Hungria Eurovisão
Créditos: Andres Putting / Eurovision.TV

A Hungria sai da Eurovisão por ser “demasiado gay”? Talvez, mas não oficialmente

A 13 de novembro foi confirmado pela EBU (European Broadcasting Union) que a Hungria não ia participar do Festival Eurovisão da Canção 2020, a decorrer em maio em Roterdão, Holanda. A 27 de novembro, o The Guardian escreve que talvez a Eurovisão seja “demasiado gay” para o governo de extrema-direita que está atualmente no poder na Hungria.

Recuando a 29 de outubro, a MTVA (canal que até hoje organizava a participação húngara no Festival) fez um comunicado a anunciar que o A Dal, o programa que servia de seleção do concorrente húngaro à Eurovisão, não iria na sua edição de 2020 selecionar o candidato húngaro ao concurso sendo que a justificação dada na altura foi de que “em vez de fazer parte do Festival Eurovisão da Canção 2020, vamos apoiar diretamente o valor das produções criadas pelos talentos da música pop húngara”, reduzindo a competição ao nível nacional.

Desde então não surgiram mais nenhumas justificações por parte da MTVA sobre a participação da Hungria no Festival, sendo que nunca foi dito de forma expressa que a Hungria sairia da Eurovisão 2020, o que abriu portas à possibilidade de anúncio de outro formato ou de uma seleção interna.

Lê também: Benfica dá ‘boost’ à TVI nas contas de novembro

Foi apenas a 13 de novembro, aquando do anúncio dos 41 países participantes na edição que acontece em Roterdão, que foi publicamente revelado que a Hungria não iria fazer parte da competição na sua edição de 2020.

Mais recentemente, e face à falta de explicações da MTVA, surgiram na imprensa mundial declarações de um jornalista não identificado na peça do The Guardian, apenas caracterizado como um apoiante do Órban – o atual primeiro-ministro húngaro – em que caracteriza a Eurovisão como uma “armada homossexual” e é concluído que dentro da MTVA é consenso, por parte dos trabalhadores, que a Hungria se retirou do Festival por este não comungar da visão do Governo húngaro, que lançou recentemente políticas intituladas de “a família primeiro”, conectadas com o aumento da retórica homofóbica promovida pelo estado.

A Hungria sai mesmo do Festival por ser “demasiado gay”?

Segundo declarações da MTVA, prestadas a 28 de novembro em reação às notícias internacionais espoletadas com o artigo do The Guardian, a estação reitera o seu comunicado anterior e que a decisão de sair do certame justifica-se com a aposta reforçada que querem fazer no seu formato nacional A Dal e no acompanhamento posterior aos artistas.

Ainda em reação às várias publicações internacionais que deram a notícia da saída da Hungria da Eurovisão por ser “demasiado gay”, Zoltan Kovas, Secretário de Estado para as Relações Públicas do Governo Húngaro, diz no twitter que esta é uma história “sensacional, fabricada para alimentar uma agenda liberal” e caracteriza as notícias como “fake news”.

De relembrar também que na edição de 2019 da Eurovisão, apresentada em Telavive, a Hungria não conseguiu apurar-se para a Grande Final, a primeira vez que aconteceu em 10 anos e apenas a terceira vez que acontece desde que as semifinais foram instituídas em 2005. Outros países, como Andorra e o Mónaco, não participam do Festival por acreditarem não valer a pena, face aos potenciais maus resultados que podem ter nas votações.

Sabendo isto, e além do desmentido da MTVA, junto dos fãs da Eurovisão a opinião consensual é de que a Hungria, atualmente sob o governo de Orbán, não se revê nos valores eurovisivos de inclusão, multiculturalismo e celebração das diferenças, além de também não apoiarem a promoção da visibilidade LGBT, algo em que a Eurovisão sempre foi pioneira no panorama da televisão europeia e mundial.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
the flight attendant
‘The Flight Attendant’. Kaley Cuoco de volta em thriller com humor da HBO