Desde 1996 que a 21 de novembro se celebra o Dia Mundial da Televisão. Com a década de 2010 a entrar nos seus últimos capítulos, o Espalha-Factos reuniu os dez programas que mais marcaram os portugueses durante os últimos dez anos.

Laços de Sangue (2010 – 2011)

A novela da nossa gente, como foi apelidada, marcou um virar da página na ficção da SIC. Responsável por atirar Joana Santos para a ribalta, ao interpretar a cruel assassina Diana Silva, Laços de Sangue destacou-se por conseguir virar os holofotes para a produção do terceiro canal, desviando a atenção que antes estava centrada na TVI. Com uma média de 950 mil de telespectadores e 27,8% de share, Laços de Sangue foi um sucesso de audiências e chegou a liderar várias vezes face à concorrência. O episódio final bateu todos os recordes e foi líder absoluto, imortalizando a cena em a vilã morre asfixiada nos últimos minutos da trama.

Responsável por bons números, a novela assinada por Pedro Lopes veio a vencer o Emmy Internacional na categoria de Melhor Telenovela, seguindo os passos de Meu Amor, da TVI.

Secret Story – A Casa dos Segredos (2010 – 2018)

Adorado por muitos, odiado por outros, A Casa dos Segredos é capaz de ser o programa mais comentado da década. Com sete edições e outras especiais, Secret Story estreou em 2010 com a apresentação de Júlia Pinheiro. O formato em que os concorrentes estão fechados numa casa enquanto lutam para esconder os seus segredos foi um grande sucesso de audiências, mas foi com a apresentação de Teresa Guilherme, durante a segunda edição, que o formato alcançou números só vistos pelo Big Brother.

Entre polémicas, escândalos e segredos, Secret Story é o reality-show mais visto e mais comentado da década, tendo chegado a alcançar os dois milhões de telespectadores em algumas galas. Devido ao fenómeno de A Casa dos Segredos, a TVI iniciou um grande conjunto de apostas em formatos do género, como Big Brother VIP, A Quinta, Biggest Deal e Love on Top, mas nenhum alcançou os números marcados por Secret Story.

A última edição do formato foi apresentada por Manuel Luís Goucha, após Teresa Guilherme ter sido afastada da TVI e das últimas edições terem registado quedas em relação às anteriores.

The Voice Portugal (2010 – atualmente)

O talent-show mais comentado da década de 10 foi, sem dúvida, The Voice Portugal. Atualmente na sua sétima edição, o primeiro ano do programa foi apresentado por Catarina Furtado e tinha como júri os cantores Rui Reininho, Paulo Gonzo, Mia Rose e o grupo Anjos. Na terceira edição, Mickael Carreira, Anselmo Ralph, Mariza Liz e Áurea substituíram o anterior grupo.

O programa, apesar de nunca ter sido muito expressivo em termos audimétricos, é competitivo e chegou a liderar as noites de domingo. No entanto, o seu sucesso vai muito além dos números de audiência. O canal de Youtube do programa está constantemente nas Tendências, com algumas das atuações a conseguirem várias milhões de visualizações.

Dos vencedores de The Voice, Fernando Daniel é o que conseguiu mais sucesso, sendo atualmente um dos artistas mais populares de Portugal.

Peso Pesado (2011 – 2015)

O primeiro grande programa apresentado por Júlia Pinheiro na SIC, após a sua transferência em 2010, foi Peso Pesado, a adaptação portuguesa de The Biggest Loser. O reality-show foi um grande fenómeno na primeira temporada, marcando 18,4% de rating e 44,8% de share na estreia. Ao longo de três meses, os portugueses acompanharam a luta dos concorrentes contra o excesso de peso, culminando na final que registou 52,1% de share, números raríssimos para a televisão portuguesa atualmente.

A segunda edição, no entanto, foi assegurada por Bárbara Guimarães, mas registou cerca de metade dos valores alcançados pela temporada apresentada por Júlia Pinheiro. A apresentadora da SIC acabou por se dedicar somente a apresentação de Querida Júlia, que durante quatro anos lutou para fazer a diferença nas manhãs, sem nunca o ter realmente conseguido. Júlia Pinheiro regressou, mais tarde, ao horário nobre da SIC com Sabadabadão e Splash!, mas nenhum deles teve o impacto de Peso Pesado.

