Fake News

Fake News. O que são e como evitá-las

O termo fake news não é recente. Segundo o dicionário de Merriam-Webster, o conceito existe desde os finais do século XIX. No entanto, o termo tem vindo a ganhar algum destaque recentemente. Também é justo dizer que esse crescimento vem da evolução das redes sociais, que acontece de forma exponencial sem qualquer sinal de abrandar.

Com a pandemia de Covid-19, é fácil sermos apanhados por uma corrente de desinformação. É em tempos onde a informação toma um papel importante que surge a desinformação. E em tempos mediáticos como os que vivemos, com ou sem pandemia, a informação tem sempre um papel importante. Assim, o crescimento da desinformação acompanha.

Com o propósito de evitarmos a ‘imprensa castanha’, temos de primeiro perceber: o que são afinal fake news?

O que são Fake News?fake news

O fenómeno das fake news, ou notícias falsas, consiste na distribuição em massa de desinfomarção e/ou boatos via jornais, rádio, televisão, redes sociais, websites, etc… São escritas com o propósito de manipular o recetor dessa informação. Seja por ganho financeiro (ex: fazer a pessoa aceder ao site para ter a monetização da publicidade digital) ou até político (ex: caso da Cambridge Analytica).

Com toda a certeza, esta definição não cobre por completo a realidade das notícias falsas. Por vezes, podem ser concebidas por uma comunidade que se dedicou a manchar a reputação de alguma figura pública (caso do website 4Chan com Hillary Clinton nas eleições presidenciais de 2016) ou até mesmo de uma empresa ou serviço (mais recentemente, o caso da Houseparty). Muitos motivos podem levar à criação destas notícias, e muitos serviços de informação podem cair nesta cadeia.

Mas de que forma é que o recetor, aquele que recebe a notícia, seja por meio auditivo ou visual, consegue identificar que é um destes casos? A Federação Internacional de Associações e Instituições Bibliotecárias (IFLA) já explicou como é possível fazer isso na ótica do recetor:

  • Considera a fonte: Clica fora da história para investigar o site, a sua missão e contacto.
  • Lê mais: Títulos chamam a atenção para obter cliques. Qual é a história completa?
  • Verifica o autor: Faz uma breve pesquisa sobre o autor. Ele é confiável? Ele existe mesmo?
  • Fontes de apoio: Clica nos links. Verifica se a informação oferece apoio à história.
  • Verifica a data: Partilhar notícias antigas não significa que sejam relevantes atualmente.
  • Isto é uma piada?: Caso seja muito estranho, pode mesmo ser tratar-se de sátira. Pesquisa sobre o site e o autor.
  • É preconceito?: Avalia se os teus valores e crenças podem afetar o teu julgamento sobre o tema noticiado.
  • Consulta especialistas: Pergunta a um bibliotecário, jornalista, ou consulta um site de verificação gratuito.

Como podemos evitar?

Fake News

Apesar da IFLA dar as indicações de como podemos evitar notícias falsas, o combate a esse tipo de conteúdo não deixa de ser uma tarefa complicada. Para um combate efetivo a essas notícias, não depende apenas da imprensa, depende também das pessoas. Pessoas que não verificam a veracidade da informação que recebem, e decidem partilhá-la, são o alvo que estas notícias querem atingir.

A internet mostrou ser útil no nosso quotidiano, e o seu uso generalizado tem vindo a crescer cada vez mais. Mas não está a salvo dos perigos da desinformação. Ao dar liberdade individual ao utilizador, este tem também a liberdade de partilhar, ou até mesmo participar nestas cadeias de desinformação. Contudo, existe legislação que proíbe a partilha de fake news, mas que se foca em rádio e jornais, locais onde o jornalismo cidadão já é proibido por protocolo.

Logo, um dos passos para combater as notícias falsas é não partilhar até ter a certeza que a informação é verdadeira. Se achares que a informação pode ser falsa, tens sempre o recurso ao fact-checking. A verificação de factos é uma área especial do jornalismo investigativo.

Caso não conheças nenhum site de fact-checking em língua portuguesa, está aqui uma pequena lista:

Com todas estas ferramentas, a luta contra a desinformação é possível. Todos nós podemos ser enganados, uma vez ou outra, mas devemos sempre ter em conta formas de nos protegermos contra as fake news. Temos de acabar com a mentira, antes que a mentira acabe connosco ou destrua o jornalismo rigoroso.