CCB

Dias da Música em Belém celebram 250.º aniversário de Beethoven

Os Dias da Música em Belém estão de volta ao Centro Cultural de Belém (CCB) nos dias 17, 18 e de 23 a 26 de abril. Este ano a maior festa da música do país celebra o incontornável Beethoven. Da Nona Sinfonia à ópera Fidelio, serão seis dias dedicados ao músico, e o Espalha-Factos diz-te o que não vais querer perder.

Imagem: Divulgação CCB

“Partindo do coração, deve atingir o coração”

Ludwig van Beethoven ocupa um lugar de destaque na história da música pelo seu papel em renovar e inovar a linguagem musical. Nascido em 1770 em Bona (Alemanha), fixa-se em Viena (Áustria) a partir de 1792, onde inicia a sua carreira musical como pianista e compositor na cidade celebrizada por Haydn e Mozart, os seus percursores.

Beethoven deparou-se com, talvez, o mais cruel destino para um músico: tão cedo como em 1802 descobre sofrer de uma surdez incurável. Ultrapassado o desespero, o compositor encontra o seu propósito: falar ao coração da humanidade e passar a sua mensagem de “heroísmo” beethoveniano, a defesa dos seus ideias humanistas e iluministas e da liberdade.

Beethoven vive, aliás, a Revolução Francesa, a invasão de Viena pelas forças napoleónicas e assiste e participa no advento do Romantismo, que ele traz à música. Neste festival, celebrar Beethoven permitirá ver e ouvir a evolução da música do compositor, desde os seus inícios mais fiéis à tradição classicista até às suas mais inovadoras sinfonias, e celebrar a genialidade que alargou as fronteiras de cada género, incluindo a obra para piano e para quarteto de cordas. Será possível assistir a quase tudo nestes Dias da Música em Belém.

O que não deves perder

Foto: Pedro Carneiro | ©Kai Bienert
A Heróica (C1)

Na quinta-feira, dia 23 de abril, pelas 19h, no primeiro concerto do grande fim de semana dos Dias da Música a acontecer no Grande Auditório do CCB, a Jovem Orquestra Portuguesa apresenta a Sinfonia Heróica (Sinfonia n.º 3), uma obra histórica e revolucionária para a música sinfónica, que ganha aqui novas dimensões. Inicialmente escrita em 1802-03, esta é uma reacção à notícia da sua surdez e um hino a Napoleão. Mas, mais tarde, quando é finalmente apresentada ao público em geral em 1805, Beethoven já se tinha desiludido com o estadista, coroado imperador, e altera o nome da peça de Bonaparte para Heróica. A Jovem Orquestra Portuguesa é dirigida por Pedro Carneiro.

Foto: OSP e Joana Carneiro | ©Bruno Simão
Fidelio (D2)

A única ópera de Beethoven, Fidelio é de uma dificuldade acrescida pelo peso de carregar essa distinção. Um hino à mulher, ao amor conjugal e à liberdade e, por isso, mais do que apropriado para a celebrar no fim de semana do 25 de abril. A Orquestra Sinfónica Portuguesa, dirigida por Joana Carneiro, e o Coro do Teatro Nacional de São Carlos, apresentam a ópera de dois atos na versão de concerto, com narração pela atriz Leonor Seixas. A obra, começada em 1804, tem libreto de Joseph Friedrich Sonnleithner, Stephan von Breuning e Georg Friedrich Treitschke, segundo o libreto original de Jean-Nicolas Bouilly, Léonore ou l’amour conjugal. Após três versões, é apresentada no seu estado final em 1814 – a versão que se ouvirá no Grande Auditório do CCB no dia 24 de abril, às 21h30.

Foto: Principal Orquestra de Câmara de Viena | ©Lukas Beck
A recriação do famoso Concerto de 1808 (E3, E4 e E5)

No sábado, 25 de abril, ao longo de três concertos seguidos no Grande Auditório, será possível assistir à recriação do famoso concerto de 22 de dezembro de 1808, uma longa apresentação de seis obras, quatro delas estreias absolutas, que durou quatro horas. Todas as seis, separadamente, se vão puder ouvir nestes concertos com a Orquestra de Câmara de Viena, dirigida por Bruno Borralhinho. Primeiro vai ser poder ser ouvida a Sinfonia n.º 6 e Ah! Perfido, depois a Quinta Sinfonia e excertos da Missa em Dó Maior e, de seguida, o Concerto para Piano n.º 4 (com Peter Rösel) e a Fantasia Coral. Para os últimos dois, junta-se à orquestra o Coro Participativo dos Dias da Música.

As Sinfonias

Ao longo dos vários dias do evento, vais poder ouvir quase todas as sinfonias de Beethoven – das nove, só a segunda e a quarta não entram na programação. Para além das já mencionadas, a Sinfonia n.º 1 vai ser interpretada pelo conjunto Melleo Harmonia no concerto de sábado, 25 de abril, às 16h (E2), também no Grande Auditório. As restantes ficam para domingo.

