Got Talent Portugal. A diversidade de ofertas de programação tem levado as estações privadas a largar formatos de renome internacional, muitas vezes dispendiosos e prolongados. São casos disso o Ídolos e o X Factor, que deixaram de ser uma aposta para a SIC, ou ainda o Rising Star, que nunca passou da primeira edição na TVI. A estação pública parece ser mesmo a única a arriscar neste campo.

Em paralelo com o The Voice, que já garantiu uma segunda edição com crianças, o Got Talent Portugal parece ser um formato para manter na antena da RTP. Depois de uma edição única no canal em 2007, e de uma outra em 2011 pela mão da SIC, o Got Talent tornou-se, a partir de 2015, numa constante do primeiro canal.

Com uma nova edição no ar, fomos mais uma vez ao baú para recordar os vencedores daquele que é o programa de talentos mais abrangente da televisão. Neste artigo, o Espalha-Factos recorda as vitórias do grupo vocal Ninfas do Atlântico, do bailarino António Casalinho, da cantora Micaela Abreu e dos ginastas The Artgym Company.

Ninfas do Atlântico – Uma vitória esperada

Ninfas do Atlântico

O grupo Ninfas do Atlântico venceu a edição de 2018

Contrariamente ao artigo dos ex-vencedores do The Voice, que começou com uma vencedora pouco consensual, esta retrospetiva introduz um grupo que desde cedo foi apontado como merecedor do troféu. Com idades compreendidas entre os 16 e os 21 anos, as Ninfas do Atlântico conquistaram, logo na audição, o triplo botão dourado, atribuído por todo o painel de jurados.

O ensemble vocal feminino, que conta com a direção artística de Zélia Gomes, deu voz a temas do universo lírico como ‘Adagio’, dos Il Divo, ‘You Raise Me Up’, de Josh Groban, e ainda ‘Con Te Partiro’, de Andrea Bocelli.  Na primeira gala ao vivo, o jurado Pedro Tochas admitiu que as oito raparigas seriam fortes candidatas a vencer o programa. Uma equação que se concretizou.

Após a conquista, as jovens madeirenses foram galardoadas pela Assembleia Legislativa da Madeira. Apresentados pelo PSD e CDS, os votos de louvor e congratulação foram também votados favoravelmente, e por unanimidade, pelas restantes forças políticas da região autónoma.

Até à data, o grupo feminino não lançou nenhum single ou álbum de originais. No entanto, apresenta-se frequentemente em eventos e concertos na Madeira, tendo atuado no festival NOS Summer Opening 2018.

António Casalinho – De Leiria para o Mundo

António Casalinho

O bailarino António Casalinho venceu a edição de 2017

Se existe alguma notabilidade neste género de formatos, essa será sem dúvida a capacidade que têm em lançar para o mercado artístico nomes capazes de singrar nas mais variadas áreas. No caso de António Casalinho, a vitória no Got Talent Portugal serviu apenas para juntar mais um troféu a uma prateleira repleta de conquistas.

Poderá afirmar-se que a edição de 2017 do programa teve um vencedor antecipado. Na audição, o bailarino fez todo o painel de jurados carregar no botão dourado conjunto, garantindo assim a sua passagem direta para as galas. A técnica e emoções deixadas em palco convenceram o país, que logo após a sua prestação ficou a saber que Casalinho era o melhor bailarino do mundo em dança clássica, na sua faixa etária. A vitória seria ali projetada como praticamente certa.

Na primeira gala ao vivo, o jovem de 13 anos voltou a receber um botão dourado, desta vez por parte do jurado convidado Joaquim Monchique. Com esta confiança do humorista, António Casalinho não precisou sequer de ir a votações do público, estava automaticamente na final. E foi na última fase do concurso, ao som da ópera Acteon de Marc-Antoine Charpentier, que o bailarino confirmou o favoritismo à muito atribuído por jurados e telespectadores.

Sem ainda ter atingido a maioridade, António Casalinho percorre o mundo frequentemente em representação de Portugal. Os prémios são vários, sejam eles o Grand Prix Varna em 2018, o Beijing Internacional Ballet and Choreography Competition (na China, considerado pela comunidade artística como as “Olimpíadas” da dança) ou o primeiro lugar no Youth America Grand Prix na categoria ‘Classical Pas de Deux’, cuja prestação pode ser vista no vídeo acima.

De Leiria para o mundo, Casalinho é considerado uma referência na dança clássica. Como contou em 2018 a Manuel Luís Goucha no Você na TV, aos oito anos a sua agora mentora viu-o dançar pela primeira vez e decidiu, no momento, pedir aos pais para o inscreverem na sua escola, o Conservatório Internacional de Ballet e Dança Annarella Sanchez. O que a professora viu na altura é agora confirmado pelos mais conceituados jurados dos quatro cantos do globo.

