Os Cage The Elephant foram esta manhã (12) confirmados na próxima edição do NOS Alive, a realizar-se de 9 a 11 de de julho de 2020.

É a quinta vez que os norte-americanos visitam as terras lusitanas, tendo já percorrido o país desde 2014, ano em que se estrearam no Vodafone Paredes de Coura.

Juntam-se ao cartaz em construção do NOS Alive 2020, do qual já fazem parte nomes como Taylor Swift, Billie Eilish, novamente os Two Door Cinema Club, e os primeiros confirmados da edição, Da Weasel.

Se ainda não conheces os Cage The Elephant, o Espalha-Factos apresenta-tos:

Paredes de Coura

A estreia dos Cage The Elephant em Portugal foi em 2014, mas a existência da banda remonta a 2006. Em 2008, lançavam o seu primeiro álbum, self-titled, do qual resultaram hits como o irreverente ‘In One Ear’, o crítico ‘Ain’t No Rest For The Wicked‘ ou ainda ‘Back Against The Wall‘.

Mas foi a partir de Thank You, Happy Birthday (2011) e de Melophobia (2013) que começaram a ganhar o amor do público. Apresentaram os três álbuns no Vodafone Paredes de Coura, no primeiro dia (20 de agosto) da edição de 2014, concerto que lhes garantiu a aprovação do público português – tanto que regressaram, ao mesmo sítio, dois anos depois.

Entre os dois concertos que deram no Alto Minho, em 2014 e 2016, Cage The Elephant lançaram entretanto o seu quarto álbum de estúdio, Tell Me I’m Pretty (2015).

Ao sucesso de ‘Aberdeen‘, a agressiva ‘Indy Kidz‘, ‘Shake Me Down‘, ‘Spiderhead‘, ‘Take It or Leave It‘ e a emblemática balada ‘Cigarette Daydreams‘, juntam-se ‘Cry Baby‘, Cold Cold Cold‘ e ‘Trouble‘.

Menção honrosa:Portuguese Knife Fight‘, inspirada nas ruas do Porto, onde o vocalista Matt Shultz ficou com a ideia de que os portugueses são um povo com quem ele não gostaria de lutar, imaginando uma luta de facas no meio da rua.

Coliseu do Porto

De facto, a próxima paragem da banda do Kentucky seria em fevereiro de 2017, na cidade Invicta. Inicialmente agendado para o Hard Club (antigo Mercado Ferreira Borges), no dia 6 de fevereiro, esgotou os bilhetes para a maior sala de espetáculos do espaço em poucas horas.

A banda e a promotora da mesma não esperavam que o público interessado em vê-los fosse tão potente. O concerto, mantido no dia 6, seria então alterado para o Coliseu do Porto, um espaço com mais capacidade de receção de todos os fãs ansiosos de Cage The Elephant.

Era o seu primeiro – e, até agora, único, concerto a solo em Portugal. Com abertura dos também norte-americanos Twin Peaks, os Cage The Elephant compilaram os seus quatro álbuns num concerto frenético onde, e a partir daqui isto torna-se recorrente, Matt Shultz acabou de tronco nu a ser passado no ar entre a plateia em pé.

Ainda assim, souberam selecionar os momentos perfeitos para arrancar as reações apaixonadas de quem os via, especialmente com as baladas do último álbum à data.

NOS Alive

No dia seguinte ao caos deixado no Coliseu do Porto, o NOS Alive anunciava o nome de Cage The Elephant para o terceiro dia da edição, 8 de julho, no secundário Palco Heineken. O espetáculo de inverno do Porto repetir-se-ia, em força, no Passeio Marítimo de Algés, no verão.

3 anos depois, regressam à Lisboa, menina e moça, desta vez para encantar o público do palco principal. E desta vez, trazem novo conteúdo:

Depois de lançarem o Unpeeled (2017), um álbum ao vivo que apenas introduziu o singleWhole Wide World‘ à vasta discografia nele representada, voltámos a ouvir falar deles este ano, com o seu quinto álbum de estúdio Social Cues (2019).

O recente álbum é considerado pelos críticos como o momento em que os Cage The Elephant encontraram realmente o seu som, o qual teriam procurado desde o início da carreira. Ninguém nega, no entanto, que já em Tell Me I’m Pretty (2015) havia sinais de estabilidade.

Esperamos por eles agora, no dia 10 de julho de 2020, no Passeio Marítimo de Algés.