listening to music ouvir música álbuns
Fotografia: Burst / Pexels

Quarentena no Sofá: álbuns e artistas para descobrir

Para aproveitar o período de isolamento ou quarentena, podes tirar algum tempo para ouvir álbuns e descobrir novos artistas. O Espalha-Factos recomenda 16 álbuns, desde clássicos estabelecidos, a alguns mais recentes, passando por vários géneros musicais.

A Night At The Opera, Queen (2011 Remaster)

Uma compilação dos cinco primeiros álbuns dos Queen lançada em 2011, este é um dos discos mais influentes de todos os tempos. Nesta setlist, vemos incluídas algumas das músicas mais icónicas da banda e que marcaram várias gerações. É, definitivamente, um álbum que nos transmite boas energias e relembra boas recordações.

Aurora, Sensible Soccers (2019)

Aurora é um daqueles álbuns que nos transporta para uma viagem. Parece que estamos dentro de um automóvel a efetuar uma viagem de Norte a Sul do país, até atingirmos o mar nas praias do Algarve. O terceiro longa duração da banda portuguesa vê a exploração ainda maior da banda das camadas de sons das suas músicas, e tornou-se um dos mais aclamados álbuns pela crítica portuguesa do ano passado.

Auto Rádio, Benjamim (2015) 

Benjamim

Benjamim é, há muito, uma das caras mais conhecidas da música portuguesa, e já partia corações desde os seus tempos de Walter Benjamin, quando compunha em inglês. Em Auto Rádio, o artista explora as profundezas da língua e história portuguesa, criando um disco que se pode facilmente integrar na nova música de intervenção portuguesa. Belo e animado, ouve-se como um programa de rádio, desde os interlúdios ao boletim metereológico.

Bonito Generation, Kero Kero Bonito (2016)

Incorporando elementos de J-pop no seu próprio som, o primeiro álbum de estúdio da banda britânica tem uma ordem de trabalhos: diversão. Mas o que esperar de um álbum que é sobre saltar num trampolim? Bonito Generation foi um dos melhores álbuns de pop da década passada, e não é difícil ver porquê. Todas as faixas irão ficar no ouvido devido às melodias que nos agarram completamente, apesar de uma certa componente excêntrica que encontramos no pop dos KKB.

Every Bad, Porridge Radio (2020)

O novo álbum da banda britânica de post-punk revela uma sonoridade mais trabalhada face aos seus trabalhos prévios. Desde da primeira faixa que as influências de bandas como Joy Division ou Interpol são notórias, mas a banda consegue criar a sua própria sonoridade dentro do género. Um dos projetos mais consistentes do ano até agora.

Immunity, Clairo (2019)

O álbum de estreia de Clairo é rico em pop indie e uma eletrónica suave. Em 11 músicas, a artista consegue transmitir a sua fragilidade, bem comovente e às vezes melancólica. Com canções cujos temas se focam na sexualidade ou saúde mental, este álbum traz a calma necessária nesta altura difícil.

Live at Madison Square Garden, Vulfpeck (2019)

Vulfpeck Live at Madison Square Garden
(Youtube/Vulfpeck)

Os Vulfpeck são uma banda americana cujo som está enraizado nos géneros de funk, soul e jazz. Combinando estes sons com melodias mais atuais dentro do mundo do pop, o concerto no Madison Square Garden, em Nova Iorque, é uma viagem pelos quatro longa-duração que a banda lançou na década passada. Durante cerca de hora e vinte, podemos observar um dos concertos mais felizes e divertidos que teremos a oportunidade de ver e ouvir.

Malibu, Anderson .Paak (2016)

Malibu corresponde ao segundo álbum do rapper e músico Anderson .Paak. Agarrando no género de hip-hop e combinando-o com soul e funk, Malibu é uma viagem até às praias da Califórnia em pleno verão. É um projeto em que todas as melodias e momentos que nele encontramos tem um objetivo: fazer-nos sorrir.

