Teatro Garcia Resende. Foto: Câmara Municipal de Évora
Teatro Garcia Resende. Foto: Câmara Municipal de Évora

25 de abril: celebra a data com a programação especial dos teatros nacionais

O primeiro-ministro desafiou os diretores artísticos dos teatros nacionais D. Maria II e São Carlos, em Lisboa, São João, no Porto, e da Companhia Nacional de Bailado a assinalar o Dia da Liberdade com uma programação artística inovadora para plataformas online, que os portugueses pudessem assistir em casa. Assim nasceu a obra Agora Que Não Podemos Estar Juntos, que vai ser apresentada este sábado, às 16h30.

A proposta de criar uma iniciativa, em tempos de pandemia, que celebrasse esta que é a grande festa da democracia era sobretudo, nas palavras de Tiago Rodrigues, diretor artístico do teatro D. Maria, “um desafio aos artistas para pensarem o que significa celebrar o 25 de abril em que não podemos estar juntos”. Mas os quatro curadores não deixaram de responder ao desafio.

A resposta à proposta de António Costa surgiu com a peça Agora Que Não Podemos Estar Juntos. Encomendada pelos quatro curadores à companhia portuguesa Hotel Europa, reconhecida pelo seu trabalho na área do teatro documental, a obra em vídeo foi criada especialmente para as comemorações deste ano. Esta foi gravada, em grande parte, nos jardins da Residência Oficial do primeiro-ministro, onde normalmente ocorrem as celebrações da data, e também noutros espaços com uma relação simbólica com a Revolução dos Cravos. O filme “evoca a memória e os testemunhos reais de resistentes e combatentes, mulheres e homens, que deram tudo de si na luta pela liberdade, contra a ditadura”, pode ler-se na sinopse.

Vários intérpretes das áreas do teatro, da dança e da música protagonizam as cenas criadas a partir dos relatos de quem combateu a ditadura na oposição. Além dessas memórias da luta pela liberdade e dos testemunhos de quem viveu o dia 25 de abril de 1974, “descobriremos também histórias de amor e amizade vividas num tempo em que eram outras as razões pelas quais não podíamos estar juntos”.

O vídeo é uma primeira parte de um espetáculo futuro, que apenas será apresentado quando a população portuguesa puder reunir-se de novo para celebrar esta data tão importante. Nele os próprios entrevistados vão ser convidados a subir a palco e a contar as suas histórias de luta e resistência contra a ditadura.

Agora Que Não Podemos Estar Juntos vai ser apresentada a partir das 16h30 e pode ser vista através das plataformas online do GovernoFacebook, Portal do Governo, Twitter do primeiro-ministro e no website LiberdApp.

À programação oficial Comemoração Online do 25 de abril em S.Bento”, junta-se ainda uma mensagem de António Costa e duas visitas. O primeiro-ministro inicia a celebração às 15h30, com uma mensagem ao país. Seguem-se as visitas às mostras Design em S. Bento e Arte em S. Bento, pelas 15h35 16h, respetivamente. Podes assistir através das mesmas plataformas.

Agora Que Não Podemos Estar Juntos fecha o programa de uma celebração que, devido à pandemia da Covid-19, não permite sair à rua em conjunto para celebrar. No entanto, os quatro curadores dos teatros nacionais acreditam que “a criação artística poderá reunir-nos à volta de palavras, sons e imagens que reafirmem os valores que, em Abril de 1974 como em Abril de 2020, são os valores com que queremos construir o futuro”.

Imagem: divulgação

As comemorações no teatro não ficam por aqui

Depois dos quatro curadores terem respondido ao desafio do Primeiro-Ministro, outras companhias também quiseram juntar-se às celebrações da Revolução dos Cravos. Entre peças para crianças e pais, cumprindo as recomendações de permanência em casa, a programação é variada e de acesso gratuito.

Companhia de Teatro de Braga
Buraco

Com texto de Regina GuimarãesBuraco foi concebida para ver com crianças a partir dos seis anos. Conta a história de uma menina que não queria ser menina, uma mãe que não queria ser mãe, um pai que se esquecia de ser pai por causa do seu trabalho e um cabeleireiro que despenteava os cabelos”, tudo em vésperas de guerra. A peça, encenada por Rui Madeira e com um elenco que conta com Carlos Feio, Elisabete Piecho, Rogério Boane e Solange Sá, pretende uma reflexão acerca dos preconceitos sobre a guerra que, em tempos de paz ameaçada, são veiculados por agentes só aparentemente alheios à sua lógica triunfante”.

A peça vai ser disponibilizada à meia-noite de sábado, dia 25, na página oficial da Companhia de Teatro de Braga no Facebook, mas pode ser visitada até ao final de domingo (26), no website oficial.

