Tráfico de armas e um aparente e inesperado suicídio. É desta forma que nos são abertas as portas para Auga Seca, a mais recente aposta da RTP no mundo das séries televisivas, na qual se tem vindo a entranhar nos últimos anos. Está, mais uma vez, a fazê-lo em bem, fazendo render a fonte de uma água cristalina, que de seca nada terá.

A trama inicia-se quando Teresa (Victoria Guerra) vê a sua vida dar uma volta ao receber a notícia da morte do irmão. Paulo (João Arrais), com 24 anos, trabalhava como ajudante numa empresa portuária em Vigo, que pertence à sua família galega. A história que circunda o possível suicídio não é consistente e faz todos, desde Teresa aos investigadores, duvidar que assim tenha acontecido.

De Lisboa, a filha de pai português e mãe galega ruma à Galiza para acompanhar a investigação. Desconfiada da veracidade do que tem vindo a ouvir face à morte do irmão, Teresa consegue trabalho na empresa do seu padrinho e acaba por encetar uma investigação paralela, por conta própria, que pretende desvendar o que realmente aconteceu num meio pautado pelo tráfico de armas e a sua relação com o mundo dos negócios.

É assim, entre intrigas de tom policial, que Auga Seca apresenta o que tem para oferecer. A série é uma co-produção da RTP com a Televisión de Galicia (TVG), desenvolvida pela divisão internacional da SP Televisão (SPi) em conjunto com a galega Portocabo. Esta parceria entre as duas estações não é novidade; outros frutos desta junção de forças trouxeram-nos, em 2017, Vidago Palace, série que partiu da iniciativa do canal português.

Desta feita, a ideia surgiu da estação galega. A série, da autoria de Pepe Coira (que já esteve envolvido na escrita de Vidago Palace) esteve dois anos em preparação antes de chegar ao ecrã. O esforço conjunto de duas estações assim o permitiu; é aqui que Auga Seca tem um dos seus principais trunfos face a outros produtos da ficção nacional.

Houve mais tempo para maturar ideias, com a co-produção a permitir diferentes limites, quer temporais quer, até, de investimento para que o projeto possa chegar ao mercado global (reforçado com o apoio do programa Creative Europe – MEDIA, que investiu pela primeira vez numa produtora portuguesa). Esta é, talvez por isso, a primeira série portuguesa (e espanhola) em que os direitos são totalmente pertencentes às companhias de produção e não às emissoras.

Este maior esforço, a ser trabalhado continuamente, vem reforçar a importância de uma parceria como a que a RTP tem com a TVG, que prevê a criação de conteúdos de ficção (para além do entretenimento e da informação) conjuntos e que visam uma maior abrangência de públicos e formas de criação. Segue-se, assim, a aposta da estação pública na criação de conteúdos inovadores como eixos primários da sua programação, juntando-se a uma lista cada vez mais extensa de formatos criados com o intuito de internacionalização.

Victoria Guerra em Auga Seca

Fotografia: RTP/DR

Antes da rodagem, já Auga Seca tinha sido vendida para territórios externos. Depois, estreou no MIPTV (Marché International des Programmes de Télévision) de 2019, em Cannes, um mercado de conteúdos televisivos para co-produção, financiamento, compra e venda de formatos de entretenimento.

O passo para a internacionalização já foi dado: de forma inédita, o projeto deu entrada na distribuidora britânica DCD Rights e foram vendidos direitos de emissão da série para os Países Baixos, a Finlândia e para a Europa de Leste (neste último caso, a ser transmitida pela AMC).

Por aqui, só falta mesmo ver

Se lá para fora Auga Seca (ou Dry Water, o título internacional) é tão apetecível, por cá o caso muda de figura. Sim, as críticas são positivas, mas as audiências aquando da emissão original na antena da RTP1, apesar de razoáveis, ficam aquém daquilo que poderiam ser — estreou com 2,6% de audiência média e 5,9% de share e, ao terceiro episódio,  marcou o pior resultado desde que estreou (2% / 5%). Na Galiza, a estreia (que apenas aconteceu na semana passada), teve 8,1% de share e 68.000 espectadores.

Se olharmos para os números de exibição posterior ou de streaming através da RTP Play, os valores serão certamente mais elevados. O ponto é esse, mas também não o é: se por um lado se nota uma evolução na atenção do público ao que se faz por cá, por outro percebe-se que ainda não é suficiente. Investimentos no diferente do que por cá sempre se fez têm sido bem recebidos, mas não por muitos, pelo menos quando comparado com outros projetos de ficção, o que mostra que Portugal continua a gostar de mais do mesmo.