Paper Mâché Dream Balloon, King Gizzard & The Lizard Wizard (2015)

Explorar a discografia inteira dos King Gizzard & The Lizard Wizard é encontrar a exploração de todos os géneros de música, desde thrash metal até eletrónica. Em Paper Mâché Dream Ballon, encontramos a banda australiana num registo acústico e suave, mas sem perder as características da sua música. Perfeito para relaxar em casa.

Parcels, Parcels (2018)

Ficar em casa não é sinal de deprimir! O álbum de estreia da banda australiana traz-nos música que nos irá fazer dançar. Com grooves muito característicos de música disco interpolada com sons mais recentes – o chamado nu-discoParcels é um disco cativante e dançável. Perfeito para mandar aquele passinho de dança na sua sala durante esta quarentena.

Pray for the Wicked, Panic! At the Disco (2018)

O mais recente álbum da banda pop rock americana é um sucesso. Ainda que a com sua essência original, o vocalista, Brendon Urie, tornou as músicas em composições sobre as suas experiências e que acabam por retratar objetivos e opiniões pessoais. Numa mistura de influências sonoras, este é um álbum bem mais alegre do que emotivo.

Revezo, Filipe Sambado (2020)

Filipe Sambado
Fotografia: Pedro A. Pina / RTP

Lançado no início deste ano, Revezo é o disco mais interventivo da carreira de Filipe Sambado (até agora). Sambado bebe de influências tipicamente portuguesas, canta o quotidiano e não tem medo de se afirmar tanto na vida como em novos palcos. A canção ‘Gerbera Amarela do Sul’, composta para o Festival da Canção deste ano faz parte do disco, mas a que leva o troféu é ‘Jóia da Rotina’ – em tempos como este, a rotina é a jóia mais preciosa.

Stratosphere, Duster (1998)

Stratosphere é o disco de estreia da banda americana Duster, lançado no ano de 1998. A melhor forma de descrever o disco para alguém que nunca o tenha ouvido é que corresponde a um transporte da entidade que somos nós para a lua. Associando os géneros de space rock com slowcore, Stratosphere é uma verdadeira viagem psicadélica consagrada pela produção lo-fi mas que lhe confere uma estética inigualável na história da música.

The Dark Side of the Moon, Pink Floyd (1972)

Talvez poucos discos lançados na história da música tenham a capacidade de nos poderem dar um “abraço” como Dark Side of the Moon dos Pink Floyd. Um clássico intemporal, não existem muitas palavras que não tenham já sido ditas sobre ele. Perfeito para estes tempos em que aconchego, tanto físico como psicológico, é essencial para o nosso bem estar.

This Is How You Smile, Helado Negro (2019)

This Is How You Smile é, facilmente, um dos melhores discos de 2019. Editado em março desse ano, este álbum do americano Roberto Carlos Lange (Helado Negro), balança-se entre o inglês e o espanhol, entre a infância e a vida adulta, entre o ser-se latino e ser-se americano. É o disco perfeito para ouvir com atenção, pois o sentimento de calma que nos desperta é imprescindível para tempos como estes.

To Pimp a Butterfly, Kendrick Lamar (2015)

To Pimp a Butterfly é dos melhores álbuns de Kendrick Lamar

No dia 15 de março, fez cinco anos que Kendrick Lamar revelou ao mundo o que muitos consideram ser (até agora) o seu magnum opus. Agarrando nas sonoridades exploradas em good kid, m.A.A.d city, combinando-as com jazz, funk ou soul, e associada a um discurso de consciencialização sobre racismo e homenagem às comunidades negras, To Pimp a Butterfly é um dos álbuns mais bem concretizados da história da música.

Lê também: QUARENTENA NO SOFÁ: HÁ CONCERTOS PARA VER E OUVIR EM DIRETO NA INTERNET

Escolhas de: Ana SilvaKenia Nunes e Miguel Rocha.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Filme_Morangos_02-930x620
Morangos com Açúcar estão de volta à TVI