A Despedida Quarentena NO sOFÁ
Fotografia: Nos Audiovisuais/divulgação

Crítica. ‘A Despedida’: uma celebração da vida familiar

A Despedida, de Lulu Wang, trata-se de uma obra cheia de emoções que chega a ser poética pela forma como é trabalhada. A narrativa baseia-se numa mentira criada por uma família chinesa real, mas adequa-se a qualquer cultura.

A certeza da morte afeta a vida de todos e é daí que surge uma maior união e vontade de aproveitar todos os momentos possíveis com aqueles que nos são próximos.

Na história acompanhamos Billi (Awkwafina), uma norte-americana de origem chinesa que regressa à China ao saber que a avó Nai Nai (Shuzhen Zhao) tem uma doença terminal. Toda a família conhece este facto e decide escondê-lo para que Nai Nai não tenha de suportar esse fardo emocional e viva o tempo que lhe resta de forma despreocupada. Segundo o que é defendido no argumento esta prática é usual nas famílias chinesas, pois quem adoece com cancro morre não da doença, mas devido ao medo.

Para que todos tenham a possibilidade de se despedirem da avó arranjam um casamento falso como pretexto para juntar toda a família na China.

O filme não se limita apenas a tratar a morte como pano de fundo na vida de uma família. Vai mais longe explorando, desde o começo, a forte relação entre Billi e a sua avó Nai Nai.

Fica claro que não há nenhuma relação que se assemelhe à que temos com as nossas avós. São como segundas mães, amigas e confidentes. Daí custar tanto a ideia da sua perda.

A Despedida
Fotografia: Nos Audiovisuais/divulgação

Apesar de ter uma temática pesada e uma banda sonora com um constante tom lamurioso, o filme consegue alcançar alguns momentos em que o espectador pode suspirar e até sorrir. A integração na família dá-se, porque seguimos de perto a neta e o segredo que esta e toda a família mantém.

O espectador torna-se cúmplice da mentira e sofre com a consciência da mortalidade, da finitude que é inerente a todos os momentos de felicidade vividos em família.

As diferenças culturais

O filme toca em várias questões culturais e é interessante ver como na China é realizado um casamento, um funeral, como se faz o luto e como se celebra em momentos de festa. Além disso, em vários momentos é feita uma comparação entre a China e a América, evidenciando a forma como os chineses se adaptam ou não ao sistema americano enquanto emigrantes. Este tema é trabalhado de forma muito superficial, o que faz a sua presença parecer muito forçada no argumento.

A Despedida
Fotografia: Nos Audiovisuais/divulgação

Além disso, a narrativa parece querer dar informações sobre a vida de Billi na América, mas acaba por deixar tudo numa incógnita. O foco poderia antes ter sido na Nai Nai e talvez no seu passado isolado ou com a neta. Flashbacks teriam sido uma boa opção.

Um filme aclamado pela crítica

A Despedida é um filme com um toque bastante sensível por ser tão próximo do real. Celebra a vida familiar com a constante presença duma nuvem negra, misteriosa e imprevisível: a morte. Apesar desta ser temida por todos, é também o que faz esta família reunir-se e valorizar tanto os momentos mais simples como sentarem-se a uma mesa a comer e conversar.

Para além da grande recepção por parte da crítica, a obra de Lulu Wang arrecadou vários prémios no Festival de Sundance Londres e nos Gotham Awards. Nos Estados Unidos 20 milhões de espetadores assistiram ao filme, revelando já um enorme acolhimento por parte do público.

O filme foi também nomeado para os Globos de Ouro nas categorias de Melhor Filme de Língua Estrangeira e Melhor Atriz em filme de Comédia/Musical. A atriz que interpreta o papel de Billi, Awkwafina, venceu este último prémio.

A Despedida estreia esta quinta-feira (9) nas salas de cinema portuguesas.

LÊ TAMBÉM: GLOBOS DE OURO 2020: OS VENCEDORES
'A Despedida' - uma celebração da vida familiar
Realização
8.8
Argumento
8.5
Representação
8
Fotografia
8.5
Banda sonora
8.5
Reader Rating1 Vote
10
8.5
Mais Artigos
Call Me By Your Name
‘Call Me By Your Name’: Timothée Chalamet e Armie Hammer confirmados na sequela