DONALD TRUMP, TRUMP, press conference, task force

Quem é o culpado da Covid-19? Para Trump é a imprensa.

O Presidente dos Estados Unidos apontou baterias aos media, numa conferência de imprensa 'sui generis'

Os EUA são agora o país mais afetado pelo surto do novo coronavírus, com mais de 550 mil infetados e mais de 23 mil mortos à data (14). O Estado de Nova Iorque está numa situação especialmente preocupante. Mas é em Washington DC que a tensão sobe – na Casa Branca e com Donald Trump.

Nancy Pelosi, Presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, esteve esta segunda-feira (13) em entrevista com James Corden para o The Late Late Show e não poupou nas críticas ao Governo Federal.

Trump “em negação

A representante do Partido Democrata e terceira figura do Estado revelou a Corden não conseguir entender o Presidente ou as coisas que o mesmo faz, expressando preocupação por aqueles que ficam do lado de Trump, aceitando o que o mesmo diz como verdade. “Se não está provado, se não tem base na ciência, dá-se ao luxo de dizer o que quer. E esse luxo não pode ser suportado pelo nosso país.

Pelosi disse ainda que Trump está “em negação“, razão pela qual se recusa a ouvir os especialistas e que justifica a pressa do Presidente de reabrir a economia, que a democrata considera uma decisão assustadora e pouco sustentada.

Segundo a mesma, especialistas têm-lhe apresentado várias e melhores formas de contenção do surto: continuar a testar e assegurar proteção (equipamento, comida e outras condições) aos profissionais de saúde são as medidas principais. “O Presidente diz que estamos em guerra – mas o nosso exército não tem proteção. Eles não têm equipamento para se proteger a si mesmos, eles não têm o equipamento para salvar os outros – isso é errado.

Nancy Pelosi tem sido uma forte inimiga da Presidência de Donald Trump. Basta recordar o bastante mediático momento em que Pelosi rasgou uma cópia do discurso do Estado da Nação do Presidente. A representante foi, também, uma das figuras mais marcantes durante o processo do impeachment, que no início de 2020 ficou esquecido. Desta vez, Pelosi diz que se sente responsável em falar abertamente sobre esta situação de perigo. “Ainda que saibamos que o público nos quer a trabalhar juntos, não podemos encorajar o perigo que ele [Donald Trump] está a causar.

A negação da ciência e a desinformação perpetuada nas redes sociais

A forma como o Presidente dos Estados Unidos tem tratado a informação partilhada por cientistas, que estudam e pesquisam sobre as matérias que chamam à intervenção política das nações para o encontro de uma resposta nacional ou, idealmente, global, não parece deixar de ser ordem do dia.

As primeiras vezes – ou as mais frequentes, até termos uma pandemia em mãos – em que vimos Donald Trump ser atacado por contradizer a ciência, o motivo eram as alterações climáticas: destaca-se o famoso tweet em que questiona “como é que pode haver aquecimento global se está tanto frio em Nova Iorque?”.

Aliás, dois, a um mês de distância. Todos sabem o quanto Trump adora tweetar – e velhos hábitos custam matar.

Em 2020, com uma pandemia a correr nas notícias, Donald Trump tem vindo a ser acusado, por vários políticos e jornalistas, de manipular a informação dentro dos EUA no que concerne ao surto da COVID-19. Estas acusações poderão ser cruciais, tendo em conta que o Presidente também se tem manifestado contra a informação provinda da China, que considera não ser a verdadeira.

A notícia do New York Times

Num tweet publicado durante este fim-de-semana (11-12), Donald Trump erroneamente interpretou um artigo científico do New York Times como dizendo que o vírus começou na Europa. “Então agora o The New York Times notícias-falsas traçou as origens do coronavírus na Europa, NÃO na China.“, leu-se, ironizando ainda: “Isto é novo!

Donald Trump criou então a especulação de que o artigo tinha sido escrito para favorecer a China, que a meio de março anunciou expulsar vários jornalistas americanos de Hong Kong. “Pergunto-me o que o Falhado New York Times recebeu por este [artigo]? […] Eles foram recentemente atirados para fora da China como cães, e obviamente querem voltar a entrar. Triste!

Porém, contrariamente ao espalhado pelo Presidente dos Estados Unidos da América, o artigo do New York Times referia-se aos casos importados: os resultados da pesquisa feita revelaram que a maioria dos primeiros casos de COVID-19 em Nova Iorque foram importados de pessoas que chegaram da Europa. A pesquisa indica que o vírus já estava a circular em Nova Iorque em fevereiro, mesmo antes de se detetar o primeiro caso.

Outra acusação feita por Trump ao New York Times foi a falta de fontes, o que seria contrariado com a simples leitura do artigo, onde figuram comentários de vários cientistas identificados.

Carl Zimmer, o jornalista responsável pelo artigo já explicou a peça no Twitter:

Carta aberta dos jornalistas à FOX

Dezenas de jornalistas juntaram-se numa mensagem dirigida a Rupert Mordoch e Lachlan Murdoch, responsáveis pela FOX, de forma a alertar para os perigos da informação partilhada na FOX News.

