Janeiro

Janeiro alterou canção ‘(sem título)’ para que ela passasse na rádio

Numa entrevista dada ao Espalha-Factos e publicada esta quinta (7), o cantor e compositor Janeiro admite que a versão da canção ‘(sem título) 2.0‘ foi criada simplesmente para que a Rádio Comercial a incluísse nas playlists. Refere que “a indústria nos afasta da arte, afasta-nos de nós próprios“.

O tema, que ficou conhecido em 2018, quando o autor concorreu ao Festival da Canção, teve uma nova versão lançada no início deste ano. Janeiro conta que isso aconteceu por proposta da agência que o representa – “A Rádio Comercial aceitou passar a ‘(sem título)’ mas diz que é muito minimalista. Só aceitam passar a ‘(sem título)’ se fizeres um arranjo em que preenchas os silêncios da música”.

O cantor, embora numa fase inicial tenha recusado esta ideia, por defender que “a música vive dos seus silêncios” e por a ter composto de forma minimalista como reação ao que Salvador Sobral tinha feito em 2017, confessa que apenas fez uma ‘(sem título) 2.0’ devido à pressão da indústria, em particular da Rádio Comercial.

“«Queres fazer? É que assim passamos, se não houver silêncios. E eu ok, façam um arranjo com a mesma melodia e a mesma harmonia e só porque tem segundas vozes e uma orquestra já passam? E eles ya. Então bora». É um bocado triste. Se depois as pessoas vêm aos concertos e vão ver realmente quem sou… tudo bem, posso fazer essa cedência. Acho que a versão não me comprometeu, ficou bonita, mas não era assim que a idealizava. Foi meramente para a rádio passar a música“, conta ao EF.

Na conversa com o jornalista Paulo Ricardo Pereira, Janeiro considera que “Há tantas definições [de arte], tantas quanto humanos“, explicando que “se existirem oito mil milhões de humanos, vão existir oito mil milhões de conceções de arte“. O cantor refere que pode haver tentativas de normalização, “criar a crítica e fazer as pessoas pensarem a mesma coisa mas, se pensarem singularmente, vão chegar à conclusão de que acham arte numa coisa que o outro não“, no entanto, é crítico com a indústria – “eu diria que a indústria nos afasta da arte, afasta-nos de nós próprios. Se nós próprios formos a arte então essa frase faz sentido“.

Janeiro foi ao Festival “meio a gozar com aquilo”

O Festival da Canção foi outro dos temas abordados. Janeiro considera que o evento foi uma rampa de lançamento para a carreira – “Criei essa narrativa [da rampa de lançamento] porque fui lá meio que a gozar com aquilo“. O artista acrescenta que tentou juntar uma “barreira ténue entre descomprometimento e a consistência. Por um lado, estou a representar uma canção que é forte, uma balada tuga clássica. Por outro lado, estou a fazer uma performance em que estou a comer uma banana“. 

Notícia atualizada às 19h22 de dia 7/05 com correção sobre a importância do Festival da Canção como rampa de lançamento.

 

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
MEO
Reguladora multa MEO por combinar preços com a NOWO