Foto: OML | ©Marcelo Albuquerque
LÊ TAMBÉM: FESTIVAL DA CANÇÃO 2020. VÊ A PRIMEIRA IMAGEM DO PALCO DA GRANDE FINAL

No dia 26 de abril, o Grande Auditório abre às 15h com a Orquestra da Ópera Estatal da Hungria, dirigida por Nuno Côrte-Real, que apresentam a Sinfonia n.º 7 (F1). Esta continua depois, às 17h, com o Concerto para Violino com o solista Linus Roth.

A Oitava Sinfonia pode ser ouvida às 19h, no mesmo auditório, no concerto da Orquestra Metropolitana de Lisboa, dirigida por Pedro Amaral, que também toca o Triplo Concerto para Piano, Violino e Violoncelo (F3).

Foto: Dinis Sousa | ©DR

A Nona Sinfonia, com o Hino à Alegria, encerra o festival (F4). Às 21h15, no Grande Auditório, a Orquestra XXI, dirigida por Dinis Sousa, e o Coro do Departamento de Comunicação e Arte da Univ. de Aveiro interpretam a icónica sinfonia, cujo tema final se turnou um “hino à fraternindade e união” com uma “mensagem de esperança“, quando o compositor se encontrava “no cúmulo do seu isolamento, incapaz de ouvir a sua própria música”, relembra o maestro.

Concertos Integrais

Durante os Dias da Música em Belém será possível assistir a todos os Concertos para Piano, interpretados por Artur Pizarro numa maratona de dois concertos, dias 23 e 24 de abril, com a Orquestra Sinfónica de Wuppertal (C2 e D1). Um trabalho de resistência que vale a pena assistir, especialmente para os apaixonados do piano.

Além destes, no sábado, 25 de abril, será possível assistir, na sala Luís Freitas Branco, ao integral das Sonatas para Violoncelo e Piano, divididas em dois concertos, às 14h e às 18h (E11 e E13), com o violoncelista Pavel Gomziakov e o pianista Andrei Korobeinikov.

E muito, muito mais…

A programação é, como sempre, extensa. Para além dos já apresentados, esta inclui também muitas das Sonatas para Piano de Beethoven, que podem ser ouvidas no Pequeno Auditório ao longo do fim de semana, uma reinterpretação por Daniel Bernardes das Canções de Diversas Nacionalidades (também no Pequeno Auditório, dia 26 de abril, às 17h)e muita música de câmara.

Foto: Escola de Música do Colégio Moderno | ©DR

As escolas de música do Colégio Moderno, Conservatório Nacional, Academia de Santa Cecília e de Nossa Senhora do Cabo apresentam-se também ao longo do evento, na sala Almada Negreiros.

Para lá dos concertos

O recinto é, este ano, de entrada livre, por isso todos terão acesso aos espetáculos da Companhia Nacional de Bailado, que este ano se apresentam nos Dias da Música, no Palco Nascente, às 15h e às 19h do dia 25 e às 16h e 18h do dia 26. Este ano a dança também marca presença no início: o espetáculo 9 (Neuf), de Cas Public & Kopergietery, inspirado na 9.ª Sinfonia de Beethoven, abre os Dias da Música com apresentações dias 17 e 18, às 14h30 e às 21h.

Contudo, o evento vai para lá dos auditórios e traz também as conferências nos dias 17, 18, 23 e 24 de abril, com entrada livre, e a Fábrica das Artes, com conversas e oficinas de música, durante os dias 25 e 26. Ainda nesses dias acontecem as Masterclasses, que regressam este ano, lecionadas por músicos de referência nacional e internacional: Stephen Gould (voz), Artur Pizarro (piano), Tatiana Samouil (violino), Camilla Nylund (voz), Pavel Gomziakov (violoncelo), Andrei Korobeinikov (piano) e Alissa Margulis (violino). Elas ocorrem na sala Sophia de Mello Breyner Andresen e a participação requer inscrição antecipada até dia 22 de março no site do CCB.

É lá também que podes consultar toda a programação no desdobrável e comprar os bilhetes. Cada concerto é identificado por um código (letra e número), que este artigo disponibilizou. Os bilhetes para os dias 17, 18, 23 e 24 já estão à venda desde dia 21 de fevereiro, e dia 6 de março ficarão disponíveis todos os outros eventos do fim de semana seguinte. Os preços variam dependendo da sala, lugar e evento, entre os 5 e os 22 euros.

LÊ TAMBÉM: LÊ PRIMEIRO, VÊ DEPOIS: OS LIVROS ADAPTADOS AO CINEMA EM 2020
Mais Artigos
Miley Cyrus é a primeira convidada do programa “Holiday Plays”