O canal, como é revelado logo no início da carta, é um dos meios em que americanos mais confiam no que toca a notícias, e os seus espectadores rondam uma média de 65 anos de idade, colocando-os na frente como grupo de risco no caso de infeção pelo novo coronavírus.

Os espectadores da FOX News são também os mais céticos quanto aos efeitos do surto, uma desconfiança que se foi perpetuando com a informação a que tinham acesso, em que várias vezes os repórteres do canal descredibilizaram o impacto do vírus nos EUA.

No documento, pode ainda ler-se que “os espectadores da FOX News, incluindo o Presidente dos Estados Unidos, têm sido regularmente sujeitos a desinformação passada pela rede – declarações falsas que subestimam a prevalência da Covid-19 e os seus perigos; recomendações enganadoras de atividades que as pessoas deveriam diminuir de forma a protegerem-se a si mesmos e aos outros, incluindo recomendações pontuais da utilização de medicamentos não testados; avaliações falsas do valor das medidas requisitadas ao público pelos seus líderes políticos eleitos e pelas autoridades de saúde pública“.

Por todos os motivos elencados, os jornalistas que assinaram a carta aberta consideram que a Fox News tem sido um perigo para a saúde pública na América do Norte, mas o Presidente não parece concordar…

A conferência de imprensa sobre o coronavírus onde Trump culpou os media

Numa conferência de imprensa na Casa Branca, sobre o impacto do coronavírus no país, Donald Trump mostrou um vídeo que, nas últimas horas, tem vindo a ser apelidado de propaganda. O vídeo foi mostrado aos media e atacava… os media.

No vídeo, podem encontrar-se vários excertos de notícias e comentários passados nos canais televisivos americanos, onde os intervenientes pareciam descartar o impacto do surto no país. Os excertos faziam parte de uma compilação feita pela FOX News, canal que Donald Trump tem privilegiado como “fonte segura“.

Em letras capitais, lê-se que “os media minimizaram os riscos desde o início, enquanto que o Presidente Trump tomou ações decisivas, mesmo quando os partidários atacaram e criticaram“. O vídeo refere ainda que os governadores bipartidários reconhecem o apoio do Presidente, mostrando vários clipes de agradecimento. Trump diz não ter adicionado mais clipes por “não querer tornar aquilo demasiado longo“.

Momentos antes do vídeo ter sido passado, em dois ecrãs atrás do pódio onde Trump falava aos jornalistas, o Presidente dirigiu-se a estes dizendo-lhes que, após o mesmo, poderiam fazer-lhe perguntas e que ele lhes faria perguntas também, “porque são todos tão culpados. Mas, para Trump, o mais importante de momento era “mostrar o sucesso que estão a ter“, através do vídeo que os seus apoiantes montaram.

Os media não têm tratado estas pessoas incríveis de forma justa“, o Presidente proferiu, quando questionado sobre o vídeo. “Eles estavam bastante longe, enquanto nós estávamos muito à frente.” Inclusive, dirigiu-se a uma das jornalistas presentes, Paula Reid, da CBS, afirmando que esta é falsa: “Você sabe que é uma falsa. Toda a sua rede, a forma como fazem a cobertura de notícias, é falsa.

Esta conferência de imprensa tem sido, desde o momento, criticada por vários jornalistas, não só devido às acusações de Donald Trump mas também devido ao facto de a mesma não ter servido o seu propósito: informar sobre a situação atual do surto da Covid-19 no país.

Na televisão, leram-se títulos como “Trump recusa reconhecer erros” e “Trump zangado torna briefing em sessão de propaganda“. Na Internet, surgem comentários como “Sinto que isto é algo que aconteceria numa cena de The Office.”, “As conferências de imprensa de Trump são a coisa mais divertida de se ver na televisão. Lol” ou, ainda, “Esqueçam Tiger King, isto é que é conteúdo bizarro de reality tv“.

Oliver Darcy, um repórter da CNN, adicionou: “Eu sei que isto se tornou numa experiência clichê de pensamento, mas por favor: Conseguem imaginar como os anfitriões e os especialistas da FOX News e na grande imagem dos media conservadores teriam reagido se o Presidente Obama tivesse entrado pela Casa Branca, declarando que o seu poder é total?

Esta declaração gerou alarme para vários, tendo sido acompanhada da frase “se o vou usar ou não, veremos“. A mesma foi usada como resposta quando questionado como é que o Presidente faria com que os governadores dos Estados federados reabrissem a economia. Mas, de acordo com o que é Lei nos Estados Unidos, é falsa. A 10th Amendment of the Constitution consagra que os Estados federados têm poderes policiais para regular durante crises de saúde pública.

De acordo com o Business Insider, Donald Trump já utilizou o argumento do seu poder absoluto antes, nomeadamente para dizer que tem imunidade absoluta de ser investigado enquanto está no poder (o que, como comprovado pelo processo de impeachment, é também falso).

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Night Stalker: Caça a um Assassino em Série
‘Night Stalker: Caça a um Assassino em Série’ chega à Netflix