Paulo Pires, um dos atores do elenco da telenovela Prisioneira, da TVI, admite, em declarações à revista Nova Gente, a insatisfação com a fraca adesão do público ao produto de ficção do canal de Queluz.

O ator, de 52 anos, reconhece que “há projetos que correm melhor que outros” e que esta telenovela “não foi, de facto, o projeto que correu melhor“. No entanto sublinha que “foi um projeto que viveu por si só de forma digna e que nos lançou desafios e nos deu muito prazer fazer também. Mas a nível de audiência, apanhou ali uma grande mudança“.

Lê também: É oficial: Ljubomir Stanisic continua na TVI

Prisioneira estreou em maio de 2019 e quando começou ainda liderava contra Alma e Coração, da SIC. No entanto, mal a estação de Paço de Arcos lançou Golpe de Sorte, o primeiro lugar fugiu à produção da Plural.

A Prisioneira, novela da TVI

Paulo Pires não esconde que “há uma frustração no geral” e que o elenco e a equipa ambicionam “sempre bons resultados“. “Por exemplo, se eu estiver a fazer um espetáculo de teatro, ele não será melhor se for um espetáculo para 50 ou para 500 pessoas. Não é melhor necessariamente. Mas toda a gente gosta de fazer para 500, como é óbvio, ou até para mais. Nós trabalhamos para o público. É claro que isso é determinante“, explica.

O ex-modelo clarifica que, no entanto, isto não é uma métrica para a qualidade das obras: “Quando uma pessoa faz um filme também quer saber quantas pessoas viram, mas não é a quantidade de pessoas que vai dizer a qualidade do filme, de todo. Não é isso que traduz. Eu não oiço a música que mais vende, não é a melhor.

Os atores não podem só estar a pensar nas audiências, nós não podemos estar a trabalhar e a pensar naquilo que vai vender mais. Não é que isso não possa existir, mas o pensamento tem de ser fazer o melhor possível. Há muitas condicionantes e também não há uma fórmula certa, porque se houvesse todos comprariam e vendiam“, continua.

Paulo Pires, que ainda está no ar com Prisioneira, atualmente na segunda temporada, vai iniciar agora um período de férias. Nos cinemas pode também ser ouvido como uma das vozes portuguesas da dobragem de As Aventuras do Dr. Dolittle.