Pára-me de Repente

A peça, do autor Virgílio Alberto Vieiraé um espetáculo sobre Portugal, sobre a Memória, sobre o Sonho ou Pesadelo que carregamos aos ombros”. Com encenação de Rui Madeira e Armando Pinho, e Carlos Feio, Elisabete Piecho, Jaime Soares, Rogério Boane, Solange Sá e Teresa Chaves no elenco, Pára-me de Repente é um espetáculo que se inicia na Guerra Colonial, que nos projeta noutros momentos charneira da nossa história coletiva e nos traz de «volta a casa», exauridos da Viagem e pasmados do Futuro”.

O espetáculo fica disponível à meia-noite de sábado na página oficial da Companhia de Teatro de Braga no Facebook, mas pode ser visitada até ao final de domingo, no website oficial.

Teatro Viriato
E Naquele Dia Saímos para uma Cidade Lavada e Limpa

E Naquele Dia Saímos para uma Cidade Lavada e Limpa é uma performance duracional que parte do projeto Há Revolução na Montanha, que decorre entre 24 e 26 de abril, com várias intervenções que relembram a Revolução dos Cravos. Trata-se de “um dia com a memória passada e presente de uma revolução”. Contadas de várias frentes por Aldina Duarte, Jorge Silva Melo, Joana Craveiro, Alexandra Freudenthal, Estêvão Antunes e Tânia Guerreiro, são muitas as histórias que se foram vivendo ao longo dos últimos 46 anos” e que ocupam os espaços da memória e da imaginação”.

Podes assistir este sábado, diretamente do Subpalco do Teatro Viriato, entre as 8h e as 20h.

Teatro Nacional São João
Macbeth
Macbeth, Teatro Nacional São João
Fotografia: Divulgação

Macbeth, bravo na luta, mas cego pela ambição e desejo de poder, movido pelos conselhos perigosos da sua mulher, mata o rei legítimo e rouba o trono. Desencadeia-se, assim, a tragédia de um casal unido por um nome que, consumido por uma tentação desmedida e furiosa de alcançar o poder, fica cativo do próprio tempo”. Assim se resume a famosa peça de William Shakespeare. Interpretado pelos atores João Reis e Emília Silvestre, e encenado por Nuno Carinhas, tal como na sua estreia no Teatro Nacional São João (TNSJ) em 2017, o espetáculo transporta o público para um “infernal redemoinho”.

A adaptação digital de Macbeth, realizada por Pedro Filipe Marques, já se encontra disponível na Sala Online do TNSJ. Podes vê-la até ao final de domingo, dia 26.

Teatro D. Maria II
O compadre Simplório tem os pés tortos

O compadre Simplório tem os pés tortos trata-se de uma adaptação da obra de José Lemos, publicada em 1959 pelas Edições Ática. O intérprete João Reixa conta a história do distraído Zé Simplório e dos seus pés ‘trocados'”.

A peça vai ser apresentada na Salinha Online do Teatro D. Maria II, a partir das 11h.

Companhia Nacional de Bailado (CNB)
S
S, Tânia de Carvalho
Fotografia: Divulgação

O espetáculo de Tânia Carvalho engloba uma mistura de símbolos. Um contraste de formas. Um mesclado de estilos. Não de forma acutilante, mas aprazível, para que os contrastes entrem em harmonia”. S, gravado a 2 e março de 2018, está disponível na página do projeto Ficar Em Casa Na Nossa Companhia, no website oficial da CNB, até às 15h de 1 de maio.

Teatro D. Maria II
Coleção de Amantes

“Colecionando encontros, Raquel encontra-se com pessoas desconhecidas em apartamentos desconhecidos, juntos tiram pelo menos uma fotografia que comprove uma intimidade”. Assim descreve a sinopse deste trabalho, que decorre desde 2015 e já colecionou 261 amantes” de várias cidades do mundo. Com um conceito e direção da própria Raquel André, revelam-se perguntas como Se amante é quem ama, o que é o Amor? Pode uma intimidade ser listada, descrita ou dissecada? O que guarda uma imagem? Se fosse um homem a colecionar amantes o que mudaria? O que é intimidade?”.

Coleção de Amantes faz parte do projeto Coleção de Pessoas, apresentado em 2015 e em 2017. Agora vai ser apresentado ao vivo na página oficial do D. Maria II no Facebook, às 21h. Depois vai estar também disponível na Sala Online.

Lê também: Guia: a melhor programação para celebrares o 25 de abril

Artigo corrigido às 13h00 de 25/04 com a informação da programação oficial dos teatros nacionais e Governo.

teatros nacionais teatros nacionais teatros nacionais teatros nacionais

Mais Artigos
Anatomia de Grey
Porque ‘Anatomia de Grey’ decidiu infetar personagens com a Covid-19