar um cada vez maior risco de a nova temporada ser quase integralmente atrasada para janeiro. Esta semana, FOX e CW já anunciaram a intenção de adiar a chegada de quase todas as antigas e novas séries para janeiro de 2021.

FOX apresentou uma programação quase à prova de bala para eliminar incertezas

A FOX tomou a dianteira e já apresentou nesta segunda-feira (11) a sua grelha completa. A sua estrutura é reflexo da trajetória de diversificação de produtos dentro do canal, desde que ocorreu a venda de ativos da 21st Century Fox à Walt Disney Company. Os últimos anos já têm assistido a uma redução gradual do peso de séries na programação face a outros tipos de produtos.

O resultado da nova grelha é uma combinação de duas séries que foram adiadas desta primavera para o outono; a exibição de séries de animação, cuja produção não foi afetada pela pandemia; programas de desporto em três dias da semana, com um mix de futebol e wrestling; e alguns concursos, nomeadamente Masterchef Junior e The Masked Singer. Se Masterchef Junior já tinha uma temporada na gaveta, com The Masked Singer está prevista a gravação de novos episódios durante o verão.

Contas feitas, significa que a FOX não vai apresentar nenhuma série veterena até 2021. 9-1-1Prodigal Son, ou The Resident ficam por agora sem data de regresso. O canal optou também por comprar LA’s Finest, que já tinha sido transmitida no serviço on-demand Spectrum, bem como Cosmos: Possible Worlds, uma série documental da National Geographic.

CW compra programas (baratos) de outras plataformas e adia todas as séries para o inverno

A CW, que praticamente só tem na sua grelha séries de drama, começou a dar indícios da sua estratégia no início desta semana. Na segunda-feira (11) foi noticiado que o canal comprou quatro séries para exibir no canal: Swamp Thing, Tell Me a Story, Coroner e Dead Pixels. A primeira é oriunda da DC Universe, a segunda da plataforma CBS All Access e as outras duas são aquisições do Canadá e do Reino Unido, respetivamente.

Esta quinta-feira (14), a CW anunciou a sua grelha para o outono. Sem surpresa, todos esses quatro produtos saltaram para a grelha e todas as séries habituais, com exceção de Supernatural, foram dispensadas. A trama viu as suas gravações suspensas em março, quando faltavam apenas duas semanas para concluir a 15.ª e última temporada. O canal optou por guardar 7 dos 20 episódios desta temporada, que serão agora exibidos neste outono.

O canal aproveitou também para já apresentar a sua grelha para janeiro de 2021, data que considera como o verdadeiro arranque da nova temporada. A grelha inclui: All American e Black Lightning às segundas, The Flash e Superman & Lois às terças, Riverdale e Nancy Drew às quartas, Walker e Legacies às quintas e Batwoman e Charmed aos domingos. Sem regresso marcado, ficam ainda Dynasty, Roswell, New Mexico, Supergirl e DC’s Legends of Tomorrow.

ABC, CBS e NBC permanecem em silêncio quanto ao futuro

A ABC tem estado fechada em copas quanto à sua grelha. Apenas foi divulgado que decidiu deixar na gaveta a nova comédia United We Fall, que deve transitar desta primavera para o outono.

A NBC unicamente deu nota esta quinta-feira (14) da compra da série médica Transplant, proveniente do Canadá.

Já a CBS anunciou que irá reter uma temporada já gravada de The Amazing Race, provavelmente para o outono.

Se ABC, CBS e NBC se comportarem genericamente da mesma forma que a FOX e a CW, poderemos chegar ao outono de 2020 com um número historicamente baixo de séries em exibição e com a generalidade das séries veteranas fora de combate até 2021.

Derrapagem massiva de séries só encontra paralelo na greve dos argumentistas de 2007

A última vez que o mercado televisivo americano passou por uma situação similar foi durante a greve dos argumentistas de 2007. A greve, que durou de 5 de novembro de 2007 até 12 de fevereiro de 2008, provocou intensas quebras nos produtos de ficção disponíveis, levando a uma explosão de outros formatos de entretenimento. Várias séries foram forçadas a ter temporadas substancialmente mais reduzidas. Um desses casos foi Heroes, que viu a sua segunda temporada reduzida a 11 episódios, abaixo dos 23 lançados na primeira temporada.

Desta vez, está a ser uma crise com um maior grau de incertezas e com impactos desiguais. Se os canais de sinal aberto enfrentam uma rápida e profunda escassez de produtos, o mesmo não se deverá refletir nos próximos tempos nos serviços de streaming. De acordo com Reed Hastings, CEO da Netflix, o alinhamento de séries de 2020 está praticamente concluído, com o ano de 2021 já em curso. Assim, a empresa conta lançar ainda mais séries este ano do que em 2019 e, pelo menos em 2020, manter intacto o calendário de lançamentos.

Mais Artigos
Mariza, Carminho e Tony Carreira em nova manifestação do setor da Cultura