Imagem: Divulgação / IMDb

Crítica. Harrison Ford é o melhor de ‘O Apelo Selvagem’

6

O Apelo Selvagem estreou-se a 20 de fevereiro nos cinemas portugueses, com Harrison Ford no principal papel de John Thornton. Uma adaptação do clássico infanto-juvenil americano de Jack London para ver em família.

Um clássico americano

O Apelo Selvagem (The Call of the Wild) é a história de Buck, um cão que é roubado à sua família na Califórnia para ser vendido e levado para o norte, onde a procura por cães de transporte é grande devido à corrida ao ouro na região do Yukon, Canadá. Apanhado de surpresa neste mundo muito mais selvagem e agressivo, Buck passa por vários donos e tenta sobreviver à dureza das suas circunstâncias, ao mesmo tempo que sente os seus instintos animais cada vez mais aguçados.

Sem uso de animais verdadeiros

Utilizando a tecnologia mais avançada, o filme criou todos os animais no filme sem recorrer à utilização de animais reais. Sendo este, no entanto, um filme em live-action, não de animação, requer habituação à imagem digital do cão – diferente dos cães reais que estamos habituados a ver em vários filmes deste género. Mas ultrapassado esse aspeto, a verdade é que a tecnologia não só poupa à produção o trabalho de utilizar um cão real, como é, hoje, a melhor solução tendo em conta as cenas mais violentas que envolvem os animais.

O uso do digital permite, também, um maior controlo e, simultaneamente, maior liberdade quanto aos movimentos do cão e às suas reações, que continuam a ser realistas – como qualquer pessoa que tenha um cão pode atestar.

Harrison Ford em O Apelo Selvagem
Imagem: Divulgação / IMDb

Harrison Ford é Jack Thornton

Harrison Ford encarna muito bem o papel principal, o atormentado e solitário John Thornton, uma complexa e emocionante personagem que cria um laço profundo e muito bonito com Buck. É ele o responsável por trazer o realismo, o bom-senso e o sentimento ao filme, numa história onde o protagonista é um cão digital – o que significa também que, na maioria das cenas, Ford contracena, não com um cão, mas com nada, ou com Terry Notary, o ator cujos movimentos foram captados como referência para Buck.

Personagens caricaturadas

No entanto, muitas das outras personagens humanas acabam por ficar subdesenvolvidas na história de Buck, talvez pela própria natureza desta: conhecemo-las apenas quando estas se cruzam com ele. Isto causa uma simplificação das personagens, com vilões caricaturados, especialmente Hal, o burguês ignorante e louco por ouro, interpretado por Dan Stevens. Mas mais que ele e Karen Gillan, que tem uma participação muito curta no filme, são Omar Sy e Cara Gee que têm os verdadeiros papéis secundários na película com personagens que ajudam Buck e servem de espelho para as dificuldades na vida no Yukon.

O Apelo Selvagem
Imagem: Divulgação / IMDb

Para quem é este filme?

Talvez o maior problema de O Apelo Selvagem seja querer ser um filme infantil, com uma abertura que põe a casa a abanar quando Buck corre, e meninas a voar da cama quando este lhes salta para cima, mas com temas bem mais complexos e violência bem mais explícita do que um filme para crianças naturalmente teria. Trata do amor e da lealdade entre um cão e os seus donos, da inumanidade de maltratar os animais, mas também da cegueira demente pelo ouro, da natureza que salienta os nossos verdadeiros instintos, e da dor aquando da perda de um filho.

Acaba por ser um filme que funcionaria bem num público de 10 a 12 anos – como o livro era quando foi originalmente escrito em 1903. Mas quando a película chega uma audiência menos familiar com a obra, torna-se demasiado infantil para o público que o foi ver ao cinema devido ao protagonismo de Harrison Ford nas publicidades e cartazes do filme, e demasiado violento para as crianças que vão com os pais ver, supõem eles, uma doce história sobre um cão e o seu dono.

O Apelo Selvagem vive num estranho intervalo etário que o torna complicado de apreciar na sua totalidade no cinema, mas que certamente chegará aos ecrãs televisivos e deleitará famílias nas quadras festivas.

Mais Artigos
E-Sports
Opinião. Como os E-Sports podem substituir ou melhorar o desporto ao vivo