Lê também: Gigantes. Narcotráfico e o reino do crime na nova série da RTP2

O produto merece atenção. Não só por ser nacional, mas por ser nacional e ser diferente, melhor, cuidadoAuga Seca está, na realidade, longe de ser perfeita — o argumento não é excelente, ainda existindo alusões ao tipo de ficção que reina em Portugal e em Espanha, com uma premissa que não é fora da caixa a um nível espetacular e uma execução que ainda precisa de ser polida. Mas é precisamente entre esses aspetos que se encontram as maiores qualidades da série galego-portuguesa.

Auga Seca

Fotografia: RTP/DR

Por mais que não estejamos a assistir a algo do outro mundo, é um começo para as produções nacionais no que toca à aproximação do que se faz lá fora. Isto não pela lógica (errada) de que o que se faz lá fora é que importa, mas porque a escola portuguesa para este tipo de produtos que só agora se começam a ver em força no país ainda tinha muito que aprender com quem já o faz há muitos e bons anos; quanto muito, aprender mesmo com os espanhóis, que começam a dar cartas na produção de sucessos televisivos globais.

O obscuro e a complexidade da génese humana

Auga Seca é um vislumbre do que a desejada série portuguesa na Netflix (neste serviço, talvez, pela já conhecida aposta em conteúdo produzido localmente em países europeus, com a vibra a que nos habituou) poderia parecer. A série pesca influências da ficção cinematográfica portuguesa, que tem uma sensação muito específica, de estética quase independente, que é difícil de explicar, juntando-as com o thriller policial noir de toque nórdico e com uma intriga ao estilo mediterrânico.

A trama está intrinsecamente conectada com as culturas dos locais em que se desenrola (Lisboa e Vigo), sem descurar o lado mais obscuro e impactante do thriller, se bem que baseado na emoção e na força da ação e da palavra e não nos elementos hollywoodescos de ação pura e dura que não têm lugar na verdadeira génese da ficção europeia.

Mistura-lhe elementos socio-económicos, familiares e de complexidade moral, intrincadamente humanos. Dá-nos tempo para respirar Lisboa e Vigo, aliviando a ponta de tensão que circunda o enredo, tipicamente clássico mas torcido para que se modernize na sua própria essência, com os mecanismos de um género como o thriller a entranhar-se numa panóplia de contextos da lucidez familiar.

A vida de Auga Seca

Para dar vida à trama, surge um elenco com nomes de já garantida qualidade. A encabeçar o elenco, o talento de Victoria Guerra, que faz a densidade emocional parecer fácil. Guerra traz a Teresa uma naturalidade misturada com mágoa solitária, que se transforma em garra determinada. O elenco português conta ainda com os nomes de João ArraisAdriano Luz (que também deu cartas em Sul), Joana Santos, Igor Regala, Joana Manuel, Marta Andrino e João Pedro Dantas.

O elenco galego é também interessante, com Monti Castiñeiras (Mauro Galdón), Sergio Pazos (inspetor Viñas) e Cris Iglesias (Gabriela Ferreiro) a destacar-se. Conta ainda com Eva Fernandez, Santi Romay ou Paloma Saavedra.

Auga Seca

Fotografia: RTP/DR

Uma das particularidades de Auga Seca está na dualidade de idiomas. A série é, supostamente, falada em português e galego, mas o diálogo acontece no idioma da Galiza na maioria das cenas em cada um dos episódios. O que lhe atribui um tom caricato; o facto das cenas não serem faladas em português, na sua totalidade, transmitem uma atmosfera relativamente mística (aproximando-se daquilo que sentimos quando vemos uma série falada numa outra língua não-inglesa) e uma vida própria, mas não suficientemente distinta para que pareça factualmente estranho.

Os atores portugueses, que nunca tinham falado o idioma na sua maioria, fazem-no com relativa maestria, provavelmente graças à facilidade de adaptação idiomática e dialética inerente ao português europeu.

Lê também: Conta-me Como Foi. Rita Blanco alerta produção: “Fazer uma série não é fazer uma novela”

Este thriller, dividido em seis episódios de 50 minutos cada, vem provar que a ficção portuguesa já deixou de ser refém de um tipo de produto que já passou de moda há muito tempo. Numa época planetária para a ficção a nível global, Auga Seca vem, entre as suas falhas a necessitar de ser polidas, trazer algo refrescante e necessário ao nosso panorama.

Mostra, ainda, que se soube aproveitar um orçamento limitado para se produzir algo de qualidade sem grande limite; mostra que é possível. Uma série, entre outras também da RTP, que precisa de ser vista e degustada, para que se invista e se faça cada vez mais e melhor.

Os três primeiros episódios de Auga Seca estão disponíveis para ver e rever na RTP Play. Os restantes três vão para o ar às 22h30 de sexta-feira, na RTP1; na Galiza, a exibição acontece aos domingos à noite.