A Tua Cara Não Me É Estranha (2012 – 2019)

Adaptado do formato espanhol, A Tua Cara Não Me É Estranha colocou caras conhecidas a interpretar famosos artistas, numa competição. Apresentado por Manuel Luís Goucha e Cristina Ferreira, na altura os apresentadores do talk-show das manhãs que arrasava a concorrência, Você na TV!, o programa atingiu elevados números e permanece como o mais visto entre 2010 e 2019.

A segunda edição do programa, transmitida entre abril e junho de 2012, registou uma média de 19,2% de rating e 47% de share, sendo a edição mais vista de qualquer programa transmitido a um domingo durante a atual década. O fenómeno foi tão grande que levou a estação de Queluz a apostar em três edições seguidas em 2012, todas elas com grande sucesso.

A última edição, em 2019, foi apresentada apenas por Maria Cerqueira Gomes, que apresenta o talk-show das manhãs da TVI com Manuel Luís Goucha, após a saída de Cristina Ferreira para a SIC.

Dancin’ Days (2012 – 2013)

Protagonizada por Joana Santos e Soraia Chaves, Dancin’ Days é o remake de uma novela da Globo dos finais da década de 70. Assinada por Pedro Lopes – autor de novelas como Laços de Sangue, Sol de Inverno ou Coração D’Ouro – a novela roubou a liderança, pela primeira vez, às novelas da TVI. A concorrer inicialmente contra Louco Amor, Dancin’ Days começou a afastar-se da rival e consolidou-se como a única líder. Com quinze meses de exibição, Dancin’ Days marcou uma média final de 15,8% de rating e 32,3% de share, tornando-se a telenovela portuguesa mais vista da década.

A Única Mulher (2015 – 2017)

Depois de um período atribulado na ficção, em especial caracterizado pela perda da hegemonia nas audiências, a TVI estreou em 2015 a telenovela de Maria João Mira, A Única Mulher. Protagonizada por Rita Pereira, Lourenço Ortigão e Alexandra Lencastre, a trama da TVI fez história ao ser a primeira novela protagonizada por uma atriz negra, Ana Sofia Martins.

Entre Lisboa e Angola, A Única Mulher foi um sucesso tão grande que a TVI acabou por a esticar por durante vários meses, tendo-se aproximando dos 600 episódios, após três temporadas. Apesar do grandioso sucesso não se ter prolongado por todas as temporadas, A Única Mulher é a telenovela mais vista da TVI nesta década.

Pesadelo na Cozinha (2017 – atualmente)

O programa de culinária baseado no Ramsay’s Kitchen Nightmares, um original britânico que tem sido um sucesso por todo o mundo. Em Portugal não foi exceção. Conduzido por Ljubomir Stanisic, o formato foi uma das maiores audiências de 2017, chegando a aproximar-se do milhão e 800 mil telespectadores durante alguns episódios na primeira temporada.

A segunda edição estreou em 2018 e, apesar de não ter mantido os valores da primeira temporada, manteve-se como o favorito dos portugueses no horário e rondou sempre os 30% de share.

A terceira temporada de Pesadelo na Cozinha estreia já no próximo dia 1 de dezembro. 

Casados à Primeira Vista (2018 – atualmente)

O fenómeno de 2018 marcou um ponto de viragem na SIC, agora comandada por Daniel Oliveira. O reality-show surpreendeu o público português e surpreendeu quem esperava por resultados mais baixos. Os diários colocaram o terceiro canal na liderança, num horário em que a estação estava consolidada no terceiro lugar há mais de um ano, com o programa de Hernâni Carvalho, Linha Aberta.

Atualmente na segunda edição, Casados à Primeira Vista continua a ser apresentado por Diana Chaves e segue forte como um dos programas mais populares da atualidade e um dos reality-shows mais vistos dos últimos anos.

O Programa da Cristina (2019 – atualmente)

Após a notável transferência de Cristina Ferreira da TVI para a SIC, a famosa apresentadora estreou-se na estação de Paço de Arcos a 7 de janeiro de 2019, com O Programa da Cristina. O talk-show cujo cenário se assemelha ao de uma casa estreou com o resultado arrasador de 6,9% de audiência média e 40,1% de share. Desde então, Cristina Ferreira segue como senhora das manhãs, destruindo a antiga liderança da TVI.

O Programa da Cristina foi também responsável por levar a SIC à liderança, marcando uma reviravolta no panorama televisivo nacional. A década, iniciada com a TVI no primeiro lugar, termina com a SIC numa liderança absoluta, neste momento com uma diferença superior a seis pontos de share nas médias mensais.