FlorCaveira | Vera Marmelo
FlorCaveira | Fotografia: Vera Marmelo

FlorCaveira comemora 20.º aniversário com a reedição digital de 20 álbuns

“Em 2020 a FlorCaveira desenterra 20 clássicos para celebrar o seu 20.º aniversário”, lê-se no comunicado de imprensa da editora discográfica FlorCaveira, uma das mais importantes no panorama da música independente portuguesa, que nos deu a conhecer grandes músicos nacionais. A transição da adolescência para a vida adulta traz novas responsabilidades à editora: a partir do dia 16 de janeiro, passa a ser também agência.

Para já, a agência FlorCaveira tem seis músicos sob a sua égide. São eles Tiago Cavaco, o grande responsável por esta editora/agência; O Martim, que para além de ter composto verdadeiros clássicos como ‘A Cinderela do Cais’, oferece-nos, no seu canal de YouTube, alguns dos melhores telediscos nacionais; Lipe (ex)-vocalista dos Pontos Negros, que ingressa agora numa carreira a solo; Manel Ferreira, autor de belo folk, já com três discos no currículo; Jacinto Manupela, escritor e ex-integrante d’Os Quais, que detêm o prémio do melhor Meio Disco da música portuguesa; e José Camilo, um verdadeiro punk rocker, “voz tabágica” incluída.

“Religião e Panque Roque desde 1999”

Fundada por Tiago Cavaco – ou Guillul, que é Cavaco em hebraico – em 1999, a editora começou de uma maneira bastante informal, a partir de um website onde o “núcleo duro” partilhava textos, crítica musical e bandas desenhadas, gravando canções paralelamente. Entre 1999 e 2002, a FlorCaveira viveu a sua “pré-história”, com a gravação de canções não catalogadas que viriam a dar origem ao disco “8 canções de Tiago Guillul”, com participações de Samuel Úria e Bruno Morgado.  Abriu-se, assim, o precedente para a gravação de muitos outros mais, tanto das várias bandas de Guillul e dos primeiros florcaveiras, como de vários outros artistas que se foram juntando posteriormente.

A FlorCaveira nasceu no seio da Igreja Protestante, onde Guillul é pastor. Da família fazem parte nomes como Samuel Úria, Os Pontos Negros, João Coração, Alex D’Alva TeixeiraJoão Eleutério, o herege B Fachada (o primeiro a lançar um disco com palavrões, rotulado com o aviso “Este objeto fonográfico não contém ortodoxia cristã”, como nos conta Guillul na série documental da Antena 3, I Love My Label) e Jorge Cruz. A renovada paixão de Cruz pelo rock’n’roll cantado em português fez nascer os Diabo na Cruz, banda que formou juntamente com Bernardo BarataJoão GilJoão Pinheiro e B Fachada, e cujo primeiro EP, Dona Ligeirinha, foi editado pela FlorCaveira.

Lê também: BILLIE EILISH É A ESCOLHIDA PARA INTERPRETAR TEMA DO PRÓXIMO 007
Diabo na Cruz
A formação original de Diabo na Cruz

A editora surge enquanto contra-movimento à grande epidemia dos anos 1990 – músicos portugueses a cantarem em inglês. Na sua apresentação, a FlorCaveira manifesta-se enquanto “gente a sério, a tocar a sério, cantando palavras a sério.” Aqui, os artistas cantam em português, e no álbum IV, de Guillul, podemos encontrar uma música-manifesto contra a “saloiice” de se cantar em inglês quando se tem uma língua tão rica para explorar.

Tu que falas numa língua estranha

E não foi o Espírito Santo que te a deu

Tu és o inimigo

Louvação aos 20 anos de FlorCaveira

A última grande celebração pública da família FlorCaveira deu-se com o décimo aniversário e consequente reedição do disco IV, de Tiago Guillul. O original foi um dos discos que marcou 2008 como um dos melhores anos da música portuguesa da década de 2000, e a reedição conta com a participação de vários nomes importantes para a história da editora. Para além dos habituais, podemos encontrar parcerias com Luís Severo, HMB, Benjamim, Filipe Sambado, Tiago Bettencourt e Manuel Fúria. A grande festa de aniversário deu-se a 29 de novembro de 2018 num animadíssimo concerto no B.Leza.

FlorCaveira
Dez anos de IV | Fotografia: Vera Marmelo

A mini-residência de Samuel Úria no Musicbox “Pés de Roque Enrole” foi também um exercício carregado de revivalismo dos primeiros anos de FlorCaveira, onde tirou do baú músicas transpiradas de “panque-roque do Senhor” de Samuel Úria e as Velhas Glórias (Samuel, Guillul e Eleutério) e d’Os Ninivitas.

A continuação da celebração da FlorCaveira dá-se com a reedição digital de 20 discos, que acontecerá ao longo dos próximos meses. De quinze em quinze dias, serão relançados discos que marcaram a história da editora.  O primeiro ficará disponível para o público já no dia 17 de janeiro.

FlorCaveira
Selo FlorCaveira

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Cristina Ferreira
Petição de Cristina Ferreira contra cyberbullying ultrapassa 35 mil assinaturas