Micaela Abreu – A pupila do Manel

Micaela Abreu

A cantora Micaela Abreu venceu a edição de 2016

Conhecido por dar as suas opiniões sem qualquer tipo de receios, Manuel Moura dos Santos é visto pelos concorrentes do programa como o jurado mais difícil de agradar. Também Micaela Abreu admitia antes de subir a palco que o considerava o mais intimidante. Ainda assim, e para surpresa da jovem cantora de 15 anos, foi precisamente ele quem lhe atribuiu o tão desejado botão dourado.

Diretamente da ilha da Madeira – tal qual o grupo Ninfas do Atlântico, com quem na verdade atua com alguma frequência – Micaela Abreu impressionou os jurados ao longo das prestações que teve no palco do Got Talent. Na primeira gala ao vivo conquistou a confiança do público, que lhe deu o passaporte para a grande final onde, pela última vez, venceu o televoto.

Dois anos após a vitória no programa da RTP, lança o tema original ‘Direito à Vida’. A canção, composta por Ricardo Rodrigues, aborda a questão dos direitos humanos, em particular das crianças que sofrem com as atitudes dos governantes mundiais. Um ano depois entra na Royal Academy of Music, em Londres, para frequentar aulas de canto.

Neste ano, Micaela Abreu lançou já dois singles. No primeiro, dá voz a ‘Without Future’, um tema com letra e música do pianista e compositor Victor Santos. Segundo o Jornal da Madeira, será lançada brevemente uma versão em português desta música, com o nome ‘Amar sem Futuro’. A cantora venceu ainda a quarta temporada do Biggest Talent Contest Las Vegas, um concurso online, onde foi premiada com a canção original ‘Angels Sing’.

The Artgym Company – A união faz a força

The Artgym Company

Os ginastas The Artgym Company venceram a edição de 2015

Em 2015 a RTP decidia trazer para Portugal a adaptação de um sucesso britânico, o Got Talent. Depois de uma tentativa em 2007, sob o nome Aqui Há Talento, a estação pública voltou a apostar no formato, desta vez com a denoninação internacional. O programa, que desde aí tem sido aposta forte do canal, sem nunca se afirmar como um fenómeno de audiências, começou com um painel de jurados composto por Manuel Moura dos Santos, Pedro Tochas, Rui Massena e Sofia Escobar.

O primeiro troféu foi entregue ao grupo de ginástica acrobática The Artgym Company, os únicos nesta lista que não conquistaram um botão dourado na audição. Com idades compreendidas entre os 11 e os 13 anos, os jovens da cidade da Maia foram a segbunda troupe acrobática a vencer o Got Talent a nível global. As performances e saltos arriscados, aliados a números de equilíbrio desafiantes, possibilitaram uma vitória atribuída pelo televoto português na final.

Seja em grupo ou individualmente, os membros do Artgym Company contam com diversos títulos de Campeões da Europa e do Mundo nas mais diversas competições internacionais. No ano passado apresentarem a sua última criação – ‘Gravity’ – que classificaram como um “viver as emoções de um mundo cheio de forças, que não se vêem, não se ouvem, apenas se sentem”.

Estes atletas fazem parte do conceituado clube desportivo Acro Clube da Maia, uma instituição que conta com vários medalhados em campeonatos da Europa e do Mundo, participantes em Jogos Olímpicos e em todas as grandes competições internacionais. No final do ano passado, os ginastas deste clube conquistaram várias medalhas de ouro e prata nos Europeus de ginástica acrobática, o que lhes valeu um voto de louvor por parte da Assembleia da República.

Menção Honrosa – Filipe Santos e Abstractin’

O Got Talent Portugal, com esta denominação que se mantém até hoje, foi importado pela RTP em 2015 para o nosso país. No entanto, e como referido anteriormente neste artigo, a primeira experiência com o formato remonta a 2007, também pela mão do canal estatal. Apelidado de Aqui Há Talento!, o programa apresentado por Sílvia Alberto teve como vencedor o grupo de dança Abstractin’. Sem que se voltasse a repetir, o formato saltou para antena da SIC em 2011, passando a chamar-se de Portugal Tem Talento. Na televisão privada, foi Bárbara Guimarães quem comandou as emissões que terminaram com a vitória do beatboxer Filipe Santos. Podes (re)ver as atuações finais destes vencedores aqui:

A quinta edição do Got Talent Portugal estreou a 19 de janeiro e, tal como em 2007, conta com apresentação a solo de Sílvia Alberto. Já o papel de júri é distribuído por Cuca Roseta, Manuel Moura dos Santos, Pedro Tochas e Sofia Escobar. O programa é exibido aos domingos à noite, depois do Telejornal, na RTP1.