Estamos a encerrar 2019 e, consigo, a segunda década do século XXI. Hoje, uma década parece passar  mais rapidamente do que há 50 anos atrás, e as diferenças na música não são uma excepção – independentemente da onda nostálgica que tem vindo a surgir na pop.

Antes de arrancarmos para 2020, e ao longo de dez artigos, o Espalha-Factos traz-te uma retrospetiva da Música da última década.

Grammys e VMAs 2009

À esquerda, a atuação de M.I.A. nos Grammys, bastante grávida, com Lil Wayne, Kanye West e Jay-Z (Mark J. Terrill/AP). À direita, a performance de Lady Gaga, do seu single “Paparazzi”, nos VMA (Kevin Mazur/WireImage). Ambas em 2009.

Em junho de 2009, por motivos ainda discutidos, morria o único Rei da PopMichael Jackson. E se a morte de um dos maiores artistas pop até ao momento não foi suficiente para caracterizar uma mudança no panorama musical da década seguinte, também foi em 2009 que assistimos à premiação mais polémica da década: os MTV Video Music Awards do mesmíssimo ano.

Antes que te esqueças, o Espalha-Factos apresenta-te como se fez pop nos anos 2000.

Os preferidos dos anos 90

A década começou com a dominância das boysband e os solo artists favoritos dos anos 90.

Os ‘NSYNC e os Backstreet Boys foram os favoritos do público, especialmente jovem, no início dos 2000. Mas cedo veríamos os ‘NSYNC a separarem-se, em 2002, oficialmente em 2007, e dessa separação a sair o talento bem explorado de Justin Timberlake.

Os Backstreet Boys, ainda que continuemos a cantar de forma entusiasta a ‘I Want It That Way’, eventualmente deixariam de estar na ribalta, dando lugar a artistas mais novos e a diferentes estilos dentro do pop.

Também dos 90’s chegaram a Britney e a Christina. Ambas são bem conhecidas, uma cantando-nos que somos bonitos não importa o que nos digam, ou entregando-nos uma performance coletiva bastante arrojada com um leque de artistas que impactaram as duas primeiras décadas deste século: a Christina Aguilera juntaram-se P!nk, Lil’ Kim e Mýa em ‘Lady Marmelade’.

Do outro lado, Britney Spears foi uma menina mal-comportada na escola e uma hospedeira de bordo de reputação questionável. A estrela da pop, eventualmente, ensinou-nos que não importa o quanto a fama nos dá, porque isso não substitui a saúde mental – referimo-nos ao seu meltdown em 2007, cujas imagens falam por si. (Felizmente, no final de 2008 as coisas já estavam a melhorar.)

Britney Spears

Britney Spears com Justin Timberlake nos AMA, 2001 (Mark J. Terrill/AP); a fase do “breakdown” da cantora, em 2007; Britney Spears nos VMA 2016 (Allen Berezovsky/WireImage)

E de 2005 para lá…?

Enquanto Britney se eterniza nas nossas playlists dos anos 2000 como uma das princesas da pop, Avril Lavigne mostrou-se forte no meio da década como a princesa da punk (um punk pop, vá). E, na altura princesa, hoje possivelmente rainha, do R&B: Beyoncé.

Ninguém esquece o ‘Dilemma sentido por Nelly e Kelly Rowland, mas a primeira metade da década fechou com chave de ouro: Mariah Carey. Depois do sucesso da década anterior – que ainda hoje o é – com a música de Natal repetida em todos os estabelecimentos (e casas), regressou em 2005 com The Emmancipation of Mimi, que contou com êxitos como ‘We Belong Together’.

Agora vamos ao que era aceitável nos 80’s, começando por Calvin Harris. É ainda na primeira década do século XXI que começamos a ver o crescimento da música eletrónica.

Este género intensificar-se-ia especificamente nos últimos anos, quando nomes como Calvin Harris ou David Guetta começam a fazer parte dos tops musicais. Aliás, em 2008, David Guetta já era reconhecido como um dos DJs mais influentes do mundo, e em 2009 o single When Love Takes Over’ (ft. Kelly Rowland) é uma das provas. Quanto a Calvin Harris, ouvimos falar mais dele na década seguinte.

E o que mais nos interessa no final desta década tem três palavras:

Black Eyed Peas

Tudo começou com o desejo pela paz mundial patente no seu primeiro hit, ‘Where Is The Love?’, ainda em 2003. Hoje, não há ninguém que não reconheça um “don’t phunk with my heart” ou os versos de ‘Pump It’ que, para os mais curiosos ou para os mais desatentos, é inspirada na canção ‘Misirlou’, de Dick Dale, na soundtrack de Pulp Fiction (1994).

Em 2009, alcançavam o mundo com Boom Boom Pow’ e, especialmente, ‘I Gotta Feeling’ – produzida por David Guetta e will.i.am. Êxito internacional que, inclusive, juntou-se aos portugueses no Mundial de Futebol do ano seguinte.

Só com estes singles, conseguiram alcançar o topo da Billboard Hot 100 por mais de dez semanas. O álbum The E.N.D. (cujo título significa “Energy Never Dies”), esteve também no topo da Billboard 200 em 2009, a lista de álbuns mais vendidos e melhor classificados nos Estados Unidos. Mas não é tudo: quando ‘I Gotta Feeling’ foi promovida enquanto single, os tops musicais ficaram com os dois primeiros lugares presos nos Black Eyed Peas, alternando as posições entre este segundo single e ‘Boom Boom Pow’. Com o terceiro, ‘Meet Me Halfway’, os Black Eyed Peas dominaram os charts durante 30 semanas consecutivas em 2009.

Black Eyed Peas, 2009

Black Eyed Peas em 2009 (Jeff Kravitz/FilmMagic)

Mesmo com uma existência e discografia vasta em toda a primeira década deste século, e apesar de continuarem teoricamente juntos (com vários hiatos pelo meio), as carreiras a solo dos seus membros são também de louvar: nos  anos 2000, Fergie já tinha a sua base de fãs, e nos 2010’s, will.i.am alargou a sua com várias colaborações de ouro – a título de exemplo temos ‘Scream & Shout’ (2012) com Britney Spears.

Uma lista de singles em destaque:

  • Christina Aguilera, ‘Beautiful‘ (2002)

  • Maroon 5, ‘This Love‘ (2002)
  • Las Ketchup, ‘Asereje‘ (2002)
  • Eminem, ‘Without Me‘ (2002)

  • Nelly Furtado, Timbaland, ‘Promiscuous’ (2006)
  • Avril Lavigne, ‘Girlfriend’ (2007)
  • Rihanna‘Don’t Stop The Music’ (2007)

  • Sean Kingston, ‘Beautiful Girls’ (2007)
  • MadonnaJustin Timberlake e Timbaland, ‘4 Minutes’ (2008)

  • Beyoncé, ‘Halo‘ (2008)
  • Katy Perry, ‘Hot N’ Cold‘ (2008
  • Lady Gaga, ‘Poker Face’ (2008)
  • Taylor Swift, ‘Love Story‘ (2008)
  • Ke$ha, ‘Tik Tok‘ (2009)

Lê também: Pussycat Dolls de regresso em 2020