A nova temporada de The Crown, um dos maiores sucessos da Netflix, chegou à plataforma de streaming. O Espalha-Factos já viu os novos dez episódios que constituem a primeira temporada de Olivia Colman como Rainha Elizabeth II.

Ao espelhar os acontecimentos entre 1964 e 1977, a nova temporada da série introduz um novo elenco, para mostrar uma fase mais madura da soberana britânica, assim como do resto da família. Os conflitos entre irmãs de vinte anos são deixados de lado, assim como os medos de traições no casamento, agora que o peso da idade ataca a família real com grande força. O foco passa-se para os mais novos, o futuro da coroa.

A vencedora deste ano do Óscar de Melhor Atriz foi anunciada como a substituta de Claire Foy na pele da Rainha Elizabeth II em abril de 2018, tendo gerado grande curiosidade não só entre os fãs da série, mas também entre aqueles que procuram uma nova oportunidade para se deixarem ser conquistados por The Crown. No entanto, mais de um ano após a confirmação, o sabor da substituição de Claire Foy continua a ser amargo.

Claire Foy em The Crown

Claire Foy interpretou a Rainha durante as primeiras duas temporadas.

Lê também: ‘THE CROWN’: QUE ACONTECIMENTOS HISTÓRICOS OCORRERAM NO PERÍODO DA NOVA TEMPORADA?

A mudança no elenco era expectável, tendo em conta que a premissa da série será chegar até aos dias atuais da monarca britânica, mas a dedicação da Netflix em fazer a transição entre o elenco das primeiras temporadas para o novo ano da série – que marca um renascimento da produção – foi pouco ou nenhum. O espectador tem de entrar com o pensamento de aceitação perante os novos atores, pois a caracterização consegue deixar a desejar, assim como as esperadas semelhanças que deveriam existir entre o representante e o representado.

A mudança pode ser um tiro no escuro, mas, ainda assim, Olivia Colman entregou uma atuação impecável como Rainha Elizabeth II, apesar de falhar em preencher o espaço deixado pela sua antecessora. Ao fim de uma primeira temporada a assegurar o papel principal, Olivia Colman não supera Claire Foy e deixa-nos, em grande parte, a desejar que a mudança nunca tivesse realmente acontecido.

Marion Bailey, Helena Bonham Carter e Ben Daniels em The Crown

Marion Bailey, Helena Bonham Carter e Ben Daniels vestem a pele de Rainha Mãe, Princesa Margaret e Lorde Snowdon.

Lê também: ‘INCEPTION’. CHEGA À NETFLIX MAIS UM FILME DE LEONARDO DICAPRIO

A substituição coube a todos. No entanto, Helena Bonham Carter é agora a Princesa Margaret, continuando o legado de Vanessa Kirby. Tobias Menzies segue as pegadas de Math Smith, como Príncipe Philip. Porém, quase nenhuma das alterações feitas no elenco nos deixa com a sensação de objetivo cumprido, tirando algumas exceções.

Todavia, nem tudo é mau. O peso da coroa pode ser insuportável, mas a troca de elenco não impediu que o novo ano chegasse cheio de fogosidade e energia. Apesar do fraco afinco da Netflix em fazer que a alteração do elenco deslizasse da melhor maneira, a escrita da nova temporada segue forte e cativante. Agora com uma família real no centro das atenções dos media, mais do que nunca, os Windsor entram em conflito com o mundo exterior e lutam pela opinião pública, enquanto a Rainha se remete a um papel ornamental que “não pode ter opinião“, sentimento que tentará introduzir no rebelde e infeliz Príncipe Charles, que vive o fogo da adolescência e o fardo do conhecimento de que um dia será Rei.

O novo sangue real

Josh O’Connor em The Crown

Josh O’Connor interpreta Príncipe Charles, num dos melhores retratos da temporada.

Envelhecer faz parte, mas crescer também. Josh O’ Connor foi a escolha para introduzir o jovem adulto Príncipe Charles ao mundo de The Crown, resultando talvez na maior surpresa da temporada e num dos pontos altos dos dez episódios que a consistem.

Responsável por uma brilhante atuação, O’Connor entrega-nos um Príncipe confuso, honesto e desejoso de fazer melhor do que qualquer um dos seus antecessores. O episódio dedicado à personagem é um dos melhores da temporada e deixa-nos ansiosos por entrar na vida amorosa que se aproxima do Príncipe, com a chegada da Princesa Diana na próxima temporada.

Já a Erin Doherty coube o papel de Princesa Ana, a segunda filha da Rainha Elizabeth II, que é neste momento a 14.ª pessoa na linha de sucessão ao trono britânico. A atriz definiu o desafio como “especial e surreal“, sendo que a sua atuação como a única filha do casal real é também um dos pontos positivos do terceiro ano de The Crown. Apesar de o seu destaque ser ligeiramente secundário, Doherty conquistou todas as cenas nas quais participou e, tal como O’Connor, deixou a curiosidade de acompanhar o que se segue.

As crises de meia-idade

Tobias Menzies em The Crown

Tobias Menzies como Príncipe Philip.

O final da década de 60 ficou marcado pela chegada do Homem à Lua, acontecimento que veio a despertar em Príncipe Philip (agora interpretado por Tobias Menzies), uma série de questões sobre a sua existência.

A personagem mais interessante de toda a temporada é, sem qualquer espaço para dúvida, a personagem de Tobias Menzies. Math Smith já tinha, anteriormente, dado uma vida especial a Príncipe Phillip, mas é com Menzies que o retrato do Duque de Edimburgo encontra a sua simbiose. Delineado por um espelho sério, maduro e consistente, o marido da Rainha encabeçou a terceira temporada da série e ofuscou Olivia Colman, que independentemente da sua impecabilidade enquanto atriz, parece não encontrar uma harmonia entre as suas qualidades e a monarca da Commonwealth.

 família real britânica nos anos 60.

A verdadeira família real britânica nos anos 60.

O novo ano de The Crown foi um desafio. Não só tinha a função de servir como um renaissance para a série, mas também provar que mudar todo o elenco não seria um tiro no pé. O renascimento aconteceu. A nova temporada deu uma nova energia à produção, introduzindo novos atores e novas atuações que brilham e que fazem, por momentos, esquecer que há pouco mais de um ano eram outros atores a interpretar aquelas personagens.

Porém, apesar das novidades e dos desenvolvimentos dos acontecimentos que marcaram a família real entre 64 e 77, a terceira temporada da história da Rainha Elizabeth II é, provavelmente, a pior das três e deixa-nos com saudades do passado.

A terceira temporada de The Crown chegou este domingo (17) à Netflix.

Crítica. 'The Crown': a mudança é um tiro no escuro
7.5Valor Total
Votação do Leitor 5 Votos
6.8