Juiz do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, no Brasil, justificou a decisão com a intenção de “acalmar os ânimos” de uma “sociedade brasileira, maioritariamente cristã“.

No fim do ano passado a produtora de vídeos de comédia Porta dos Fundos e a Netflix chegaram a acordo para um novo especial de Natal em 2020, revelou O Globo. Apesar da plataforma não divulgar dados sobre a audiência do novo e polémico “Especial de Natal: A Primeira Tentação de Cristo” esta foi uma das produções brasileiras com maior audiência de sempre no Brasil no serviço de streaming da Netflix, isto segundo a mesma fonte.

Agora, e segundo o jornal O Globo, o juiz desembargador Benedicto Abicair, ordenou na passada quarta-feira (dia 8) que a Netflix retire do Brasil a exibição do filme e estipulou uma multa de 33 mil euros por cada dia que a plataforma demore a cumprir a proibição.

O pedido de suspensão da exibição do filme foi feito pela Associação Centro Dom Bosco de Fé e Cultura, uma entidade conservadora católica, que em primeira instância viu o seu pedido negado. Agora o desembargador Benedicto Abicair discordou da decisão e defendeu que “As consequências da divulgação e exibição da ‘produção artística’ (…) são mais passíveis de provocar danos mais graves e irreparáveis do que a sua suspensão” e acrescentou ainda que a suspensão do especial de Natal é benéfico “não só para a comunidade cristã, mas [também] para a sociedade brasileira”, justificou o juiz desembargador.

Esta decisão do juiz ainda é provisória e o processo será ainda reavaliado em julgamento, no qual se decidirá definitivamente se a exibição do filme é ou não legal no Brasil.

Este artigo foi publicado originalmente na Comunidade Cultura e Arte.